Formar docentes para educar relações étnico-raciais no ensino de Ciências: o caso da licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal Rural de Pernambuco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.5393

Resumo

A Lei de Diretrizes e Bases foi alterada pela Lei 10.639/2003 que dispõe da obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Afro-Brasileira que posteriormente foi modificada com a Lei 11.645/2008 incluindo a História e Cultura Indígena. O trato com essas temáticas subsidia um processo educativo acerca das relações étnico-raciais no contexto escolar. Sendo assim, percebemos o quanto é necessário sua abordagem desde a formação inicial de professores das diferentes áreas do conhecimento. Este estudo é de natureza qualitativa e consiste em uma pesquisa documental que buscou compreender de que forma a Educação das Relações Étnico-Raciais é proposta no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal Rural de Pernambuco através da análise do conteúdo do Projeto Pedagógico do curso. A análise documental permite inferir que a proposta de Educação das Relações Étnico-Raciais encontra-se articulada com temáticas e pontos necessários para a formação inicial de professores de Biologia. Pela ótica curricular, o documento cumpre com o disposto na legislação acerca da obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. Além de ofertar o componente curricular obrigatório Educação das Relações Étnico-Raciais, o curso propõe o estudo de conteúdos específicos e pedagógicos durante a formação inicial do professor de Biologia.

Biografia do Autor

Joaklebio Alves da Silva, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutorando em Ensino de Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências da Universidade Federal Rural de Pernambuco (PPGEC/UFRPE). Mestre em Educação (UPE). Integrante do Grupo de Pesquisa em Formação e Prática Pedagógica de Professores de Ciências e Biologia (FORBIO). joaklebio.silva@gmail.com.

Monica Lopes Folena Araújo, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Pós-Doutorado em Educação (UFS). Doutora em Educação (UFPE). Mestra em Ensino das Ciências (UFRPE). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências (PPGEC/UFRPE). Líder do Grupo de Pesquisa FORBIO. Coordenadora da Cátedra Paulo Freire da UFRPE. monica.folena@gmail.com.

Referências

ARAÚJO, M. L. F. O quefazer da educação ambiental crítico-humanizadora na formação inicial de professores de biologia na universidade. 240 f. 2012. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

BARDIN. L. Análise de Conteúdo. Tradução- Luís Antero Reto,

Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 1977.

BARRETO, E. S.; OLIVEIRA, M. M.; ARAÚJO, M. L. F. O Estágio Supervisionado Obrigatório na formação do professor de Ciências e biologia: perspectiva de licenciandos e orientadores. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 8, n. 16, p. 51-60, 2015. DOI: https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3951

BARZANO, M. A. L.; MELO, A. C. Saberes da biodiversidade: perspectivas decoloniais no currículo do ensino de biologia. Revista Teias, v. 20, n. 59, p. 191-208, 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.45302

BAZZO, V.; SCHEIBE, L. De volta para o futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Revista Retratos da Escola, v. 13, n. 27, p. 669-684, 2019. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v13i27.1038

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º. de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada em Nível Superior de Profissionais do Magistério para a Educação Básica. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BCN-Formação). Brasília, DF, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 11.645, de 10 de março de 2008. Brasília, DF, 2008.

CARDOSO, S. M. B.; ROSA, I. S. C. A cor da sua pele faz alguma diferença? Uma proposta de ensino interdisciplinar antirracista a partir do estudo da melanina. In: PINHEIRO, B. C. S.; ROSA, K. (Orgs.). Descolonizando saberes: a lei 10.639/2003 no Ensino de Ciências. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018, p. 75-88.

GARCÍA, C. A. Formação de Professores: Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 1, n. 2, p. 161-171, 2016.

GOMES, N. L. Diversidade étnico-racial: Por um projeto educativo emancipatório. Revista Retratos da Escola, v. 2, n. 2-3, p. 95-108, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial e Educação no contexto brasileiro: algumas reflexões. In: GOMES, Nilma Lino (Org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 97-109.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas S. A, 2003.

MULLER, T. M. P.; COELHO, W. N. B. A lei nº 10.639/03 e a Formação de Professores: trajetória e perspectivas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 5, n. 11, p. 29-54, 2013.

MUNANGA, K. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje?Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 62, p. 20-31, 2015. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i62p20-31

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das nações de raça, racismo, identidade e etnia. 3º SEMINÁRIO NACIONAL RELAÇÕES RACIAIS E EDUCAÇÃO, 3., Rio de Janeiro, RJ. Anais... Rio de Janeiro, 2014.

PINHEIRO, B. C. S. Educação em Ciências na Escola Democrática e as Relações Étnico-Raciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, p. 329-344, 2019. DOI: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u329344

SANTANA, E. R. S. Políticas de Ações Afirmativas e Educação das Relações Étnico-Raciais no Ensino Superior: um estudo de caso na UFRPE. 140 f. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação, Culturas e Identidades)- Universidade Federal Rural de Pernambuco, Fundação Joaquim Nabuco, Recife.

SANTOS, R. A.; COELHO, W. N. B. Política curricular e relações raciais no Brasil: entre textos e discursos. In: COELHO, W. N. B. et al., (Orgs.). Educação, História e Relações Raciais: debates e perspectiva. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015, p. 99-136.

SEPULVEDA, C., et al., Variabilidade humana, raça e o debate sobre cotas raciais em Universidade públicas: articulando ensino de genética à Educação em Direitos Humanos. In: TEIXEIRA, P. P.; OLIVEIRA, R. D. V.; QUEIROZ, G. R. P. C. (Orgs.). Conteúdos Cordiais: Biologia Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019, p. 85-105.

SILVA, J. A. N. Conquista de direitos, Ensino de Ciências/Biologia e a prática da sangria entre os/as Remetu-Kemi e povos da região Congo/Angola: Uma proposta de articulação para a sala de aula. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 9, n. 22, p. 149-175, 2017.

SILVA, J. A.; RAMOS, M. A. Conhecimentos tradicionais e o ensino de Ciências na Educação Escolar Quilombola: um estudo etnobiológico. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 3, p. 121-146, 2019. DOI: https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p121

UFRPE. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação. Projeto Pedagógico Curricular do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Departamento de Biologia/Sede Dois Irmãos. 2018.

VERRANGIA, D. A educação das relações étnico-raciais no ensino de Ciências: diálogos possíveis entre Brasil e Estados Unidos. 322 f. 2009. Tese (Doutorado em Educação)- Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

VERRANGIA, D. A formação de professores de ciências e biologia e os conhecimentos tradicionais de matriz africana e afro-brasileira. Enseñanza de las Ciências y Diversidad Cultural, v. 6, n. 12, p. 105-117, 2013.

VERRANGIA, D. Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do ensino de Ciências. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 3, p. 705-718, 2010.

VERRANGIA, D.; CASTRO, M. A. T. O ensino de evolução: contribuição de tradições culturais africanas e afro-brasileiras para a produção de conteúdos cordiais. In: TEIXEIRA, P. P.; OLIVEIRA, R. D. V.; QUEIROZ, G. R. P. C. (Orgs.). Conteúdos Cordiais: Biologia Humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019, p. 69-83.

VERRANGIA, D.; SILVA, P. B. G. Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do ensino de Ciências. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 3, p. 705-718, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000300004

Downloads

Publicado

2022-05-21

Como Citar

Silva, J. A. da, & Araújo, M. L. F. (2022). Formar docentes para educar relações étnico-raciais no ensino de Ciências: o caso da licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal Rural de Pernambuco. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.5393

Edição

Seção

Artigos