Motivação para a docência na Educação Básica: um estudo a partir da Teoria da Autodeterminação com discentes do curso de licenciatura em Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5407

Palavras-chave:

Motivação. Teoria da Autodeterminação. Formação Docente. Ensino de Física. Carreira Docente.

Resumo

A motivação dos discentes de Física para a carreira docente na Educação Básica é um fator preocupante. Há escassez de profissionais nessa área e muitos alunos quando se formam deixam a carreira docente ou seguem para a área acadêmica. As disciplinas de estágio são relevantes na formação inicial, pois é através delas que ocorre o primeiro contato entre o futuro profissional e a carreira escolhida. Neste artigo serão analisadas as motivações/desmotivações dos alunos das disciplinas de estágio I e II do curso de licenciatura em Física da Universidade Estadual do Centro-Oeste em relação à carreira na Educação Básica. A Teoria da Autodeterminação e a Análise de Conteúdo foram utilizadas para análise e suporte teórico às respostas dos alunos. Com base nas respostas, verificou-se que a maioria dos discente apresenta um baixo grau de autodeterminação para a carreira docente. Salário baixo, falta de interesse ou indisciplina por parte dos alunos do ensino médio e más condições de trabalho são alguns dos fatores dessas desmotivações. Os resultados encontrados são alarmantes e entende-se que são necessárias ações para mudar essa realidade, as quais incluem formação inicial e continuada, desenvolvimento profissional e condições de trabalho adequadas que permitam maior qualidade profissional e pessoal.

Biografia do Autor

Andresa da Costa Ribeiro, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Professora do Departamento Física na Universidade Estadual do Centro-Oeste, Doutora em Ciências dos Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Mestre em Ciências dos Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Licenciada em Física pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. 

Marcia da Costa, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Departamento de Química e Física da Universidade Federal do Espírito Santo, Doutora em Ensino de Ciências e Educação Matemática (UEL), Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática (UEL), Graduada em Física Licenciatura (UNICENTRO)

Referências

AGOSTINI, G; MASSI, L. Atratividade e permanência na carreira docente : um estudo sobre o encaminhamento profissional de licenciados em química. In: XI Encontro Nacional De Pesquisa Em Educação Em Ciências – XI ENPEC. Florianópolis, SC. Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: UFSC, 2017. p. 1–10.

ALMEIDA, P. A; TARTUCE, G. L. B. P; NUNES, M. M. R. Quais as razões para a baixa atratividade da docência por alunos do Ensino Médio? Psicologia Ensino & Formação, vol. 5, p. 103–121, 2014. .

APPEL, M.; WENDT, G. W.; ARGIMON, I. I. L. A Teoria da Autodeterminação e as influências sócio-culturais sobre a identidade. Psicologia em Revista, vol. 16, n. 2, p. 351–369, 2010.

BARBOSA, A. Os salários dos professores brasileiros: implicações para o trabalho docente. 210 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar. Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo, 4aed. Lisboa: Edições, vol. 70, p. 1977, 2011.

BARRETTO, E. S. S. Políticas de formação docente para a educação básica no Brasil: embates contemporâneos. Revista Brasileira de Educação, vol. 20, p. 679–701, 2015.

BRASIL. Auditoria coordenada educação: ensino médio, Instituto Rui Barbosa; Tribunal de Contas da União. Brasília: TCU, 32 p, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da educação superior: Notas estatísticas 2017, Diretoria de Estatísticas Educacionais, 2018a. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2018/censo_da_educacao_superior_2017-notas_estatisticas2.pdf. Acesso em 30 de julho de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior 2016. – Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 97 p , 2018b. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/resumo_tecnico/resumo_tecnico_censo_da_educacao_superior_2016.pdf. Acesso em 30 de julho de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Dados do censo escolar: Ensino Médio tem 61% de docentes com formação adequada. 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/dados-do-censo-escolar-ensino-medio-tem-61-de-docentes-com-formacao-adequada/21206. Acesso em 30 de julho de 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da educação superior: Notas estatísticas 2018. Brasília, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf. Acesso em 30 de julho de 2020.

CARMO, T. R. O período inicial da docência: desafios enfrentados na profissão. Revista Científica Educação, vol. 1, n. 2, 2017.

CHEN, K; JANG, S. Motivation in online learning: Testing a model of self-determination theory. Computers in Human Behavior, vol. 26, n. 4, p. 741–752, 2010.

CLEMENT, L. Autodeterminação e ensino por investigação: construindo elementos para promoção da autonomia em aulas de Física. 334 f. Tese (Doutorado em Educação Científica em Tecnológica) Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catariana, Florianópolis, 2013.

