Quando a arte entra em sala: uma estratégia de ensino aprendizagem na graduação em saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4646

Palavras-chave:

estratégia de ensino e aprendizagem, ensino em saúde, arte visual

Resumo

Apresenta-se neste artigo resultados de uma pesquisa sobre o uso da arte visual como estratégia de ensino em graduação em saúde, partindo do princípio de que a arte visual contribui para o aprimoramento do olhar dos estudantes. Buscou-se identificar e compreender um grupo de práticas pedagógicas com artes visuais na graduação em saúde. A pesquisa foi de natureza exploratória descritiva com abordagem mista. Respondeu ao questionário um grupo de 80 professores de uma Instituição de Ensino Superior em Saúde (IES), dentre os quais, 17 participaram, concomitantemente, de uma entrevista semiestruturada. Para a análise, os dados foram tratados por estatística descritiva, e as informações, pela análise de conteúdo de Moraes (2003). Na discussão dos resultados houve a triangulação concomitante (CRESWELL, 2010), sendo que, 66,4% professores participantes da pesquisa utilizam arte visual em suas aulas. Foram classificadas três maneiras de uso das artes, para exercitar: a representação, a contextualização ou a criação da realidade. Ao final, considerou-se que, devido ao caráter filosófico e função imediata e concreta, essa estratégia de utilização da arte proporciona aos alunos uma vivência dos conteúdos estudados, promovendo vínculos com a realidade, seguindo o conceito de integralidade em saúde.

 

Art enters the room:

a teaching and learning strategy in undergraduate health 

This article presents the results of a research on the use of visual art as a teaching strategy in undergraduate health, based on the principle that visual art contributes to the improvement of the students' gaze. We sought to identify and understand a group of pedagogical practices with visual arts in undergraduate health. The research was exploratory descriptive in nature with a mixed approach. A group of 80 teachers from a Higher Education Institution in Health (HEI) answered the questionnaire, among which, 17 participated, concomitantly, in a semi-structured interview. For the analysis, the data were treated by descriptive statistics, and the information, by the content analysis of Moraes (2003). In the discussion of the results, there was concomitant triangulation (CRESWELL, 2010), with 66.4% of the teachers participating in the research using visual art in their classes. Three ways of using the arts have been classified to exercise: representation, contextualization or the creation of reality. In the end, it was considered that, due to the philosophical character and immediate and concrete function, this strategy of using art provides students with an experience of the contents studied, promoting links with reality, following the concept of integrality in health.

 

 

 

Biografia do Autor

Eluane Mirian Santos Sanchez, Faculdades Pequeno Príncipe

Mestre em Ensino nas Ciências da Saúde (FPP - 2019). Especialista em Saúde para Professores do Ensino Fundamental (UAB e UFPR - 2013). Especialista em Poéticas Contemporâneas no Ensino da Arte (UTP - 2005). Graduação em Artes Visuais (UFPR - 2003). Graduação em Pedagogia (UBC - 2016). Atua como professora no Hospital Pequeno Príncipe pelo Programa de Escolarização Hospitalar da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba.

Suely Grosseman, Universidade Federal de Santa Catarina e Faculdades Pequeno Príncipe

Doutora em Engenharia de Produção. Médica. Docente do Departamento de pediatria da Universidade Federal de Santa Catarina e do Mestrado em Ensino nas Ciências da Saúde das Faculdades Pequeno Príncipe - Curitiba PR.

Leida da Conceição Sanches, Faculdades Pequeno Príncipe

Doutora e Mestre em sociologia, graduada em ciências sociais em direito, docente do programa de mestrado em Ensino na ciências da saúde das Faculdades Pequeno Príncipe - Curitiba, PR. Membro do Comitê de ética em Pesquisa da FPP. Membro do grupo de pesquisa em sociologia da saúde da Universidade Federal do Paraná - UFPR. 

Referências

ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ARNHEIN, Rudolf. Arte e Percepção Visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira, 2002.

BARBOSA, Ana Mae Barbosa. (Org). Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Cortez, 2003.

BARBOSA, Ana Mae; AMARAL, Lilian. Interterritorialidade, mídias, contextos e educação. São Paulo: SENAC, 2008.

BARBOSA, Ana Mae (Org.) Arte / Educação Contemporânea Consonância Internacionais. São Paulo: Cortez, 2008.

BARROS, José D’Assunção. Arte é coisa mental: reflexões sobre o pensamento de Leonardo da Vinci sobre a arte. Revista Poiésis, n. 11, p.71-82, nov. 2008. Disponível em: http://www.poiesis.uff.br/PDF/poiesis11/Poiesis_11_artecoisamental.pdf.Acesso em: 29/03/2020.

