PERCEPÇÕES SOBRE A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS: UM ESTUDO DE CASO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4688

Palavras-chave:

Percepção. Qualificação Profissional. Medidas socioeducativas.

Resumo

A temática da qualificação profissional de adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas apresenta na legislação amplos aspectos de orientação a práticas. Dentro da literatura existem poucos registros sobre instituições de ensino e práticas que tenham efetivado programas para atender a esta demanda. Objetivou-se analisar as possibilidades de transformação social da vida dos adolescentes egressos e em cumprimento de medidas socioeducativas de prestação de serviços comunitários e/ou liberdade assistida, tomando como base o estudo de caso de uma turma na qual foram entrevistadas pessoas chave que participaram do programa. Conclui-se que neste estudo de caso a aprendizagem da qualificação profissional oportunizou a transformação da realidade social dos adolescentes cumprindo medidas socioeducativas. Porém dentro da estrutura dialógica que organiza a vida dos adolescentes nas situações que os levaram ao exercício das medidas socioeducativas. Consideramos que tal prática ainda não representa a solução para a complexidade do contexto social e suas demandas.

Biografia do Autor

Mario Lopes Amorim, Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Paraná (1985), mestrado em História pela Universidade Federal do Paraná (1992) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2004). Atualmente é professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Profissional, atuando principalmente nos seguintes temas: história do ensino técnico, escola de aprendizes artífices do paraná, ensino profissional e ensino médio.

Stephanie Bastos, Federação das Industrias do Estado do Paraná

Possui Bacharelado em Pedagogia (2007), pela Universidade Federal do Paraná. Especialização Área: Educação Infantil e Séries Iniciais (2010), pelo Grupo Uninter e Gestão de Organizações Educacionais (2013), pela Universidade Positivo. É Gerente de Unidade SESI/SENAI PR onde desenvolve atividades gerenciais de negócios de uma Unidade Operacional. Já atuou como coordenadora técnica de negócios no Senai - PR onde coordenou a área educacional de uma unidade. Trabalha na área educacional há mais de dez anos, onde adquiriu sólida experiência nas diversas modalidades de ensino e relacionamento humano em geral, com destaque a trabalho com coordenadores, diretores e professores. Atua fortemente com desenvolvimento de projetos educacionais, acompanhamento da Legislação e elaboração de relatórios educacionais para MEC e Secretarias de Educação. Realiza palestras de formação docente e atua como Coaching Educacional. Interessa-se sobre o processo de aprendizagem mais do que o resultado deste, tem capacidade de ordenar estrategicamente e achar a melhor saída. É uma pessoa positiva e instintivamente receptiva. Atualmente auxilia no desenvolvimento de projetos focados no desenvolvimento de jovens em cumprimento de medidas socioeducativas.

Maria Sara de Lima Dias, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Pós-Doutora em Psicologia pela Universidad Autónoma de Barcelona (2016) como Bolsista CAPES, Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009) possui mestrado (2004) em Psicologia da Infância e Adolescência e graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (1990). Especialista em Pedagogia Social pela Universidade Católica Portuguesa. Trabalha com projetos que discutem Tecnologia e Trabalho, Saúde do Trabalhador e Orientação Profissional e Planejamento de Carreira. Professora do Departamento de Estudos Sociais (DAESO) na Universidade Tecnológica Federal do Paraná , na graduação leciona Psicologia do Trabalho e Planejamento de Carreira. No Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade - PPGTE, é orientadora de metrado e doutorado, na linha de pesquisa Tecnologia e Trabalho, e atua nas disciplinas Metodologia da Pesquisa, Tecnologia e Sociedade e Dimensões Culturais da Tecnologia.

Referências

ARAUJO, R. M. de L. Competência e qualificação: duas noções em confronto, duas perspectivas de formação dos trabalhadores em jogo. Trabalho e Crítica, Belo Horizonte/Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 173-186, 1999.

BERNARDIM, M. L. Juventude, Escola e Trabalho: sentidos atribuídos ao ensino médio integrado por adolescentes da classe trabalhadora. 304 f., Tese de Doutorado, Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2013.

BERNARDIM, M. L.; SILVA, M. R. da Juventude(s) e Ensino Médio: da inclusão escolar excludente aos jovens considerados nem-nem. Rev. Contrapontos – Eletrônica. Out-Dez., vol. 17, n. 04, p. 688-704; 2017.

BRASIL. Secretaria Nacional de Assistência Social. 2016. Caderno de Orientações Técnicas: Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto. Brasília, DF, SNAS.

CONANDA. Resolução n. º 119, de 11 de dezembro de 2006. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo e dá outras providências. Disponível em: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/download/resolucao_119_conanda_sinase.pdf. Acesso em: 30 marc. 2020.

COSTA, A. C. G. Por uma política nacional de execução das medidas socioeducativas: conceitos e princípios norteadores. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República–SEDH/PR, 2006.

FERRETTI, C. J. Tecnologias, Trabalho e Educação: Um Debate Multidisciplinar. São Paulo: Vozes, 1994.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª. Edição, Porto Alegre: Artmed, 2009.

GENTILI, P. Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais. In: LOMBARDI, J.C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J.L. Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados/HISTEDBR, 2005.

KUENZER, A. Z. O trabalho como princípio educativo. Cadernos de Pesquisa, n. 68, p. 21-28, 2013.

KUENZER, A. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. Capitalismo, trabalho e educação, v. 3, p. 77-96, 2002.

MANACORDA, M. A. O princípio educativo em Gramsci. Trad. William Lagos.Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

PERRENOUD, P.; THURLER, M. G.; MACEDO, L.; MACHADO, N. J.; ALESSANDRINI, M. D. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Editora Cortez, 2001.

RUIZ, M. J. F. Trabalho coletivo na escola pública: contribuições pedagógicas de Anton Semionovitch Makarenko. Revista ORG & DEMO, v. 9, n. 1/2, p. 223, 2010.

TONET, I. Educação contra o capital. 3ª. Ed., São Paulo: Instituto Lukács, 2016.

Downloads

Publicado

21/05/2022

Como Citar

Amorim, M. L., Bastos, S., & Dias, M. S. de L. (2022). PERCEPÇÕES SOBRE A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS: UM ESTUDO DE CASO. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4688

Edição

Seção

Artigos