Educação, História e Games: para além das fronteiras

Visualizações: 237

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i39.4707

Palavras-chave:

Games, Aprendizagem, Ensino de História

Resumo

O artigo apresenta parte dos resultados de uma pesquisa que utilizou dois jogos digitais da franquia Call of Duty, em conjunto com filmes, para o ensino de História Contemporânea em uma escola municipal de ensino fundamental II do Rio de Janeiro, em área com altos índices de pobreza e violência. O públicoalvo foi composto por 14 alunos em recuperação na disciplina, com perfis de evasão e desinteresse nas atividades escolares. Para abordar os conteúdos teóricos sobre conflitos contemporâneos, foram utilizados jogos como forma de articular o conteúdo curricular a partir de mídia popular entre eles. A fundamentação teórica considerou os pressupostos educacionais democráticos e valorização do conhecimento prévio, conforme os pressupostos de Dewey. A metodologia do trabalho empregou uma abordagem qualitativa com o uso de grupos focais, baseado em Gaskell e Gatti, visando a apreender as
percepções dos alunos sobre o que observaram nos jogos e verificar de que modo estes elementos poderiam dialogar com os fatos históricos estudados e pesquisados durante as atividades. Os resultados extrapolaram as expectativas, pois houve melhoria atitudinal em sala de aula e ampliação no conhecimento em História.

Biografia do Autor

Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa, Universidade Estácio de Sá (UNESA)

Professora do PPGE UNESA. Coordenadora da Linha de Pesquisas TICPE . Tecnologias de Informação e Comunicação nos Processos Educacionais.

Kauan Pessanha Soares, Universidade Estácio de Sá (UNESA)

Professor de História (Ensino Fundamental II) na Secretaria Municipal de Educação (SME/RJ). Doutorando em Educação pela Universidade Estácio de Sá (UNESA).

Referências

ALVES, Lynn. Games e Educação: Desvendando o Labirinto da Pesquisa. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 177-186, jul./dez.2013. Disponível em:< https://goo.gl/8BFmMU>. Acesso em 16 jun. 2020.

ARRUDA, Elcidio. P. Jogos Digitais e Aprendizagens: o jogo Age of Empires III desenvolve ideias e raciocínios históricos de jovens jogadores? Tese de Doutorado – UFMG/FaE, 2009. Disponível em: <http://hdl.handle.net/1843/FAEC-84YTDL> Acesso: 16 jun. 2020.

BARROS, José D’Assunção. O Campo da História. Petrópolis: Vozes, 2004.

BURKE, Peter. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, P. (Org). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 1992.

Call of Duty – Modern Warfare. Gênero: Tiro em primeira pessoa. Desenvolvedor: Treyarch. Lançamento: 05/11/2007. Distribuidora: Activision Blizzard.

Call of Duty – World at War. Gênero: Tiro em primeira pessoa. Desenvolvedor: Treyarch. Lançamento: 11/11/2008. Distribuidora: Activision.

DEWEY, John. Democracia e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

DIAS, Josemeire M. Procedimentos analíticos para avaliação de jogos educacionais digitais: uma experiência baseada no desenvolvimento do Kimera219 f. (Doutorado em Educação e Contemporaneidade). Universidade do Estado da Bahia, 2015.

FORNACIARI, Marco. A. A guerra em jogo: a Segunda Guerra Mundial em Call of Duty, 2003-2008. Niterói, 2016. 198 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

GASKELL, George. Entrevistas individuais e grupais In: BAUER, Martin W. & GASKELL, George. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som – um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p.64-89.

GATTI, Bernadete A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GEE, James Paul Bons videojogos + Boa aprendizagem: coletânea de ensaios sobre os videojogos, a aprendizagem e a Literacia. Ramada, Portugal: Edições Pedago, 2010.

INSTITUTO PEREIRA PASSOS (IPP). Data Rio. Índice de Desenvolvimento Social (IDS) e seus indicadores constituintes, segundo as Áreas de Planejamento, Regiões de Planejamento, Regiões Adminitrativas e Bairros - Município do Rio de Janeiro - 2010. Disponível em

<http://www.data.rio/datasets/subzonas-e-subsetores-1>. Acesso em 29 mar 2020.

