Sobre etnicidade na educação: saberes e corporeidade no ritual do Torém na Escola Indígena Diferenciada Maria Venâncio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4822

Palavras-chave:

Torém. Escola. Indígenas. Tremembé. Corporeidade.

Resumo

O povo indígena Tremembé habita o litoral oeste do estado do Ceará e apesar de terem sofrido com o processo de “caboclização” (OLIVEIRA JR, 1998), que negou a identidade indígena, dificultando o reconhecimento de suas identidades, conseguiram notoriedade social organizando-se em torno do seu ritual, o Torém. Ritual circular que evoca seres “encantados”, cantado em língua ameríndia e portuguesa, e no qual bebemsua bebida tradicional feita do caju, o mocororó. Objetivamos descrever a transmissão de saberes e a corporeidade que envolve a prática do ritual do Torém entre os Tremembé na Escola Indígena Diferenciada Maria Venâncio, localizada na aldeia de Almofala (Itarema-CE). O ritual perpassa a transmissão de saberes étnicos peculiares como o resgate linguístico, a autodenominação e afirmação identitária. Abraçamos no estudo a descrição de vivências e nos utilizamos de relatos orais de 5 indígenas. Apontando que este estudo contribui numa perspectiva de ampliação acerca do horizonte de significações sobre a corporeidade e instigando o debate sobre uma concepção ampliada de atuação intercultural em Educação Física. Concluindo que sua etnicidade está numa compreensão simbólica que os remete a unidade grupal e memória coletiva, sendo a escola o principal vetor de seus saberes, e o Torém como símbolo desta origem.

Biografia do Autor

Arliene Stephanie Menezes Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Universidade Estadual do Ceará

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará-IFCE. Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará-UECE. Mestra em Educação Física pa Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN.

Referências

ALMEIDA, A. J. M.; ALMEIDA, D. M. F.; GRANDO, B. S. As práticas corporais e a educação do corpo indígena: a contribuição do esporte nos jogos dos povos indígenas. (2010). Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 2-4, p. 59-74, dez.

BRASIL. Diretrizes para a Política Nacional de Educação Escolar Indígena. Comitê de Educação Escolar Indígena. – 2º ed. Brasília: MEC/SEF/DPEF, 1994.

FONTELES FILHO, J. M. Subjetivação e educação indígena. Fortaleza, 2003. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2003.

FREITAS, T. M.Cultura e Afirmação Étnica: Reflexões iniciais acerca do Museu Indígena Jenipapo-Kanindé (CE). Anais da 29º Reunião Brasileira de Antropologia – Diálogos Antropológicos: expandido fronteiras. 2014. Disponível em: <http://www.29rba.abant.org.br/resources/anais/1/1402015091_ARQUIVO_CulturaeAfirmacaoEtnica-artigoRBA.pdf> Acesso em 17 de mar. de 2019.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GOMES, Alexandre.; VIEIRA, João Paulo.; MUNIZ, Juliana. Povos indígenas do Ceará: Organização, memória e luta. Fortaleza, Ceará: Editora e gráfica Ribeiro’s, 2007.

GONDIM, Juliana Monteiro. “Não tem caminho que eu não ande e nem tem mal que eu não cure”: narrativas e práticas rituais das pajés Tremembés. 125 f. Mestrado em sociologia. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

GONDIM, Juliana Monteiro. Corpo e ritual: práticas de cura e afirmação identitária nos Tremembé de Almofala. In: PALIOT, Estevão Martins (Org). Na mata do sabiá: contribuições sobre a presença indígena no Ceará. Fortaleza: Secult/Museu do Ceará/IMOPEC, 2009.

GRANDO, B. Corpo e cultura: a educação do corpo em relações de fronteiras étnicas e culturais e a constituição da identidade Bororo em Meruri-MT. Pensar a prática, Goiânia v. 8, n. 2, p. 163-179, jul./dez. 2005.

NASCIMENTO, Maria Gilsa do.; JACINTO, Rita Félix. História da educação diferenciada Tremembé. FONTELES FILHO, José Mendes (Org.). Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014.

OLIVEIRA, R. L. O Torém como lugar de memória e de formação da educação escolar diferenciada indígena Tremembé. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2015.

OLIVEIRA JR., G. A. Torém: Brincadeira dos índios velhos. Fortaleza: Anna Blume, 1998.

OLIVEIRA JR., G. A. O encanto das águas: a relação dos Tremembé com a natureza. Fortaleza: Museu do Ceará/Secretaria da cultura do estado do Ceará. 2006.

PEREIRA, Anúsia Pires. Educação Diferenciada Indígena e Descolonialidade Ambiental: Um estudo do Magistério Indígena. Mestrado em Educação. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. 2018.

PEREIRA, Arliene Stephanie Menezes. Aninhá Vaguretê: reflexões simbólicas para a Educação Física no ritual do Torém dos índios Tremembé. Dissertação (Mestrado) -Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciência da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Natal, 2019.

PEREIRA, Arliene Stephanie Menezes. Corpo Tremembé: Filho de uma luta e fruto de uma história. Monografia (Graduação em Educação Física) - Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2011.

POMPEU SOBRINHO, Tomaz. Índios Tremembé. Revista Inst. Ceará. Fortaleza, 65, Ceará, 1951.

SILVA, A. L. Pequenos xamãs: crianças indígenas, corporalidade e escolarização. IN: SILVA, A. L.; MACEDO, A. V. L.; NUNES, A. (Org.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.

SILVA, A. L. Uma “Antropologia da educação” no Brasil? Reflexões a partir da escolarização indígena. IN: SILVA, A. L.; FERREIRA, M. K. L. (Org.). Antropologia, História e Educação. A questão indígena na escola. São Paulo: Global, 2001

SIMON, Mara. AZZARITO, Laura. ‘Singled out because of skin color …’: exploring ethnic minority female teachers’ embodiment in physical education. Sport, Education and Society. p. 105-120. Volume 24, 2019 - Edição 2. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13573322.2017.1326893> Acesso em: 01 de fev. de 2019.

SOUSA, José Otávio Catafesto. O que é afinal o corpo índio no Brasil meridional? IN: LEAL, Ondina Fachel (Org.). Corpo e Significado - Ensaios de Antropologia Social. Porto Alegre, Editora da Universidade: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001.

VALLE, C. G. O. Compreendendo a dança do Torém: visões do folclore, ritual e tradição entre os Tremembé do Ceará. Revista Anthropológicas, Recife, v. 16, n.2, p. 187-228, 2005.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Apresentação. IN: VILAÇA, A. Comendo como gente. Formas de canibalismo wari (Pakaa-Nova). Anpocs/UFRJ: XI-XXIII, 1992.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A Fabricação do corpo na sociedade xinguana. IN: OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de (Org.). Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1987

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. Trad. de Amálio Pinheiro; Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das letras, 1993.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Pereira, A. S. M. (2021). Sobre etnicidade na educação: saberes e corporeidade no ritual do Torém na Escola Indígena Diferenciada Maria Venâncio. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 324–346. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4822