CLEMENT, L; CARMINATTI, N. L.; CUSTÓDIO, J. F.; FILHO, J. P A. Possibilidades de se promover a necessidade de pertencimento em aulas de física. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, vol. 11, n. 1, p. 26–42, 2016.

CLEMENT, L.; CUSTÓDIO, J. F.; FILHO, J. P. A. A Qualidade da Motivação em Estudantes de Física do Ensino Médio. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, vol. 9, n. 1, p. 84–95, 2013.

CLEMENT, L; CUSTÓDIO, J. F.; RUFINI, S. É.; FILHO, J. P. A. Motivação autônoma de estudantes de física: evidências de validade de uma escala. Psicologia Escolar e Educacional, vol. 18, n. 1, p. 45–55, 2014.

CUSTÓDIO, J. F.; PIETROCOLA, M.; CRUZ, F. F. S. Experiências emocionais de estudantes de graduação como motivação para se tornarem professores de Física. Caderno Brasileiro de ensino de Física, vol. 30, n. 1, p. 25–57, 2013.

DAVOGLIO, T. R.; SPAGNOLO, C.; SANTOS, B. S. Motivação para a permanência na profissão : a percepção dos docentes universitários. Piscologia Escolar e Educacional. vol. 21, p. 175–182, 2017.

DECI, E. L; RYAN, R. M. Handbook of self-determination research. University Rochester Press, 470p, 2004.

GATTI, B; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Editora Unesco, Brasília, 294 p, 2009.

GIRAFFA, L. M. M. Vamos bloggar, professor? Possibilidades, desafios e requisitos para ensinar física no século XXI. In: FILHO, João Bernardes da Rocha (Orgs). Física no ensino médio: falhas e soluções. Física no ensino médio: falhas e soluções. Porto Alegre, EDIPUCRS, p. 87–99, 2011.

GIVVIN, K. B; STIPEK, D. J; SALMON, J. M; MACGYVERS, V. L. In the eyes of the beholder: Students’ and teachers’ judgments of students’ motivation. Teaching and Teacher Education, vol. 17, no. 3, p. 321–331, 2001.

GOMES, C. A; PALAZZO, J. Teaching career’s attraction and rejection factors: Analysis of students and graduates perceptions in teacher education programs. Ensaio: aval. pol. públ. Educ. vol. 25, no. 94, p. 90–113, 2017. https://doi.org/10.1590/S0104-40362017000100004.

GROCHOSKA, M. A. Políticas educacionais e a valorização do professor: Carreira e qualidade de vida dos professores de educação básica do município de São José dos Pinhais/PR. 269 f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Londrina, 2015.

GUERREIRO, N. P. Condições de trabalho, cargas de trabalho e absenteísmo em professores da rede pública do Paraná. 100 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Saúde Coletiva, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

GUIMARÃES, S. É. R.; BORUCHOVITCH, E. O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia: reflexão e crítica, vol. 17, n. 2, p. 143–150, 2004.

HIROTA, L. C. B. O perfil motivacional de alunos de graduação em física. 115 f. Dissertação (Mestrado em Física) Programa de Pós-Graduação em Física, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

JANERINE, A S.; MONTEIRO, B. A. P.; MARTINS, I. G. R. Estudo da Dimensão Motivacional da Identidade Profissional Docente por meio dos discursos produzidos durante a Formação Inicial de Professores de Química. In: VIII ENPEC. Anais..., São Paulo, UFRJ, 2011. Disponível em: : http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0364-2.pdf. Acesso em 30 de julho de 2020.

JULIAO, M. S. S.; COSTA, I. C. A.; BEZERRA, A. C. S. Factors generators of motivation and demotivation in the undergraduates of chemistry of a public university in the brazilian northeast. Periodico Tche Quimica, vol. 15, n. 30, p. 35–47, 2018.

LEME, L. F. Atratividade do magistério para a educação básica: estudo para ingressantes de cursos superiores da Universidade de São Paulo. 2012. 196 f. Dissertação (Mestre em Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

LEMOS, G. O. A motivação dos licenciandos em Música da UNB sob a perspectiva da teoria da autodeterminação. 67 f., Trabalho de Conclusão de Curso Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

LOPES, L. M. S.; PINHEIRO, F. M. G.; SILVA, A. C. R; ABREU, E. S. Aspectos da motivação intrínseca e extrínseca: uma análise com discentes de Ciências Contábeis da Bahia na perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, vol. 1, n. 1, p. 21–39, 2015.

