Tempos e espaços da aprendizagem na configuração da formação do professor nos cursos de licenciatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5357

Palavras-chave:

Configuração da docência. Aprendizagem da docência. Formação de professores. Cursos de licenciatura.

Resumo

O artigo aborda a aprendizagem da docência em cursos de licenciatura a partir de investigação com estudantes desses cursos. O objetivo é o exame da aprendizagem dos estudantes que cursam as licenciaturas com a finalidade de compreender como eles percebem sua formação para a docência. A análise se desenvolve a partir de pesquisa realizada em diferentes cursos de licenciatura e na perspectiva de compreender a configuração do ser professor como função social, considerando as proposições de Elias (1994). Os resultados do exame apontam para a importância de espaços e tempos nos quais se gestam os conhecimentos com os quais se estruturam os currículos de formação dos cursos de licenciatura; as práticas realizadas no decorrer da formação; as interações que se estabelecem entre os sujeitos e os processos de aprender; a movimentação do imediato e próximo para  o diverso e amplo. As teias de interdependência entre os sujeitos permitem que se estabeleçam novos modos de relações sociais configurando uma nova sociedade mais solidária que expressa as práticas dos trabalhadores sistematizadas coletivamente.

Biografia do Autor

Joana Paulin Romanowski, Centro Universitário Internacional - UNINTER Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

Bolsa Produtividade em Pesquisa CNPq, 1D. Doutorado em Educação - Universidade de São Paulo; Mestrado Universidade Federal do Paraná.  Professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PPGE e Centro Universitário UNINTER. Coordenadora do Fórum de Editores da ANPEd (2015/2017). Editora Revista Intersaberes- UNINTER. Comitê Editorial da Revista Formação Docente. Coordenadora do GT 08 –  Membro do Comitê Científico da ANPEd – (2008/2010). Membro da Rede de Pesquisadores em Formação de Professores RIPEFOR. http://lattes.cnpq.br/7752218478865716

Simone Regina Manosso Cartaxo, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Doutorado em Educação (PUCPR -2013). Professora e pedagoga da Rede Municipal de Ensino de Curitiba desde 1989-2020. Professora do Departamento de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação atuando como Coordenadora da Linha de pesquisa Ensino e Aprendizagem desde 2015-2018. Experiência na área de educação como professora regente nos anos iniciais (alfabetização), pedagoga no Ensino Fundamental, docente no ensino superior desde 2009.Participa da Rede de Pesquisadores em Formação de Professores RIPEFOR e associada ao ISATT. Coordena Grupo de Estudos e Pesquisas - Didática e Formação Docente-GEPEDIDO. Os principais temas: formação do professor, prática pedagógica e didática.

Referências

AGUIAR, M. A. da S. Reformas conservadoras e a “nova educação”: orientações hegemônicas no MEC e no CNE. Educ. Soc., Campinas , v. 40, e0225329, 2019 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302019000100204&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 18 jul. 2020. Epub 09-Dez-2019. https://doi.org/10.1590/es0101-73302019225329.

AGUIAR, M. A.; DOURADO, L. F. BNCC e formação de professores: concepções, tensões, atores e estratégias. Retratos da Escola, São Paulo, v.13, n.35, 2019. P. 33-37. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/issue/view/35. Acesso em 08 jul. 2020.

ANDRADE, R. R. M. de. Formação de professores nas dissertações e teses defendidas em programas de pós-graduação em educação entre os anos de 1999 e 2003. PUC, Dissertação de Mestrado, 2006.

ALTET, M. A observação das práticas de ensino efetivas em sala de aula: pesquisa e formação. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 47, n. 166, p. 1196-1223, dez. 2017 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742017000401196&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 08 jul. 2020. https://doi.org/10.1590/198053144321.

BRANDÃO, C. da F.. Norbert Elias: formação, educação e emoções no processo de civilização. Petrópolis: Vozes, 2003.

BRASIL. INEP. Sinopse estatística-1918. Disponível em http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso 03 de jul. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9394/96, 20 de dezembro de 1996.

BAZZO, V. L.; SHEIBE, L. De volta para o futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Retratos da Escola, São Paulo, v.13, n.17, 2019, p. 669 – 684. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/issue/view/37. Acesso em: 08 jul.2020.

BRZEZINSKI, I. (Org.) Formação de profissionais da educação (2003-2010). Brasília, DF: MEC/Inep, 2014.

BRZEZINSKI, I.; GARRIDO, E. (org.). Formação de Profissionais da Educação (1997-2002). Brasília – MEC/ DF/Inep, 2006.

