O que pensam professores indígenas Guarani sobre interculturalidade?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4950

Palavras-chave:

Interculturalidade. Bilinguismo. Escola Indígena. Guarani.

Resumo

Desde a Constituição de 1988, que os povos indígenas conquistaram o direito a uma escola intercultural, bilingue e diferenciada. Frente a essa conquista, surgiram questões: Como os indígenas querem implementar essa escola? Como devem se processar a interculturalidade e bilinguismo? Sendo a interculturalidade entendida como resultado das trocas que se estabelecem entre culturas, neste artigo analisamos as concepções relacionadas à interculturalidade existentes entre professores indígenas guarani.  Trata-se de um estudo de caso cuja coleta de dados se deu por meio de entrevista semiestruturada com dois sujeitos. Concluímos que ambos concordam sobre a presença de conteúdos indígenas e não indígenas no currículo da escola indígena, porém esses conteúdos nem sempre devem ser trabalhados simultaneamente. Acreditam que a língua materna é um instrumento de preservação cultural e defendem a alfabetização em guarani, as atividades que favorecem a oralidade e a presença dos indivíduos mais experientes da aldeia na escola, contribuindo para a aprendizagem da cultura. Defendem que a escola indígena deve ter professores não indígenas e indígenas, para garantir o acesso a aspectos da cultura não indígena e o bilinguismo, mas, para eles, ela só será efetivamente indígena, se for administrada e tiver o corpo docente majoritariamente composto por nativos.

Biografia do Autor

gabriela dos santos barbosa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora e pós-doutora em Educação Matemática pela PUC/SP.

Professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Fernanda Muniz dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Formada em Pedagogia pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Alexandre Ribeiro Neto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor do curso de Licenciatura em Pedagogia da UERJ/FEBF e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação da UERJ.

Referências

Referências

BANIWA, Gersem dos Santos. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje / Luciano – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

BENITES. Sandra. Viver na língua Guarani Nhandewa (mulher falando). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Antropologia Social – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

BESSA FREIRE, José Ribamar. Cinco ideias equivocadas sobre o índio. In Revista do Centro de Estudos do Comportamento Humano (CENESCH). Nº 01 – Setembro 2000. P.17-33. Manaus-Amazonas, 2010.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BRASIL. Te mandei um passarinho. Org. Bessa Freire, Et al. – Brasília: Ministério da Educação, 2007.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação.Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 23, p. 16-35, Aug. 2003.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A Antropologia diante dos problemas do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e Pedagogos para quê? São Paulo. Editora Cortez, 2002.

LUCENA, Enilze Alves Ferreira de. A escolarização e o modo de ser guarani: desafios e anseios na trajetória discente no projeto de educação de jovens e adultos guarani mbya em Angra Dos Reis, Rio De Janeiro. Dissertação (Mestrado). -- Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Programa De Pós-Graduação Em Educação Agrícola. Rio de Janeiro꞉ UFRRJ, 2018.

MARTINS, Norielem de Jesus. Educação Escolar indígena Guarani no Estado do Rio de Janeiro: Tensões e Desafios na Conquista de Direitos. 2016. 96 p. Dissertação (Mestrado em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares) PPGEduc, Universidade Federal Rural do Estado do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2016.

MONTERO, Paula. MULTICULTURALISMO, IDENTIDADES DISCURSIVAS E ESPAÇO PÚBLICO.Sociol. Antropol., Rio de Janeiro , v. 2, n. 4, p. 81-101, Dec. 2012.

RUSSO, Kelly; BORRI-ANADON, Corina.Interculturalidade e inclusão na educação no Brasil e no Quebec. In:Periferia, v. 11, n. 3, p. 24-51, 2019.

SILVA, Beatriz Salles da. Educação escolar indígena. Mas, o que é mesmo uma escola diferenciada? Trajetórias, equívocos e possibilidades no contexto da EE Indígena Xucuru KaririWarcanã de Aruanã, Caldas, MG. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas. Campinas꞉ UNICAMP, 2010.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

barbosa, gabriela dos santos, dos Santos, F. M., & Neto, A. R. (2021). O que pensam professores indígenas Guarani sobre interculturalidade?. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 423–447. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4950