MACEDO, L. M. S. Estudo sobre o ingresso dos alunos em ciências contábeis a luz da teoria da autodeterminação. 2019. 45 f. TCC (Bacharel em Ciências Contábeis) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

MACHADO, A. C. T. A.; RUFINI, S. É.; MACIEL, A. G.; BZUNECK, J. A. Estilos motivacionais de professores: preferência por controle ou por autonomia. Psicologia Ciência e Profissão, vol. 32, n. 1, p. 188–201, 2012.

MACIEL, A. G. As contribuições da Teoria da Autodeterminação para a Psicopedagogia. 2008. Monografia (Especialização em Psicopedagogia) Instituto de Estudos Avançados e Pós-graduação, ESAP. 2008.

MASSON, G. Requisitos essenciais para a atratividade e a permanência na carreira docente. Educação e Sociedade, vol. 38, n. 140, p. 849–864, 2017.

MEDEIROS, N. L. O papel do estágio curricular e a motivação para formação dos acadêmicos em ciências contábeis: um estudo à luz da teoria da autodeterminação. 2019. 45 f. Monografia (Bacharel em Ciências Contábeis) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

NASCIMENTO, M. M. O professor de Física na escola pública estadual brasileira: desigualdades reveladas pelo Censo escolar de 2018. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 42, 2020.

NETO, V. B. S.; BORGES, M. C. O déficit de professores de ciências e a privatização da formação inicial: O (des)caso na política de formação por meio da educação a distância. In: FALEIRO, W.; VIGÁRIO, A. F.; FELÍCIO, C. M. (Orgs). Entre fios e tramas da formação inicial e continuada de professores. Goiânia, Kelps, p. 40, 2020.

OLIVEIRA, B. T.; SILVA, V. J. Teoria da Autodeterminação na compreensão da motivação da aprendizagem de Química dos alunos da Educação de Jovens e Adultos. Revista Labore em Ensino de Ciências. no. 1, p. 109–127, 2016.

OLIVEIRA, P. A.; THEÓPHILO, C. R.; BATISTA, I. V. C.; SOARES, S. M. Motivação sob a perspectiva da Teoria da Autodeterminação: um estudo da motivação de alunos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros. In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. Anais..., USP, São Paulo, 2010.

ORTIZ, A. J.; JÚNIOR, C. M.; OLIVEIRA, A. Ser professor de Física: Representações sociais na licenciatura. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências Belo Horizonte, vol. 21, 2019.

PAGANI, G. Quando os professores desistem: Um estudo sobre a exoneração docente na rede estadual de ensino de São Paulo. 113 f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", São Paulo, 2019.

PEREIRA, H. L.; JUNIOR, A. P.; LOPES, S. M. M. C. O uso de quadrinhos como ferramenta motivacional para o ensino de Física no ensino médio. Amazônica-Revista de Psicopedagogia, Psicologia escolar e Educação, vol. 23, n. 2, p. 417–445, 2019.

PEREIRA, M. C. P.; FERRARO, M. R. A importância do estágio para a formação pessoal e profissional. In: Seminário de Estágio Supervisionado do Campus Anápolis de CSEHUEG, Anais...Anápolis: UEG, 2016. p. 1-4.

PIZANI, J.; BARBOSA‐RINALDI, I. P.; MIRANDA, A. C. M.; VIEIRA, L. F. (Des) motivação na educação física escolar: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista brasileira de ciências do esporte, vol. 38, n. 3, p. 259–266, 2016.

ROCHA, A. M. C. A. As dificuldades na formação de professores: o curso de licenciatura de física do CES. 2019. 47 f. TCC (Licenciada em Física) Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, 2019.

RYAN, R. M; DECI, E. L. Intrinsic and extrinsic motivations: Classic definitions and new directions. Contemporary educational psychology, vol. 25, n. 1, p. 54–67, 2000.

SÁ, C. S. S; SANTOS, W. L. P. Motivação para a carreira docente e construção de identidades: o papel dos pesquisadores em ensino de Química. Química Nova, vol. 39, p. 104–111, 2016.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, vol. 14, n. 40, p. 143–155, 2009. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004.

SILVA, A. C. Concepções dos egressos do curso de física sobre o estágio supervisionado na formação docente. 2018. 69 f. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, 2018.

SOUTO, R. M. A. Egressos da licenciatura em matemática abandonam o magistério: Reflexões sobre profissão e condição docente. Educação e Pesquisa, vol. 42, n. 4, p. 1077–1092, 2016. https://doi.org/10.1590/S1517-9702201608144401.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Ribeiro, A. da C., & Costa, M. da. (2021). Motivação para a docência na Educação Básica: um estudo a partir da Teoria da Autodeterminação com discentes do curso de licenciatura em Física. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 947–972. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5407