O lugar do esporte na Base Nacional Comum Curricular

Visualizações: 354

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.5851

Palavras-chave:

BNCC, Condição esportiva, Esportivização, Esporte, Educação Física escolar.

Resumo

A presente pesquisa analisa o lugar do conteúdo esporte na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Fundamental. Tem como questão problema: qual o lugar do conteúdo esporte na BNCC? Do ponto de vista dos seus objetivos, pretende: 1) Discutir a concepção de esporte presente no documento; 2) Compreender o modo e os critérios para a organização do conteúdo esporte nos diferentes anos do Ensino Fundamental. A partir do marco teórico-conceitual da sociologia crítica do esporte e do conceito de condição esportiva cunhado por Furtado e Borges (2019), analisou-se o lugar do fenômeno e da unidade temática esporte na BNCC. Concluí que o lugar do esporte na BNCC é diversificado, pois, para além do notório espaço destinado para este conteúdo, suas características estão presentes também em outros objetos de conhecimento da Educação Física, como a luta, a ginástica, as práticas corporais de aventura e a dança, o que confirma a existência de uma condição esportiva que necessita ser compreendida e problematizada no tempo e espaço da educação escolar.

Biografia do Autor

Renan Santos Furtado, UFPA - Escola de Aplicação

Graduado em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Pará (UFPA) no ano de 2017. Especialista em Educação Física Escolar pela Escola Superior Madre Celeste (ESMAC) no ano de 2018. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA (PPGED) no ano de 2019. Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA (PPGED). Professor efetivo da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (EAUFPA). Professor temporário da SEDUC/PA entre 2017 e 2018, lotado na Unidade Regional de Educação 20. Professor Substituto da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (EAUFPA) entre 2018 e 2020. Pesquisador do Centro Avançado de Estudos em Educação e Educação Física (CAÊ), integrando a linha de pesquisa "Estudos de Formação e Práticas Pedagógicas em Educação e Educação Física". Atua como Revisor dos periódicos - Arquivos em Movimento (UFRJ), Interfaces da Educação (UEMS) e Educación Física y Deporte (EFYD). Tem experiência, estudos e pesquisas na área da Educação, com ênfase nos seguintes temas: Políticas Educacionais; Educação Física Escolar; Práticas Corporais; Corpo e Educação e Questões Epistemológicas da Educação e da Educação Física.

Margarida do Espírito Santo Cunha Gordo, UFPA - Escola de Aplicação

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, início em agosto de 2012 e conclusão em março de 2015. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA), início em março de 2009 e conclusão em janeiro de 2011. Possui Especialização em Bases Científicas da Atividade Física e Saúde realizada na Universidade do Estado do Pará (UEPA), 2000. É graduada em LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA pela UEPA, de 1991 a 1995. Vem trabalhando na Educação Básica desde 2001, ministrando aulas no ensino infantil, fundamental e médio, bem como no Ensino Superior na Licenciatura em Pedagogia do Instituto Federal do Pará na disciplina Ludicidade e Educação, no Plano Nacional de Formação de Professores (PARFOR) na Licenciatura em Pedagogia em Santarém (2011) e em Cametá (2015), pelo IFPA e na Licenciatura em Educação Física em Castanhal (2018) pela UFPA nas disciplinas Metodologia da Pesquisa Científica, Pesquisa Educacional e TCC I, respectivamente. Foi coordenadora pedagógica do Departamento de Ensino Códigos e Linguagens (DECIL) e membro da Coordenação de Disciplinas de Formação Geral no IFPA campus Belém. Foi Coordenadora de Tutoria da Universidade Aberta do Brasil e Coordenadora Adjunta do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC - em Santarém. Foi professora de Educação Física do Instituto Federal do Pará nos campi Belém, Santarém e Abaetetuba desde 12/2008 a 03/2016. Atualmente é professora de Educação Física e Coordenadora de Pesquisa e Extensão da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará. É revisora técnica e parecerista. É membro do Conselho Editorial da Revista Êxitus (Revista de Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA). Desde 1995 atua na Cultura Popular, mais especificamente na produção e nas oficinas culturais e educacionais para os desfiles da Escola de Samba Bole-Bole, bem como na (re)significação do Bangu-ê. Pesquisa sobre educação formal e não-formal, práticas educativas, carnaval, escola de samba e cultura popular e, educação básica. É pesquisadora de dois grupos de pesquisa: LABORARTE/UNICAMP: Laboratório de Estudos sobre Arte, Corpo e Educação. GPRAPE/EAUFPA: Grupo de Pesquisa em Práticas Pedagógicas para o Ensino na Educação Básica.

