TECNOLOGIAS DIGITAIS NA PRIMEIRA INFÂNCIA: EXPERIÊNCIAS E RISCOS NA INTERAÇÃO COM TELAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.6081

Palavras-chave:

Tecnologias Digitais. Multiletramento. Educação Infantil.

Resumo

Este artigo, que tem como tema as tecnologias digitais na infância, é fruto de uma pesquisa cujo objetivo foi analisar a interação das crianças com as tecnologias digitais no contexto familiar, e os respetivos reflexos positivos e negativos no contato com telas. Tomou-se como referência orientações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e da Organização Mundial da Saúde (OMS), direcionadas a pais e educadores para o uso seguro e pedagógico de telas. Utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo, com seleção de artigos em repositórios científicos e aplicação de questionário on-line a pais/responsáveis de crianças na faixa etária de 2 a 5 anos.  De acordo com os resultados, o tempo em que as crianças utilizam telas de dispositivos e outras tecnologias digitais, muitas vezes, excede as recomendações da SBP e da OMS, expondo-as a situações de risco. As famílias revelaram a percepção de sinais de dependência digital nas crianças pesquisadas. Conclui-se que nem sempre os pais se dão conta dos riscos da exposição demasiada de crianças pequenas em interações digitais, sem monitoramento de um adulto. O grande desafio posto às famílias e às escolas é o de redimensionar o uso de tecnologias, aproveitando seu potencial educativo.

Biografia do Autor

JAYNE CRISTINA FRANCO DE AQUINO, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE -UERN

Mestranda do Curso de Pós Graduação em Ensino,pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, Campus Avançados de Pau dos Ferros, com área de concentração na Educação Básica, Linha de Pesquisa Ensino de Ciências Humanas e Sociais. Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, especialista em Metodologia do Ensino Fundamental e Médio pela Fundação Universidade Estadual Vale do Acaraú; Educação Infantil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; e Mídias na Educação, pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Exerce a função de Orientadora Educacional na Escola Municipal de Educação Infantil Carlos Alberto Dias do Rêgo e de Supervisora Escolar no Departamento de Ensino Rural. Possui experiência profissional na Educação Infantil, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos (nível fundamental), e em formação docente. 

LUÍS MIGUEL DIAS CAETANO, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB

Licenciado em Gestão de Empresas, Mestre em Comportamento Organizacional, Doutor em Educação e Pós-Doutor em Ensino. Atualmente é professor adjunto no Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, atuando no Curso de Administração Pública nas áreas de Relações Internacionais, Comportamento Organizacional, Inovação e Criatividade. Em termos de pesquisa, concentra a sua atividade nas áreas da Inovação Tecnológica, Sistemas de Informação, Tecnologia Educativa e Políticas Públicas na Educação. Autor de artigos científicos e capítulos de livros nas áreas de ensino, inovação e gestão pública. Colaborou na organização das obras "Unilab e a integração cultural lusófona: tribos, povos e nacionalidades em uma universalidade" e "Pluralidade cultural brasileira: aspectos conceituais e contextuais". Tem exercido cargos nas áreas de Gestão do Ensino Superior, Implementação de Sistemas de Informação, Gestão de Projetos, Tecnologias Educativas, Formação de Professores e Projetos de Cooperação para o Desenvolvimento na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Tem atuado em projetos internacionais como formador, pesquisador e consultor em países como Brasil, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Moçambique, Espanha e Honduras. Regularmente dinamiza várias palestras, cursos e workshops nas áreas de Inovação, Técnicas de Comunicação em Público, Criatividade nas Organizações, Tecnologias na Pesquisa e Gestão de Pessoas. Colabora ainda em várias atividades de pesquisa, produção científica e extensão com a Universidade de Santiago (Cabo Verde), Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Brasil), Universidade Federal de Santa Maria (Brasil), Universidade Nacional da Costa Rica, Universidade Pedagógica Nacional Francisco Morazan (Honduras), Universidade Tecnológica do Chile e e a Universidade de Aveiro (Portugal).

