Uma reflexão sobre o currículo em espaços formais e não formais de ensino nas trilhas do multiculturalismo presente no Ciclo do Marabaixo

Autores

  • Claudia Patrícia Nunes Almeida Instituto Federal do Amapá
  • Miriam Inês Marchi Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES
  • Marcelo Maximo Purificação Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior - FIMES/UNIFIMES https://orcid.org/0000-0002-4788-016X

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4837

Palavras-chave:

Currículo. Ensino. Poder. Multiculturalismo. Ciclo do Marabaixo.

Resumo

O artigo promove uma reflexão a respeito do currículo e as relações dos saberes multiculturais presentes no Ciclo do Marabaixo, e a prática desses conhecimentos em espaços formais e não formais de ensino. Os estudos são pautados em Candau (2010, 2012), Munanga (2005), Jacobucci (2008), Hall (2014, 2015), Silva (1999, 2014), Moreira (1999) Lopes e Macedo (2011), e entre outros. A pesquisa enquadra-se como etnográfica e tem caráter qualitativo, descritivo e documental. Considerou-se a análise descritiva, como suporte teórico para a análise dos dados. Usa-se como técnicas de coleta de dados: observação participante, entrevista semiestruturada e diário de campo. Os participantes foram: alunos do ensino médio integrado dos Cursos Técnico do Instituto Federal do Amapá- Campus Santana; professores de história, artes, sociologia; e membros da Associação Cultural Berço das Tradições Amapaenses- Marabaixo da Favela: Barracão Tia Gertrudes. Os estudos apontaram que o currículo é um dispositivo de poder, onde saberes, identidades e culturas são incluídas ou excluídas do processo educacional em espaços formais de ensino. Outro aspecto revelado, foi a potência e a importância dos espaços não formais de ensino como as associações culturais, no que diz respeito à conscientização e à valorização dos saberes multiculturais presentes na cultura popular; em especial o Ciclo do Marabaixo que acontece no estado do Amapá.

Biografia do Autor

Claudia Patrícia Nunes Almeida, Instituto Federal do Amapá

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Pará (2003). Atualmente é professora de língua portuguesa do Instituto Federal do Amapá. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em LINGUA PORTUGUESA, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro, ensino, metologia ativa, aprendizagem e literatura.

Miriam Inês Marchi, Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade de Santa Cruz do Sul (1994), mestrado em Química pela Universidade Federal de Santa Maria (1998) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Maria (2003). Atualmente é professora titular da Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES. Atua, principalmente, nas seguintes linhas de pesquisa: Tecnologias, metodologias e recursos didáticos para o ensino e Formação de Professores e Práticas Pedagógicas no Ensino

Marcelo Maximo Purificação, Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior - FIMES/UNIFIMES

Pós-doutor em Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - Portugal (FPCE/UC-Portugal-2014/2016) e, em Formação de Professores, Identidade e Gênero pelo Instituto Politécnico da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC - Portugal -2017/2020). Doutor em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás-2010/2014). Atualmente é doutorando em Ensino pela UNIVATES/2018 (com objeto de tese na área da Educação Matemática) e em Educação pela ULBRA/2020 (com objeto de tese na área de Currículo, Cultura e Identidade). Possui Mestrado Profissional em Teologia: Educação Comunitária Infância e Juventude (FEST/UFRGS-2007/2008) e Mestrado Acadêmico em Ciências Educacionais pela (UEP - 2007-2009). A nível de graduação tem formação multidisciplinar (1993-2011) com Licenciatura em Matemática (UEG), Pedagogia (ICSH/UFG), Filosofia (FBB/UNIT) e Bacharelado em Teologia pela (FATEBOV). É Professor Titular da Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior (FIMES/UNIFIMES desde 2014) no regime estatutário/parcial e da Secretaria de Educação do Estado de Goiás (SEDUCE- desde 1999). Atua ainda, como Docente Permanente nos seguintes Programas: Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado) da FACMAIS - Faculdade de Inhumas - Linha 2: Educação, Cultura, Teorias e Processos Pedagógicos; Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado) da Fundação Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS, Linha 1 - Currículo, Formação Docente e Diversidade (Cooperação técnica nº 1038/2019. Publicado no D. O. nº 10038 de 28/11/2019) e do MPIES - Mestrado Profissional em Intervenção Educativa e Social da Universidade do Estado da Bahia - UNEB (Colaboração Técnica, sem vínculo empregatício), na Linha 2 - Novas Formas de Subjetivação e Organização Comunitária. Tem experiência na área da Educação, com ênfase em Processos Educativos, Currículo e Diversidade, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino; Formação de Professores; Políticas Educacionais; Uso das tecnologias da informação e comunicação -TIC - na Educação; Religiosidade; Violência Escolar e Cultura de Paz. Nos dias que correm, interessa-me pesquisa nas temáticas: Educação, Formação de Professores, Cultura, Identidade e Tecnologias. Coordenador do Grupo de Pesquisa (NEPEM/UNIFIMES-CNPq); Colíder do Grupo de Pesquisa em Educação, Tecnologias Sociais e Desenvolvimento no interior do Amazonas (do IFAM). Membro do Comitê Científico da Revista Brasil Publishinh. Membro da Comissão Editorial da Revista Científica em Educação (FacMais); Parecerista da Revista Fragmento de Cultura da PUC - Goiás e do Guia do Estudante da editora Abril desde 2010. Cadastrado no ORCID (Open Researcher and Contributor ID) https://orcid.org/0000-0002-4788-016X. E no ResearchGate (researchgate.net/scientific-contributions) 2119039154_Marcelo_Maximo_Purificacao.

 

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar. 18. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012. Série Práticas Pedagógicas.

ALBUQUERQUE, Maria Betânia B. Beberagens indígenas e educação não escolar no Brasil colonial. Belém: FCPTN, 2012.

BRANDÃO, Carlos R.A. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CANDAU, Vera Maria; MOREIRA, Antônio Flávio. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

______. Didática Crítica Intercultural aproximações. Sociedade multicultural e educação: tensões e desafios. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. 48. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

______. A educação na cidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

GIL. Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisa: Como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HALL, Stuart. The work of representation. In: HALL, Stuart (Org.). Representation Cultural representation and cultural signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1997.

______. A Centralidade da Cultura- Notas sobre as revoluções culturais no nosso tempo. Educação & Realidade, v. 22, n. 2, p. 15-49, 1997.

______. A identidade Cultural na pós Modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

JACOBUCCI, Daniela Franco Carvalho. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, Uberlândia, v.7, 2008

LOPES, Vera Neusa. Racismo, Preconceito e Discriminação. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, p.185-204, 2005.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias do Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; SILVA. T. T. da. Currículo, Cultura e Sociedade. 3. ed. São Paulo: Cortez,1999.

______. Território Contestado: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

MARTINS, Benedito Rostam Costa. Marabaixo, ladrão, gengibirra e rádio – Traduções de linguagens de textos culturais. São Paulo: 2012. 214f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica, São Paulo-SP, 2012.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Currículo e diversidade cultural. In: Tomaz Tadeu da Silva e Antonio Flávio Moreira (Org.). Territórios Contestados: O currículo e os novos mapas culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

______ (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p.7-77, 2014.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Almeida, C. P. N., Marchi, M. I., & Purificação, M. M. (2022). Uma reflexão sobre o currículo em espaços formais e não formais de ensino nas trilhas do multiculturalismo presente no Ciclo do Marabaixo. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4837