Carlos Nazareno Ferreira Borges, UFPA - Instituto de Ciências da Educação

Possui Graduação (Licenciatura Plena) em Educação Física pela Fundação Educacional do Estado do Pará (1990) e Graduação (Bacharelado) em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo (2011); Mestrado (2000) e Doutorado (2005) em Educação Física pela Universidade Gama Filho; Pós-doutorado em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atualmente é docente associado IV da Universidade Federal do Pará, atuando na graduação em Educação Física e Pedagogia. É docente do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará (PPGED/UFPA), atuando na linha de Formação de professores, trabalho docente, teorias e práticas educativas; formador de agentes sociais do programa PELC do Ministério da Cidadania. Revisor da Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Revisor da Revista Movimento, Revisor da revista Pensar a Prática; Revisor da Revista Licere. Revisor da Revista da Educação Física/UEM. Revisor da Revista Brasileira de Educação Física e Esportes (REBEFE/USP). É Líder do Centro de Estudos Avançados em educação e Educação Física (CAÊ); membro do Grupo de Estudo e Pesquisa, Lazer e Ludicidade (Moçarai/UFPA). Tem experiência na área de Educação Física e Ciências Sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia do Esporte e das Práticas Corporais; Estudos políticos e Estudos culturais em Educação Física, Esporte, Lazer, Saúde e Educação; formação de Professores, Trabalho docente e Teorias Educacionais; Metodologias de ensino. Políticas públicas e políticas sociais. Gestão social

Referências

ASSIS DE OLIVEIRA, S. A reinvenção do esporte: possibilidade da prática pedagógica. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

BETTI, M. A versão final da Base Nacional Comum Curricular da educação física (Ensino Fundamental): menos virtudes, os mesmos defeitos. Rev. Bras. Educ. Fís. Escolar Ano IV, V. 1 – Jul. 2018.

BETTI, M. Cultura corporal e cultura esportiva. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 7(2):44-51, jul./dez. 1993.

BETTI, M. Esporte e sociologia. Motrivivência, Junho, 1989 – 7.

BOSCATTO, J. D; IMPLOCETTO, F. M; DARIDO, S. C. A Base Nacional Comum Curricular: uma proposição necessária para a Educação Física? Motrivivência, V. 28, n° 48, setembro/2016.

BRACHT, V. A criança que pratica esporte respeita as regras do jogo... capitalista. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. V. 7, número 2. 1986.

BRACHT, V. Educação Física e aprendizagem social. 2. ed. Porto Alegre: Magister, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Ministério da Educação, 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara da vertigem. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2017.

CAVALCANTI, K. B. Esporte para todos: um discurso ideológico: São Paulo: Ibrasa, 1984.

CAVALCANTI, K. B. A função cultural do esporte e suas ambiguidades sociais. IN: DA COSTA, L. P (Org.). Teoria e prática do esporte comunitário e de massa. Rio de Janeiro: Palestras Edições, 1981.

ELIAS, N; DUNNING, E. A Busca da Excitação. Lisboa, Difel, 1992.

FARIA JUNIOR, A. G. Modelo alternativo para a Educação Física brasileira. IN: DA COSTA, L. P (Org.). Teoria e prática do esporte comunitário e de massa. Rio de Janeiro: Palestras Edições, 1981.

