As práticas extensionistas na formação inicial e a autonomia docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.6057

Palavras-chave:

Palavras-chave, Políticas de Extensão Universitária, Grupos de Discussão, Formação de professores.

Resumo

Este artigo trata de um  recorte de pesquisa realizada em uma universidade comunitária do estado de Santa Catarina, Brasil. Seu objetivo foi investigar as contribuições da experiência extensionista na formação docente inicial, à luz da política nacional de extensão e as novas diretrizes curriculares da área para o ensino superior.  Os sujeitos da pesquisa, são professores da educação básica, egressos do curso de Licenciatura em Letras da referida instituição, que participaram durante seu periodo formativo, de dois programas de extensão relacionados à práticas educativas de leitura e da literatura infanto juvenil.  A opção metodológica  foi de ordem  qualitativa e os dados foram obtidos por meio de grupos de discussão, sendo posteriormente tratados  de acordo com os pressupostos da análise de conteúdo. A partir da análise dos dados,  evidencia-se a perspectiva do papel da extensão acadêmica na formação inicial de professores da educação básica,   dentre outras questões, também no desenvolvimento da autonomia docente.

 

 

Biografia do Autor

Berenice Rocha Zabbot Garcia, Universidade da Região de Joinville

Possui graduação em Letras pela Universidade da Região de Joinville (1982), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Paraná (2000) e Doutorado em Educação - Psicologia da Educação (2012). Foi docente da Educação Básica de 1978 a 2003. Em 1999, ingressou no Ensino Superior. É professora titular da Universidade da Região de Joinville e atua no Curso de Letras ministrando aulas de Introdução À Teoria Literária, Literatura Infantil Juvenil e Filologia Portuguesa. É professora do Mestrado em Educação atuando na linha de pesquisa de Práticas Educativas. É professora convidada do Doutorado em Saúde e Meio Ambiente, ministrando disciplina de Formação para a Docência. Tem experiência comprovada desde 2002 em atividades de Extensão Universitária, tendo exercido cargo de Assessora, Chefe de Extensão e Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Comunitários da Univille. Atualmente, presta assessoria ao Centro de Inovação Pedagógica, CIP, da Universidade da Região de Joinville e é coordenadora do Programa de Extensão de Literatura Infantil Juvenil, PROLIJ.

Marly Kruger de Pesce, Universidade da Região de Joinville - Univille

Doutorado em Educação- Psicologia da Educação pela PUC/SP. Professora permanente do Programa de Pós-graduação em Educação e do curso de graduação de Letras da Universidade da Região de Joinville - Univille. Coordenadora do Grupo de Pesquisa GECDOTE e participa do Observatório de Ensino Médio em Santa Catarina. Investiga temas sobre práticas educativas e tecnologias digitais. Coordena o projeto de extensão- EDUPAZ

Elzira Maria Bagatim Munhoz, Universidade da Região de Joinville

Graduada em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1985) e mestre em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Paraná (1993). Doutora em Educação: Psicologia da Educação pela PUC/SP (2013). Professora Titular do quadro de carreira da Universidade da Região de Joinville/SC, Univille, atuando na graduação em Ciências Biológicas, na Pós graduação lato sensu, como professora convidada. Professora colaboradora do Programa de Pós Graduação em Educação na mesma instituição, na linha de pesquisa Políticas e Práticas Educativas. Atua na área de educação ambiental e ensino de ciências e biologia. Professora orientadora de estágio curricular supervisionado em Ciências e Biologia. Membro do Grupo de Pesquisa GECDOTE - Grupo de Pesquisa em Estudos Curriculares, Docência e Tecnologia, vinculado ao Programa de Mestrado em Educação da Univille. Professora extensionista, com ação na área de educação ambiental, no Programa de extensão de Educação e Interpretação Ambiental (Programa Trilhas), onde coordena o setor de educação ambiental. Já atuou como coordenadora de área do projeto de ciências biológicas no Programa de Iniciação à Docência (Pibid) da Univille, no período de 2012 a 2017. Atualmente coordena o projeto interdisciplinar no mesmo programa e instituição, congregando acadêmicos dos cursos de Artes, Ciências Biológicas e Pedagogia. Coordena os cursos de Ciências Biológicas nas linhas de formação em Licenciatura e Bacharelado em Meio Ambiente e Biodiversidade na Univille.

 

Referências

ALMEIDA, Luciane Pinho de; SAMPAIO, Jorge Hamilton. Extensão Universitária: aprendizagem para transformações necessárias no mundo da vida. In: Revista Dia Logos, Revista de Extensão da Universidade Católica de Brasília. Águas Claras/ Taguatinga-DF: Editora Universa, dezembro de 2010, n.4. p.37.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011, 229 p

BRASIL. Resolução CNE/CP 2/2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 9.

BRASIL. Resolução CNE/CES no. 7. Estabelece as diretrizes para a extensão na educação superior brasileira, e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei no. 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE – 2014 – 2024 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de dezembro de 2018, Seção 1, pp. 49 e 50.

FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003.

FREIRE, Carta de Paulo Freire aos professores. Estud. av., São Paulo, v. 15, n. 42, ago. 2001 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000200013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 17 jul. 2012.

____________ Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários para a prática educativa. 34. ed. São Paulo: Paz e Terra S/A, 2006.

____________. Extensão ou Comunicação? 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GARCIA, Berenice Rocha Zabbot. A Contribuição da Extensão Universitária para a Formação Docente, 2013, p.14. Tese de doutorado a apresentada como exigência para obtenção do título de Doutora em Educação: Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sob orientação da Prof.ª Doutora Marli Eliza Dalmazo Afonso de Andre.

GATTI, Bernadete; ANDRÉ, Marli. A relevância dos métodos de pesquisa qualitativa em Educação no Brasil. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

GATTI, Bernadete. Os professores e suas identidades – o desenvolvimento da heterogeneidade. São Paulo: Caderno de Pesquisa, n. 98. ago. 1996 p. 85-90

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional – formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2011.

SÍVERES, Luiz. Universidade: Torre ou Sino? Brasília, Universia, 2006.

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS – PROEX. Joinville SC: Editora UNIVILLE, 2016.

WELLER, Vivian. Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico – metodológicos e análise de uma experiência com o método. Revista de Educação e Pesquisa. São Paulo. v.32. n.2. maio/agosto, 2006. p. 241 a 260.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Garcia, B. R. Z., Pesce, M. K. de, & Munhoz, E. M. B. (2021). As práticas extensionistas na formação inicial e a autonomia docente. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 942–959. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.6057