Formação para a conformação? Uma análise das redes da Fundação Itaú Social na implementação da BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.5979

Palavras-chave:

Formação. Fundação Itaú Social. BNCC.

Resumo

O artigo decorre de uma pesquisa anterior, que analisou a atuação da Fundação Itaú Social enquanto um aparelho privado de hegemonia que age sobre a educação brasileira. Dentro de suas diversas frentes de atuação, recortou-se a categoria “formação”, mais especificamente cursos voltados para a formação docente para a implementação da Base Nacional Comum Curricular. Foi realizada uma descrição da estrutura da Fundação, bem como as contradições entre o que postula seu estatuto e o que se verifica na realidade. Utilizou-se a análise de redes sociais como ferramenta metodológica, construindo-se o grafo sobre os elos e nós da Fundação com outros setores, instituições e empresas, indicando como o empresariado vem se organizando no Brasil para influir na formulação, implementação e avaliação das políticas. A partir do estudo, concluiu-se que a concepção de educação subjacente aos programas e projetos da Fundação Itaú Social contribuem para a perpetuação de uma visão dualista e elitista da educação.

Biografia do Autor

Karine Morgan, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj - FEBF) / Faculdades Integradas Maria Theresa

Doutora em Educação pela UFF. Professora (aguardando posse) da Uerj/FEBF e professora da Famath.

Marcelo Mocarzel, Universidade Católica de Petrópolis (UCP) / Centro Universitário La Salle do Rio de Janeiro (Unilasalle-RJ)

Doutor em Comunicação (PUC-Rio), com pós-doutorado em Educação (UFF). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCP e professor dos cursos de Graduação e Pós-graduação do Unilasalle-RJ.

Referências

AUTOR, 2020.

BALL, S. J. Educação Global S.A. Novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa, PR: Editora UEPG, 2014.

BALL, S. J.; JUNEMANN, C. Networks, new governance and education. Bristol, UK: Policy Press, 2012.

BALL, S. J.; OLMEDO, A. A nova filantropia, o capitalismo social e as redes de políticas globais em educação. In: PERONI, V. M. V.; LIMA, P. V.; KADER, C. R. (Orgs.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Brasília: Liber Livro, 2013, p. 33-47.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez, 1997.

FOSTER, J. B. Educação e a crise estrutural do capital: o caso dos Estados Unidos. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 1, p. 85-136, jan./abr. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n1p85 Acesso em 02 mar. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., v. 33, n. 119, p. 379-404, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302012000200004 Acesso em 02 mar. 2021.

GRAMSCI, A. Cartas do cárcere: 1931-1937. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

HORTA, J. S. B. O hino, o sermão e a ordem do dia: regime autoritário e a educação no Brasil (1930-1945). Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

HYPÓLITO, A. M. BNCC, agenda global e formação docente. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, 2019. Disponível em https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.995 Acesso em 02 mar. 2021.

KRAWCZYK, N. A sustentabilidade da reforma educacional em questão: a posição dos organismos internacionais. Rev. Bras. Educ., n. 19, p. 43-63, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100005. Acesso em 02 mar. 2021.

MACEDO, E. As demandas conservadoras do Movimento Escola Sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educ. Soc., v. 38, n. 139, p. 507-524, Jun. 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017177445 Acesso em 02 mar. 2021.

MARTINS, Andre Silva. A educação básica no século XXI: o projeto do organismo “Todos pela Educação” Práxis Educativa. Ponta Grossa, v.4, n.1, p.21-28 , jan.-jun. 2009. Disponível em http://www.periodicos.uepg.br>. Acesso em 14/08/2017.

MARTINS, Ana Luiza. Itaú Unibanco 90 anos: uma história muito além dos números. Rio de Janeiro: Scriptorio, 2014.

MAUÉS, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cad. Pesq., n. 118, p. 89-118, Mar. 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742003000100005 Acesso em: 02 mar. 2021.

MONTAÑO, C. O canto da sereia: crítica à ideologia e aos projetos do "terceiro setor". São Paulo: Cortez, 2010.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

PAOLI, Maria Célia. Empresas e responsabilidade social: os enredamentos da cidadania no Brasil, In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, cap. 8, p. 373-418.

PERONI, V. M. V; CAETANO, M. R; ARELARO, L. R G. BNCC: disputa pela qualidade ou submissão da educação?. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 35, n. 1, p. 35-56, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.21573/vol1n12019.93094 Acesso em 02 mar. 2021.

SANTOS, Elenice Roginski. Responsabilidade social ou filantropia. Revista FAE Business, Curitiba, n. 9, p. 32-34, 2004.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2019.

SHIROMA, E. O. Redes, experts e a internacionalização de políticas educacionais. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 5, n. e2014425, p. 1-22, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5212/retepe.v.5.14425.003 Acesso em 02 mar. 2021.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005. Nível em: https://doi.org/10.5007/%25x Acesso em 02 mar. 2021.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Morgan, K., & Mocarzel, M. (2021). Formação para a conformação? Uma análise das redes da Fundação Itaú Social na implementação da BNCC. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 1039–1064. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.5979