A ARQUITETURA ESCOLAR ENTRE A FORMAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO E O DISCURSO EDUCACIONAL COMODIFICADO

Autores

  • Tulainy Parisotto Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)
  • Priscila Monteiro Chaves Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Olinda Evangelista Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4986

Resumo

O objetivo deste estudo foi compreender em que medida a falácia da formação para a participação pode ser exposta quando reconhecemos o discurso educacional comodificado operando na arquitetura escolar. Para tanto, valendo-nos de elementos da análise crítica do discurso, o objeto de apreciação é o projeto Escola única em tempo integral, do sonho à realidade, encetado pela Secretaria Municipal de Educação de Joaçaba-SC (2017), que previa a reestruturação de parte das escolas da rede, com intuito de construir uma escola única de tempo integral, concentrando os alunos. A investigação consistiu em uma análise das relações dialéticas entre a linguagem (verbal e não-verbal) e a prática social, para compreender como o modus operandi do discurso educacional comodificado produz de consenso na arquitetura escolar. Foi possível concluir que a articulação de elementos conservadores e de modernização propagandeados no referido fenômeno produz consenso no ato de projetar uma nova edificação, cooperando para fazer acreditar que exista uma solução a ser materializada, no plano fenomênico em uma edificação, para problemas históricos estruturais. Entretanto, tal política de concentração favorece a individualização de sujeitos, inibindo o engajamento sócio-político da população.

Biografia do Autor

Tulainy Parisotto, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC)

Docente na Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) no curso de Arquitetura e Urbanismo. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (Unoesc), na Linha de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Cidadania. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó).  Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Cidadania (GPPeC). Desenvolve pesquisas sobre políticas públicas enfocando principalmente na área da arquitetura escolar. 

Priscila Monteiro Chaves, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Professora Adjunta do Departamento de Linguagens, Cultura e Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, integrante da linha de pesquisa Educação e Linguagens.

Olinda Evangelista, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora aposentada e voluntária da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação.  Doutora em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997). Realizou Pós-doc em Educação pela Universidade do Minho, Braga, Portugal (2007).

Referências

ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para Todos. Investir nos Conhecimento e Competências das Pessoas para Promover o Desenvolvimento. Estratégia 2020 para Educação do Grupo Banco Mundial. Resumo executivo, Washington, DC., 2011.

BENCOSTTA, M. L. A. Arquitetura e Espaço Escolar: o exemplo dos primeiros grupos escolares de Curitiba (1903-1928). In: ______. História da Educação, Arquitetura e Espaço Escolar. São Paulo: Cortez, 2005. p. 95-140.

BENDRATH, E. A. A educação como commodity: a política de organismos internacionais. Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, v. 5, n. 1, p. 41-52, jun. 2008. DOI: https://doi.org/10.5747/ch.2008.v05.n1.h049

BRASIL. Portaria Lei nº 1.144, de 10 de outubro de 2016. Institui o Programa Novo Mais Educação, que visa melhorar a aprendizagem em língua portuguesa e matemática no ensino fundamental, Brasília, 2016.

CARDOSO, L. R. Projeto arquitetônico do centro esportivo de uma escola única de tempo integral em Joaçaba/SC. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil) - Universidade do Oeste de Santa Catarina. Joaçaba. 2017.

CASARIM, T. L. Projeto arquitetônico do edifício das salas de aula da escola única em tempo integral do município de Joaçaba-SC. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil) - Universidade do Oeste de Santa Catarina. Joaçaba. 2017.

DANTAS, A. Todos pela participação: quando o consenso denuncia a dominação. In: MONTAÑO, C. O canto da sereia: crítica à ideologia e aos projetos do "terceiro setor". São Paulo: Cortez, 2014. p. 103-143.

DELIBERADOR, M. S. O processo de projeto da arquitetura escolar no Estado de São Paulo: caracterização e oportunidades. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas. 2010.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

FIORIN, J. L. Linguagem e Ideologia. 6ª. ed. São Paulo: Ática, 1998.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 20ª. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

GIL, J. M. S.; HERNANDEZ, F. Inovação educativa. In: ZANTEN, A. V. Dicionário de Educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 476-481.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. Tradução de Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2008.

IBGE. Índice Brasileiro de Geografia Estatística, 2010.

JOAÇABA. Proposta de articulação para construção de uma escola única e em tempo integral. 2017/2020. Joaçaba: Secretaria Municipal da Educação, 2017.

JOAÇABA. CÂMARA DE VEREADORES. Imprensa. Câmara de Vereadores de Joaçaba, 2018. Disponível em: <https://www.cmj.sc.gov.br/noticias/index/ver/codMapaItem/73757/codNoticia/527149>. Acesso em: 25 jul. 2019.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. Arquitetura Escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2017.

LAVAL, C. A Escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Planta, 2004.

MAINGUENEAU, D. Novas Tendências em Análise do Discurso. 3ª. ed. Campinas: Editora da Universidade Estadual, 1997.

MELATTI, S. P. D. P. C. A arquitetura escolar e a prática pedagógica. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado de Santa Catarina. Joinville. 2004.

MONTAÑO, C. A autoação dos sujeitos: a panaceia da "participação democrática" e do "Empoderamento". In: ______. O canto da sereia: crítica à ideologia e aos projetos do "terceiro setor". São Paulo: Cortez, 2014. p. 97-102.

NASCIMENTO, M. F. P. D. Arquitetura para a educação: a contribuição do espaço para a formação do estudante. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo. São Paulo. 2012.

OLIVEIRA, K. L. A. D. Política de Nucleação de Escolas do Meio Rural: Repercussões em comunidades do oeste catarinense. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Oeste de Santa Catarina. Joaçaba. 2018

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. 8ª. ed. Campinas: Pontes, 2009.

PULS, M. Aula Pública: A Função Política da Arquitetura 1/2, 2016. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2016/11/11/aula-publica-opera-mundi-qual-e-a-funcao-politica-da-arquitetura/>. Acesso em: 3 ago. 2019.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Avaliação e responsabilização pelos resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 29, n. 1, 127-160, jan./jun. 2011 , v. 1, n. 29, p. 127-160, jan./jun. 2011. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2011v29n1p127

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Educação Já! Uma proposta suprapartidária de estratégia para a educação brasileira e prioridades para 2019-2022. Versão para debate, n. 3ª, nov. 2018.

UNOESC. Trabalho de conclusão de curso. Curso de Engenharia Civil. Joaçaba. 2017.

Downloads

Publicado

2022-05-21

Como Citar

Parisotto, T., Chaves, P. M., & Evangelista, O. (2022). A ARQUITETURA ESCOLAR ENTRE A FORMAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO E O DISCURSO EDUCACIONAL COMODIFICADO. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4986

Edição

Seção

Artigos