FENSTERSEIFER, P. E. O que significa aprender no âmbito da cultura corporal de movimento? Atos de pesquisa em educação, v. 7, n. 2, p. 320-328, mai./ago. 2012.

FENSTERSEIFER, P. E; GONZÁLEZ, F. J; DA SILVA, Sidinei. Educação Física crítica em perspectiva democrática e republicana. Movimento, Porto Alegre, v. 25, e25070, 2019.

FURTADO, R. S; BORGES, C. N. F. A condição esportiva. Educação, Santa Maria, v. 44, 2019.

FURTADO, R. S; COSTA, G. H. O. Perspectiva docente sobre as “repercussões” da Base Nacional Comum Curricular na formação de professores de Educação Física. Revista Cocar V.14. N.28 Jan./Abr./2020 p. 681-701.

FURTADO; R. S; SILVA, V. V. A. A reforma em curso no ensino médio brasileiro e a naturalização das desigualdades escolares e sociais. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.18, n.1, p. 158-179 jan./mar. 2020.

GONZÁLEZ, F. J. Parecer sobre Base Nacional Comum Curricular 3º versão. Unijuí, 2017.

HYPOLITO, Á. M. BNCC, Agenda Global e Formação Docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./mai. 2019.

KUNZ, El. O esporte enquanto fator determinante da Educação Física. Contexto & Educação. Ijui, RS, v. 4, n. 15, p. 63-73, jul/set, 1989.

KUNZ, E. Transformações Didático-Pedagógicas do Esporte. Ijui: Unijuf, 1994.

LIMA, Á. M. Educação, ideologia e reprodução social: notas críticas sobre os fundamentos sociais da Base Nacional Comum Curricular – BNCC. IN: UCHOA, A; SENA, I (Orgs.). Diálogos Críticos: BNCC, educação, crise e luta de classes em pauta [recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2019.

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de Educação Física. Rev Bras Ciênc Esporte. 2018;40(3):215-223.

RUFINO, L. G. B; DARIDO, S. C. Separação dos conteúdos das “lutas” dos “esportes” na Educação Física escolar: necessidade ou tradição? Pensar a Prática, Goiânia, v. 14, n. 3, p. 117, set./dez. 2011.

SANTOS, M. A. R; BRANDÃO, P. P. S. Base Nacional Comum Curricular e currículo da Educação Física: qual o lugar da Diversidade cultural? Horizontes, v. 36, n. 1, p. 105-118, jan./abr. 2018.

SANTOS, M. A. G. N; NISTA-PICCOLO, V. L. O esporte e o ensino médio: a visão dos professores de educação física da rede pública. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.25, n.1, p.65-78, jan./mar. 2011.

SÜSSEKIND, M. L. A BNCC e o “novo” Ensino Médio: reformas arrogantes, indolentes e malévolas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 91-107, jan./mai. 2019.

STIGGER, M. P. Educação Física, esporte e diversidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

TAHARA, A. K; DARIDO, S. C. Práticas corporais de aventura em aulas de educação física na escola. Conexões, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 113-136, abr./jun. 2016.

TAQUES, M. J; MADRID, S. C. O. O processo de ensino e aprendizagem do esporte na escola na perspectiva dos professores de Educação Física. Cinergis, Santa Cruz do Sul, 18(3):196-203, jul./set. 2017

TORRI, D; VAZ, A. F. Do centro à periferia: sobre a presença da teoria crítica do esporte no Brasil. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 28, n. 1, p. 185-200, set. 2006.

VAGO, T. M. O "esporte na escola" e o "esporte da escola": da negação radical para uma relação de tensão permanente – Um diálogo com Valter Bracht. Movimento - Ano III - Nº 5 - 1996/2.

Downloads

Publicado

04-12-2023

Como Citar

Furtado, R. S., Gordo, M. do E. S. C., & Borges, C. N. F. (2023). O lugar do esporte na Base Nacional Comum Curricular. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40), 578–598. https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.5851