Astronomia na cultura indígena para a educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4937

Palavras-chave:

Cultura Indígena, Astronomia, Formação de Professores, Equipamentos Didáticos, CONEEI.

Resumo

O objetivo deste artigo é relatar os resultados de uma pesquisa sobre a astronomia na cultura indígena. Na fundamentação teórica, utiliza-se principalmente textos de missionários da época da colonização, cujos relatos são muito importantes para estudar a cultura astronômica desses povos, nessa época. A metodologia utilizada foi de pesquisa participante, realizada com sábios indígenas de diversas regiões do Brasil, tais como em Dourados (MS) e São Gabriel da Cachoeira (AM). Como um dos principais resultados da pesquisa, idealizou-se e construiu-se equipamentos didáticos, como planetários e observatórios solares indígenas, que foram também, desenvolvidos em realidade virtual imersiva, para facilitar a visualização e a aprendizagem, na prática, dos fenômenos astronômicos estudados. Depois, criou-se um curso de pós-graduação lato sensu e uma disciplina para a graduação e para a pós-graduação lato sensu de formação de professores para o ensino das relações étnico-raciais, em uma instituição de ensino superior. Esta pesquisa fornece subsídios para a implementação da Lei Nº 11.645/2008, que tornou obrigatória o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena, nas disciplinas da Educação Básica e para as propostas aprovadas, em 2018, na Etapa Nacional da II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena (CONEEI)

Biografia do Autor

Germano Bruno Afonso, Centro Universitário Internacional Uninter

Pós-Doutorado em Astronomia pelo Observatoire de la Cote d'Azur, França. Doutor em Astronomia de Posição e Mecânica Celeste pela Université Pierre et Marie Curie (Paris VI). Mestre em Ciências Geodésicas e Graduado em Física pela Universidade Federal do Paraná. Foi Professor Titular de Física de Universidade Federal do Paraná. Atualmente é professor/pesquisador do Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu: Mestrado Profissional em Educação e Novas Tecnologias ? PPGENT, do Centro Universitário Internacional UNINTER, Curitiba, PR, Diretor Presidente da Fundação Wilson Picler de Amparo a Educação, Ciência e Tecnologia ? FAMPECT, Líder do Grupo de Pesquisa ?Ciência, Tecnologia e Interculturalidade na Educação? na Linha de Pesquisa ?Formação Docente e Novas Tecnologias na Educação? da UNINTER. Tem experiência nas seguintes áreas: Astronomia e Arqueoastronomia Indígenas; Realidade Virtual e Aumentada na Educação; Popularização de C&T; Cálculo de Órbitas de Asteroides Próximos da Terra

Paulo Souza da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS

Paulo Souza da Silva nasceu no Rio de Janeiro em 1966. Em 1991, concluiu o curso de Bacharelado em Física no Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Obteve o título de Mestre em ciências (Física) em 1994, na UFRJ com a tese intitulada " Liminescência do LiGaO2:Fe3+". A partir de 1994 ingressou no curso de Doutorado da UFRJ obtendo o título de Doutor em 1999 na UFRJ com a tese " Luminescência do Fe3+ e Cr3+ em Matrizes dos tipos óxidos e Fluoretos. Em 1999 prestou concurso para Fundação Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul onde foi aprovado e ocupa atualmente o cargo de professor adjunto nível IV lotado no cuso de Física em que participou de sua criação no ano de 2000. Ao longo dos anos mantém sempre atuante em comissões no curso de Física na Universidade contribuindo em idéias e sugestões para melhorias do ensino, pesquisa e extensão. Coordena o projeto Popciência financiado pelo Finep, Astonomia Itinerante e Etnoastronomia dos Índios Guarani da Região da Grande Dourados/MS ambos com financiamento do CNPq.

Yuri Berrí Afonso, Centro Universitário Internacional Uninter

Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade Tuiuti do Paraná(2007) e mestrado-profissionalizante em Educação e Novas Tecnologias pelo Centro Universitário Internacional(2017). Atualmente é Gestão e Operacionalização da Empírica Assessoria Educacional, Professor do Centro Universitário Internacional e Roteirista e Produtor do Ministério da Cultura. Tem experiência na área de Comunicação. Atuando principalmente nos seguintes temas:Realidade Virtual, Observatório Solar Indígena, Visualização, Imersão. 