BENTWICH, M. E.; GILBEY, P. More than visual literacy: art and the enhancement of tolerance for ambiguity and empathy. BMC Medical Education. EUA, v. 17, n. 1, p. 1–9, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29126410 . Acesso em: 09/07/2019. doi: 10.1186/s12909-017-1028-7.

BONDÍA, Jorge Larrosa Bondía. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista brasileira de educação, Jan/Fev/Mar/Abr 2002 Nº 19. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141324782002000100003&script=sci_abstract&tlng=pt . Acesso em: 02/11/2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 3, DE 20 DE JUNHO DE 2014, Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Regulamentando a Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 16/11/2019.

BUENO, Maria Lúcia. Artes plásticas no século XX: modernidade e globalização. São Paulo: Unicamp, 2001.

BUORO, Anamélia Bueno. Olhos que pintam: a leitura da imagem e o ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002.

CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006.

CECCIM, Ricardo Burg, FEUERWERKER Laura C. Macruz. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. CAD. Saúde Pública, Rio de Janeiro, set-out, 2004. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2004.v20n5/1400-1410/pt Acesso em: 22/07/2019.

CHEREM, Alfredo Jorge. Medicina e Arte: Observações para um diálogo interdisciplinar. Revista Acta Fisiátrica, São Paulo, 2005. Disponível em> www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/viewFile/102510/10081. Acesso em: 13/11/2019.

CRESWELL. John. W. Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Da VINCI, Leonardo. Anatomia superficial do ombro e pescoço. Collection of Her Majesty the Queen at Windsor Castle. 4 vols, London. 1510. Disponível em: https://www.rct.uk/collection/919003/recto-the-superficial-anatomy-of-the-shoulder-and-neck-verso-the-muscles-of-the Acesso em: 11/11/2019.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GARDNER, Howard. Cinco mentes para o futuro. São Paulo: Artmed. 2007.

GIL, Antônio Carlos. Metodologias do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 2005.

GOMBRICH, E. H. Os usos das imagens: estudos sobre a função social da arte e da comunicação visual. Porto Alegre: Bookman, 2012.

JOLY, Martine. (2013). Introdução à análise de imagens. Papirus: Campinas-SP.

KATZ, T, Joel; KHOSHBIN, Shahram. Can visual arts training improve physician performance? Transactions of the American Clinical and Climatological Association, v. 125, n. 3, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4112699/. Acesso em: 09/07/2019

MORIN, E. Os sete saberes necessários a educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2002.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, 2003. Disponível em: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks.com/w/file/fetch/54950175/tempestade%20de%20luz.pdf. Acesso em: 10/11/2019.

NIERENGARTEN, Mary Beth. Estudar arte melhora capacidade de observação em estudantes de medicina. Revista Medscape. 2018. Disponível em: https://portugues.medscape.com/verartigo/6502008. Com acesso em: 01/07/2019.

NISE DA SILVEIRA. Disponível em: https://saude.abril.com.br/blog/tunel-do-tempo/voce-precisa-conhecer-a-historia-de-nise-da-silveira/. Com acesso em: 15/09/2019.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 17ª ed, Vozes: Petrópolis, 2003.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. Martins Fontes: São Paulo, 2001.

PARSONS. J. Michel. Compreender a Arte. Editora Presença. 1992.

PEREZ, Juan. O médico de família. Disponível em: https://www.nlm.nih.gov/exhibition/perez/fpractitioner.html. Acesso em: 16/11/2019.

PINHEIRO, Roseni. Integralidade em saúde. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz: Rio de Janeiro – RJ, 2007. Disponível em: http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/intsau.html Aesso em: 12/09/2019.

PORTER, Roy. História da Medicina. Revinter: Rio de Janeiro, 2006.

REGO Paula. Tríptico. Cada painel: 110 x 100 cm. Portugal. 2003. Disponível em: https://www.artfund.org/supporting-museums/art-weve-helped-buy/artwork/8686/triptych-1998. Acesso em 12/09/2019.

SANTAELLA, Lucia. Leitura de Imagens. São Paulo: Melhoramentos. 2012.

TAPAJÓS, Ricardo. A Introdução das Artes nos Currículos Médicos. Revista Interface - Comunic, Saúde, Educ, v6, n10, fev 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832002000100003&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 01/07/2019.

TAPAJÓS, Ricardo. Objetivos Educacionais na Pedagogia das Humanidades Médicas: Taxonomias Alternativas (Campos de Significado e Competências). Revista Brasileira de Educação Médica 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010055022008000400013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 08/09/2019.

VÁSQUEZ, Adolfo Sanchez. Convite à Estética. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1999.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Sanchez, E. M. S., Grosseman, S., & Sanches, L. da C. (2022). Quando a arte entra em sala: uma estratégia de ensino aprendizagem na graduação em saúde. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4646