BRZEZINSKI, I. Formação e Valorização dos Profissionais da Educação e o Plano Nacional de Educação (2012-2?). Educativa (Goiânia. Online), v. 16, p. 151-167, 2013.

CARR, W.; KEMMIS, S.. Teoria crítica de la enseñanza. Barcelona: Martinez Roca, 1988.6.

CUNHA, M. I. da. O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Educ. Pesqui., São Paulo , v. 39, n. 3, p. 609-626, set. 2013 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022013000300004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 22 jul. 2020. Epub 09-Ago-2013. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013005000014.

DINIZ-PEREIRA, J. E. As Licenciaturas e as novas políticas educacionais para formação docente. Educação & Sociedade, n.68, p.109-125, 1999.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (Org.) . Formação de Professores S/A: tentativas de privatização da preparação de docentes da educação básica no mundo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019. v. 1. 196p .

ELIAS, N.. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1994.

FREITAS, H. C. L.. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, v. 28, p. 1203-1230, 2007.

FREITAS, H. C. L.. A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação e Sociedade, Campinas, n.68, 1999.

FREITAS, H. C. L.. Formação de Professores no Brasil: 10 anos de embates entre projetos de formação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n.80, p. 137-168, 2002.

GATTI, B. A., BARRETTO, E. S. DE S., ANDRE, M. E. D. A. DE, & ALMEIDA, P. C. A. DE. . Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília, DF: Unesco, 2019.

HONORATO, T. Pesquisas com Norbert Elias em História da Educação. Comunicações, Piracicaba v. 24 n. 3 p. 107-127 setembro-dezembro 2017

HUNGER, D.; ROSSI, F.; SOUZA NETO, S. de. A teoria de Norbert Elias: uma análise do ser professor. Educ. Pesqui., São Paulo , v. 37, n. 4, p. 697-710, Dec. 2011 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022011000400002&lng=en&nrm=iso>. access on 20 July 2020. https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000400002.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

KUENZER, A. Z.. As políticas de formação: A constituição da identidade do professor sobrante. Educação e Sociedade, São Paulo, v. 1, n.68, p. 163-201, 1999.

LEÃO, A. B.. Norbert Elias & e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MACEDO, M. Eixos epistemológicos da formação inicial de professores: um estado da arte.. 2019. Tese (Doutorado em Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

MARCELO GARCÍA, C.. Formação de professores: para uma mudança na prática educativa. . Porto: Porto Editora, 1999.

MARCELO GARCÍA, C.. (Coord) ¿Cómo aprenden los profesores en una sociedad conectada? Universidad Sevilla, 2017. Projeto de pesquisa.

MARTINS P. L. O.; ROMANOWSKI J. P.; CARTAXOS,S R. M. Didática e práticas de ensino: interlocução com a educação básica na formação inicial de professores. Olhar de Professor, v. 17, n. 1, p. 37-47, 8 fev. 2018. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/15528 Acesso: 01 jul. 2020.

NÓVOA, A. . Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p.15-33.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. A aprendizagem escolar: da didática operatória à reconstrução da cultura na sala de aula. In: SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PIMENTA, S. G.; PINTO, U. de a.; SEVERO, J. L.R. de L. A Pedagogia como lócus de formação profissional de educadores(as): desafios epistemológicos e curriculares. Revista Práxis Educativa, v. 15, p. 1-20, 2020.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-103, jan./abr. 2007a

ROMANOWSKI, J. P. Licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações. 1. ed. São Paulo: USP, 2002. v. 1. 146 p.

ROMANOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O. ; SAHEB, D. . Desafios da formação pedagógica do professor da educação básica. Ensaios Pedagógicos, v. 3, p. 59-68, 2019.

SANTOS, O. J. dos. Pedagogia dos Conflitos Sociais. Campinas: Papirus, 1992.

SARTI, F. M. Dimensão socioprofissional da formação docente: aportes teóricos e proposições. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 50, n. 175, p. 294-315, mar. 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0100-15742020000100294&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 10 jul. 2020. https://doi.org/10.1590/198053146796.

SAVIANI, D. Entrevista concedida por e-mail à reporter Juliana Monachesi. Folha de S.Paulo, 26 abr. 2007.

SCHEIBE, L; BAZZO, V. L . Formação de professores da educação básica no ensino superior: diretrizes curriculares pós 1996. Revista Internacional de Educação Superior, v. 2, p. 241-256, 2016.

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, Thousand Oaks, California, v. 15, n. 4, p. 4-14, 1986.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Romanowski, J. P., & Cartaxo, S. R. M. (2021). Tempos e espaços da aprendizagem na configuração da formação do professor nos cursos de licenciatura. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 731–754. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5357