Referências

ABBEVILLE, C. História da Missão dos Padres Capuchinhos na Ilha do Maranhão e Terras Circunvizinhas. São Paulo: EDUSP, 1975.

AFONSO, G. B.; MARTINS, C, C.; KATERBERG, L. P.; BECKER, T. M.; SANTOS, V. C.;

AFONSO, Y. B. Potencialidades e fragilidades da realidade virtual imersiva na educação. Revista Intersaberes, v. 15, n. 34, p. 1 – 20, 2020.

AFONSO, Y. B. Observatório Solar Indígena em realidade virtual imersiva aplicado à educação. Mestrado Profissional em Educação e Novas Tecnologias. Instituição de Ensino: CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER, Curitiba, 2017.

AFONSO, G. B.; NADAL, C. A. Arqueoastronomia Brasileira. In: MATSUURA, O. T. (Org.), História da Astronomia no Brasil, MAST/MCTI, Recife: CEPE Editora, v. 1, n. 1, p. 49 – 84, 2014.

AFONSO, G. B.; CREMONEZE, C.; BUENO, L. Ensino de história e cultura indígenas. Curitiba: Intersaberes, 2016.

AFONSO, G. B. Experiências Simples com o Gnômon. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 3, n. 18, p. 149-154, 1996.

AFONSO, G. B. O Céu de nossos avós – matemática do planeta Terra. Museu de Ciência da Universidade de Coimbra, 2013. Disponível em: <https://www.mat.uc.pt/mpt2013/o-ceu-dos-nossos-avos.html>. Acesso em: 27 abril 2020.

AFONSO, G. B.; FERNANDES, J. M., NADAL; T. M.; SILVA, P. S. A Constelação do

Escorpião na Mitologia Indígena. Ciência Hoje, v; 1, n.47, p. 40-45, 2011.

AFONSO, G. B.; SILVA, P. S. O Céu dos Índios de Dourados, Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora UEMS, 2012.

ARISTÓTELES. Metafísica. “Livro A, cap. I”. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BRASIL. Constituição da República Federal do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

------------. Lei 11.645. Brasília: Congresso Nacional, 2008.

II CONEEI. Proposta Nacional Aprovada. II Conferência Nacional da Educação Escolar Indígena Brasília, 2018. Disponível em: <https://pt-br.facebook.com/coneei2018/photos/a.2072715726307094/2072716396307027/?type=3&theater>. Acesso em: 27 abril 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FUNAI. Etapa Nacional da II Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena finaliza 18 meses de trabalho por todo país. Brasília, 2018. Disponível em: <http://www.funai.gov.br/index.php/comunicacao/noticias/4816-etapa-nacional-da-ii-conferencia-de-educacao-escolar-indigena-finaliza-18-meses-de-trabalho-por-todo-pais>. Acesso em: 27 abril 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa (6ª. ed.). São Paulo: Atlas, 2002.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. (7ª. ed.), São Paulo: Atlas, 2010.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

MANNHEIM, K. Essays on the Sociology of Knowledge. London: Routledge, 1997.

PIAGET, J. Seis estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2019.

PRENSKY, M. Teaching Digital Natives. Thousand Oaks, California: Corwin Press, 2010.

SANTOS, V. C. O impacto da realidade virtual imersiva na educação escolar indígena. Mestrado Profissional em Educação e Novas Tecnologias. Instituição de Ensino: CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER, Curitiba, 2019.

TRIPODI, T. Análise da pesquisa social: diretrizes para o uso de pesquisa em serviço social e ciência. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

Downloads

Publicado

21/05/2022

Como Citar

Afonso, G. B., Silva, P. S. da, & Afonso, Y. B. (2022). Astronomia na cultura indígena para a educação. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4937

Edição

Seção

Artigos