Desenvolvendo o pensamento científico no ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.5225

Palavras-chave:

Atividades investigativas. Estratégias de ensino. Pensamento científico

Resumo

O propósito dessa pesquisa foi estruturar uma sequência didática que auxiliasse o desenvolvimento do pensamento científico em alunos do ensino Médio por meio da abordagem investigativa. O projeto foi desenvolvido por uma pesquisadora do programa de pós-graduação do Mestrado profissional em ensino de Biologia em rede Nacional (PROFBIO) da UFJF e aplicado em alunos do 1º ano do Ensino Médio da escola estadual Doutor Humberto Sanches, da cidade de São Lourenço/MG. A análise qualitativa dos dados contou com a participação direta da pesquisadora que descreveu e relatou ou dados coletados. As atividades não foram desenvolvidas de forma sequencial, assim a pesquisadora pôde adequá-las às necessidades do currículo, da programação anual da escola e ao objetivo proposto por elas.  Por meio da aplicação da sequência didática, os alunos puderam adquirir autonomia intelectual com os debates, reflexões e protagonismo, características indispensáveis para o desenvolvimento do pensamento científico. Além disso, os alunos conseguiram propor mudanças de hábitos em sua comunidade com base em evidências científicas. Essa atuação, ativa na sociedade, contribui para formação cidadã dos educandos. O papel da escola, representado aqui pelo professor de Biologia, aproxima o trabalho científico à realidade dos alunos, sendo essencial no enfrentamento dos desafios da sociedade atual.

Referências

AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das células – Ensino Médio. 3ª edição. Editora: Moderna, São Paulo, 2010.

BAPTISTA, Mónica Luísa Mendes. Concepção e implementação de actividades de investigação: um estudo com professores de física e química do ensino básico. 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde sem Fake News, Brasília, 2006. Acesso em: 07/01/2019 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf. Acesso em 04 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Apresenta conteúdo específico de combate a Fake News. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/fakenews Acesso em: 05 jan. 2019.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio - PCNEM. Parte III – ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Secretaria da Educação Média e Tecnológica, Ministério da Educação, Brasília, 144p, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf Acesso em: 15/12/2018.

BRASIL. Parâmetro Curriculares Nacionais – PCN – Orientações Educacionais Complementares. Ministério da Educação, Brasília, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf. Acesso em: 07/01/2019.

DRIESSNACK, Martha; SOUSA, Valmir D.; COSTA MENDES, Isabel Amélia. Revisão dos desenhos de pesquisa relevantes para enfermagem: parte 3: métodos mistos e múltiplos. Revista Latino Americana de Enfermagem, v. 15, n. 5, 2007.

GASPAR, Alberto. Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental. São Paulo: Ática, 2003

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4ª ed. São Paulo. Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2ª edição. EPU, Rio de Janeiro, 2018.

MARTINS. J. M. Manual do professor de Ciências, Ensino Fundamental, 6º ano. São Paulo: Anglo, 2010. (Apostila).

MARTINS. J. M. Manual do professor de Ciências, Ensino Fundamental, 7º ano. São Paulo: SOMOS Sistemas de Ensino, 2017. (Apostila)

MEC. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB. 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf Acesso em: 11 de janeiro de 2019.

MINNER, Daphne D.; LEVY, Abigail Jurist; CENTURY, Jeanne. Inquiry‐based science instruction—what is it and does it matter? Results from a research synthesis years 1984 to 2002. Journal of Research in Science Teaching: The Official Journal of the National Association for Research in Science Teaching, v. 47, n. 4, p. 474-496, 2010. DOI: https://doi.org/10.1002/tea.20347

NASCIMENTO, T. G.; ALVETTI, M. A. S. Temas científicos contemporâneos no ensino de biologia e física. Ciência & Ensino, Campinas, v. 1, n. 1, p. 29-39, 2006.

POSSOBOM, C.C.F.; OKADA, F.K.; DINIZ, R. E. S. (2003) Atividades práticas de laboratório no ensino de Biologia e de Ciências: relatos de uma experiência. Cadernos dos Núcleos de Ensino, 1, 113-123.

ROSA, C.W.; ROSA, A.B. e PECATTI, C. (2007). Atividades experimentais nas séries iniciais: relato de uma investigação. Enseñanza de las Ciências, 6 (2), 264-274.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências. São Paulo, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2016.

SASSERON, Lucia Helena. "Ensino de Ciências por Investigação e o Desenvolvimento de Práticas: Uma Mirada para a Base Nacional Comum Curricular." Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências 18.3 (2018): 1061-1085. DOI: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec20181831061

SOUZA, E. O. S.; SILVA, E. S.; DOTTORI, S. S. Biologia para o Ensino Médio. Projeto de Reorientação Curricular para o Estado do Rio de Janeiro. Biologia, 2005. Disponível em: <http://omnis.if.ufrj.br/~curriculo/11-exatas-biologia.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2008.

TASCHNER, Natalia Pasternak. Por que as vacinas são tão importantes. Jornal da USP, São Paulo, 5 de junho de 2017. Disponível em: https://jornal.usp.br/artigos/por-que-as-vacinas-sao-tao-importantes/ . Acesso em 04 jan. 2019.

TEODORO, N. C. Professores de biologia e dificuldades com os conteúdos de ensino /2017 147 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Bauru, 2017.

TONIN, L. F. “A garrafa azul”. Revista de Ensino de Ciências, n. 13, 1985.

Downloads

Publicado

2022-05-21

Como Citar

Carvalho, R. J., & Apolônio, A. C. M. (2022). Desenvolvendo o pensamento científico no ensino médio. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.5225

Edição

Seção

Artigos