Formação de professores no Amapá e norte do Pará, Brasil: vivências em uma licenciatura intercultural indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5398

Resumo

A formação de professores indígenas, realizada pelo curso de Licenciatura Intercultural Indígena, integra um rol de projetos em execução no Brasil, frutos da luta de movimentos indígenas e instituições colaboradoras, ocorrendo desde 2007 na Universidade Federal do Amapá (Unifap). Assim, o artigo apresenta e problematiza aspectos da constituição de uma licenciatura e das vivências de professores formadores no processo de profissionalização de docentes indígenas para a Educação Básica, como estratégia adotada pelos povos indígenas da região para (re)interpretar e (res)significar a Educação Escolar. Na pesquisa, as vivências de formadores com indígenas foram articuladas aos conceitos de interculturalidade e pedagogias decoloniais, aos dispositivos legais educacionais, à literatura acerca dos povos indígenas no Amapá e Norte do Pará e a documentos oficiais. Os resultados da pesquisa apontam que os caminhos trilhados pelos povos indígenas, na formação docente de qualidade como estratégia de re-existências das etnias do Amapá e Norte do Pará na atualidade, agregam-se às experiências e aos desafios de ações pautadas por pedagogias interculturais/ decoloniais. Como conclusão, registra-se que os diálogos e as tensões vivenciados na construção do curso e na profissionalização de docentes a serem protagonistas das escolas indígenas, estiveram inseridos em um processo moldado, também, pela política educacional brasileira.

Biografia do Autor

Cecília Maria Chaves Brito Bastos, Universidade Federal do Amapá

Doutora em Educação

Giovani José da Silva, Universidade Federal do Amapá

Doutor em História. Pós-Doutor em Antropologia. Pós-Doutor em História.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Bastos, C. M. C. B., & José da Silva, G. (2021). Formação de professores no Amapá e norte do Pará, Brasil: vivências em uma licenciatura intercultural indígena. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 653–678. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5398