Educação e saúde: Alfabetização Científica e o Programa Saúde na Escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5652

Palavras-chave:

Ensino de ciências. Saúde escolar. Alfabetização científica. Fake News.

Resumo

Práticas de saúde são realizadas no ambiente escolar desde o final do século XIX, com atendimento e procedimentos clínicos que se remetem aos paradigmas higienistas e às ações de saúde coletiva. Atualmente estas práticas são realizadas no âmbito do Programa Saúde na Escola e muitas de suas ações interagem com o currículo de ciências da natureza. Neste sentido, o objetivo deste artigo é apresentar uma reflexão sobre a importância da alfabetização científica no ensino de ciências e sua aproximação com o Programa Saúde na Escola. As relações identificadas entre os objetivos e as ações do Programa com os pressupostos da alfabetização científica mostram que a atuação conjunta de profissionais de saúde e professores de ciências pode potencializar, por exemplo, o enfrentamento das fake news sobre vacinação, o combate ao mosquito Aedes aegypti e o enfrentamento à pandemia de COVID-19, bem como todas as ações do PSE. A ação articulada entre o PSE e os professores de ciências com os pressupostos da alfabetização científica podem resultar em mais saúde para a comunidade e enfrentamento das fake news e as teorias negacionistas, sendo uma importante ferramenta de cuidado com a saúde individual e coletiva.

Biografia do Autor

Edson Manoel dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Biólogo, Professor de Ciências Naturais e Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Valéria Trigueiro Santos Adinolfi, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Professora Doutora do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Referências

ALBERTS, B. Redefining science education. Science, v. 323, n. 5913, p. 437–437, 2009.

AVAAZ; SBIM, SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. As fake news estão nos deixando doentes? Como a desinformação antivacinas pode estar reduzindo as taxas de cobertura vacinal no Brasil. AVAAZ, SBIM, 2019.

BRASIL. Decreto no. 6.286 DE 06 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Relatório Brasil no PISA 2018: versão preliminar. Brasília: INEP/MEC, 2019.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Interministerial no 1.055, de 25 de abril de 2017. Redefine as regras e os critérios para adesão ao Programa Saúde na Escola – PSE por estados, Distrito Federal e municípios e dispõe sobre o respectivo incentivo financeiro para custeio de ações.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Nota técnica no 17/2020-CGPROFI/DEPROS/SAPS/MS. Divulgação dos resultados do monitoramento das ações do Programa Saúde na Escola do primeiro ano do ciclo 2019/2020. Ministério da Saúde, 2020.

BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE; SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Coberturas vacinais no Brasil: período 2010-2014. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BÜHLER, J.; IGNÁCIO, P. Políticas públicas educacionais implicadas no bom desempenho em ciências no PISA: um estudo comparativo entre Singapura, Finlândia e Brasil. Olhar de professor, v. 23, p. 1–18, 2020.

CASEMIRO, J. P.; FONSECA, A. B. C.; SECCO, F. V. M. Promover saúde na escola: reflexões a partir de uma revisão sobre saúde escolar na América Latina. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 3, p. 829–840, 2014.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89–100, 2003.

CRUZ, A. A queda da imunização do Brasil. CONSENSUS Revista do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, v. 7, n. 25, p. 20–29, 2017.

DI PIETRA, G. A. C. et al. O que explica o desempenho do Brasil no PISA 2015? Revista Brasileira de Economia, v. 74, n. 2, p. 167–196, 2020.

GARCIA, P. S. et al. Austrália, Brasil e Canadá: impacto das avaliações no ensino de ciências. Estudos em Avaliação Educacional, v. 29, n. 70, p. 188–221, 2018.

KRASILCHIK, M. Prioridades no ensino de ciências. Cadernos de Pesquisa, v. 38, p. 45–49, 1981.

KRASILCHIK, M. Ensino de ciências e a formação do cidadão. Em Aberto, v. 7, n. 40, p. 55–60, 1988.

KRASILCHIK, M. Caminhos do ensino de ciências no Brasil. Em aberto, v. 11, n. 55, p. 3–8, 1992.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 85–93, 2000.

LIMA, G. Z. Saúde escolar e educação. São Paulo: Cortez, 1985.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 1–17, 2001.

MASSARANI, L.; LEAL, T.; WALTZ, I. O debate sobre vacinas em redes sociais: uma análise exploratória dos links com maior engajamento. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. suppl 2, p. 1–14, 2020.

MONTEIRO, P. H. N.; BIZZO, N. A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde, 1971-2011. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 22, n. 2, p. 411–428, 2015.

SALINAS, D.; MORAES, C.; SCHWABE, M. Programme for international student assessment (PISA): resultis from PISA 2018. OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development, 2019.

SASSAKI, A. H. et al. Por que o Brasil vai mal no PISA? Uma análise dos determinantes do desempenho no exame. Insper, v. 31, p. 1–27, 2018.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio, v. 17, n. spe, p. 49–67, 2015.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59–77, 2011.

SCARPA, D. L.; SASSERON, L. H.; SILVA, M. B. O ensino por investigação e a argumentação em aulas de ciências naturais. Revista Tópicos Educacionais, v. 23, n. 1, p. 7–27, 2017.

SILVA-SOBRINHO, R. A. et al. Percepção dos profissionais da educação e saúde sobre o Programa Saúde na Escola. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 7, p. 93–108, abr. 2017.

SOUSA, M. C.; ESPERIDIÃO, M. A.; MEDINA, M. G. A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 6, p. 1781–1790, jun. 2017.

UNICEF, FUNDO DAS NAÇÕES UNIDADES PARA A INFÂNCIA. Estudo qualitativo sobre os fatores econômicos, sociais, culturais e da política de saúde relacionadas à redução das coberturas vacinais de rotina em crianças menores de cinco anos. UNICEF, 2020.

VASCONCELLOS-SILVA, P. R.; CASTIEL, L. D.; GRIEP, R. H. The media-driven risk society, the anti-vaccination movement and risk of autismo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 2, p. 607–616, 2015.

WIEMAN, C. Why not try: a scientific approach to science education? Change: The Magazine of Higher Learning, v. 39, n. 5, p. 9–15, 2007.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Santos, E. M. dos, & Adinolfi, V. T. S. (2022). Educação e saúde: Alfabetização Científica e o Programa Saúde na Escola. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5652