LOURENÇO, Carlos. E. O “Estado da Arte” da produção de teses e dissertações sobre games – entendidos como forma de comunicação – no banco de dados CAPES realizadas entre 1987 e 2010. 2012. 166 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de

Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MENDONÇA, Josimar. Jogos Virtuais: um caminho para a aprendizagem do ensino de História 89 f. (Mestrado Profissional em Educação e Docência). Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2016.

MOITA, Filomena M. Gonçalves da Silva Cordeiro Games: contexto cultural e curricular juvenil. 181f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006. Disponível em:<http://www.filomenamoita.pro.br/pdf/tese-games.pdf>. Acesso em 27 nov.

PEDROSA, Fernando Velôzo Gomes. A história militar tradicional e a “nova história militar”. XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH. São Paulo, 2011.

PEDROSA, Stella Maria Peixoto de Azevedo. Jovens de fanfarra: memórias e representações, Tese (Doutorado em Educação) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

PRENSKY, Marc. (2001a). Digital natives, digital immigrants. On the Horizon,9, 5, 1–6.

PRENSKY, Marc. (2001b). Digital natives, digital immigrants, part II. Do they really think differently? On the Horizon,9, 6, 1–6.

PRENSKY, Marc. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: Senac-SP, 2012.

SALEN, Kate; ZIMMERMAN, Eric. The game designer reader: a rules of play anthology. Boston: Massachusetts Institute of Technology, MIT Press, 2006.

SANTAELLA, Lucia. Games e comunidades virtuais. 2004. Disponível em: <https://goo.gl/3xL2sd>. Acesso em 16 jun. 2020.

SILVA, João. Carlos Soares. Games em uma perspectiva educacional: mapeamento analítico da produção acadêmica. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2018.

SOARES, Kauan Pessanha. Jovens e Games: a construção do conhecimento em História no ensino fundamental II com jogos Call of Duty. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2018.

STURKEN, Marita. Tangled memories: The Vietnam War, the AIDS epidemic, and the politics of remembering. Berkeley, Los Angeles and London: University of California Press, 1997.

TANNAHILL, Nick; TISSINGTON, Patrick; SENIOR, Carl. Video games and higher education: what can “Call of Duty” teach our students? Frontier Psychology. 25 June 2012. Disponível em: <http://doi.org/10.3389/fpsyg.2012.00210> Acesso em: 30 mar 2020.

TAPSCOTT, Don. Educating the net generation. Educational Leadersh. v.56, 1999. p. 6–11.

TELLES, Hellyon V; ALVES, Lynn. Ficção e Narrativa: o lugar dos videogames no ensino de História. Teccogs: Revista Digital de Tecnologias Cognitivas, TIDD | PUC-SP, São Paulo, n. 11, p. 115-130, jan-jun. 2015.

TORQUATO, Nilton M. M. O uso do Minecraft como dispositivo de mediação tecnológica no ensino de História. 117 f. (Mestrado Profissional em Educação e Novas Tecnologias). Centro Universitário Internacional, Uninter, 2018.

WATANABE, Claudia A. A. Jogos digitais e temáticas históricas: limites e possibilidades em uma escola pública. 258 f. Tese (Doutorado em Educação-Currículo). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo Biblioteca, 2019.

ZAHREDDINE, Danny; LASMAR, Jorge. M.; TEIXEIRA, Rodrigo C . O Oriente Médio. Curitiba: Editora Juruá, 2011.

ZAHREDDINE, Danny; TEIXEIRA, Rodrigo C. A ordem regional no Oriente Médio 15 anos após os atentados de 11 de Setembro. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 23, n. 53, p.71-98, Mar. 2015.

Downloads

Publicado

14-06-2023

Como Citar

Pedrosa, S. M. P. de A., & Soares, K. P. (2023). Educação, História e Games: para além das fronteiras. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(39). https://doi.org/10.26514/inter.v13i39.4707