CARLA CRISTIANE FRANCO DE AQUINO, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Especialista em Metodologia do Ensino Fundamental e Médio pela Fundação Universidade Estadual Vale do Acaraú, em Coordenação Pedagógica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e em Mídias na Educação pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Cursando Mestrado em Ensino na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Atualmente exerce as funções de inspetora escolar e de apoio pedagógico na Escola Estadual Gilney de Souza - Ensino Médio. Já lecionou disciplinas pedagógicas no curso do Magistério de 2º grau. Possui experiência profissional no Ensino Fundamental, no Ensino Médio, e em formação docente.

Referências

AMANTE, L. Tecnologias Digitais, Escola e Aprendizagem. Ensino em Re-Vista. V. 18, n 02, p. 235-245, Jul/Dez, 2011.

BASTOS, M. C. P. Metodologia Científica. Londrina-PR: Editora e Distribuidora Educacional S/A, 2016 (Livro: Unidade 3: Projeto Pesquisa).

BORGES, F. G. B. A construção de uma metodologia para o letramento digital. Universidade Federal da Grande Dourados. v. 11, n. 25, jan/jun, 2017.

BRANCO, M. R. As tecnologias de informação e comunicação: novos suportes para o ensino de literatura. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, v. 10, n, 1, p.229-241,2017

BRASIL. Ministério da Educação. Governo Federal. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: educação é a Base. Brasília, DF, p. 472, 2017.

BRITO, R. Estilos de mediação do uso de tecnologias digitais por crianças até aos 6 anos. Da Investigação às Práticas, v. 8, n. 2, p. 21–46, 2018.

CAETANO, L. M. D. Tecnologia e Educação: Quais os desafios? Educação (UFSM), v. 40, n. 2, p. 295–309, 2015.

CLIMACO, F. C; M, C. M. Educação Infantil, Mídias Digitais e Práticas educativas: caminhos cruzados, possíveis diálogos. Revista Teias. Conversas sobre formação de professores, práticas e currículos, v. 18, n. 50, jul/set, 2017.

COSCARELLI, C. V; KERSCH, D. F. Pedagogia dos Multiletramentos: alunos conectados? Novas escolas + novos professores. In: COSCARELLI, C. V; KERSCH, D. F; CANI, J. B. (Org). Multiletramentos e Multimodalidades. Campinas – SP: Pontes editores, 2017.

COUTNHO, C.P. Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. 2ª. Ed. Coimbra: Edições Almedina, 2015.

DUDENEY, G; HOCKLY, N; PEGRUM, M. Letramentos digitais. Trad: Marcos Marcianilo. São Paulo: Parábola editorial, 2016.

FANTIN, M. Crianças e games na escola: entre paisagens e práticas. Revista Latinoamericana de Ciências Sociales, Niñez y Juventud, v. 13, p. 195-208, 2015.

FARIA, H. de C.; COSTA, I. P; NETO, A. S. Hábitos de Utilização das Novas Tecnologias em Crianças e Jovens. Gazeta Médica, v. 5, p. 270–276, 2018.

MARQUES, C.G; PEREIRA, I. TIC, inclusão e diferenciação pedagógica: estudo exploratório. In: XXI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INFORMÁTICA EDUCATIVA. Tomar, Portugal. Book of proceedings, 2019.p. 67-72.

MODELSKI, D.; GIRAFFA, L. M. M.; CASARTELLI, A. DE O. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e pesquisa, v. 45, p. 1–17, 2019.

MONTEIRO, A.F; OSÓRIO, A. J. Novas tecnologias, riscos e oportunidades na perspectiva das crianças. Revista Portuguesa de Educação, v. 28, n. 1, p. 35–57, 2015.

MINAYO, M, C, de S. Pesquisa social: Teoria, Método e Criatividade. 21ª. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Assessing internet development in Brazil. Paris: UNESCO, 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Guidelines on physical activity, sedentary behaviour and sleep: for children under 5 years of age. Wold Health Organization - OMS, 2019.

SILVA, P. F; FAGUNDES, L.C; MENEZES, C. Como as Crianças estão se apropriando das Tecnologias digitais na Primeira Infância. CINTED-UFRGS, v.16, n. No 1, Julho, p. 1–10, 2018.

SOARES, J. A; ORTZ, M. F. A; CANATO, R. L. C. O benefício da tecnologia no desenvolvimento da criança. Interciência & Sociedade, v. 5, n. 1, p. 75–85, 2020.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação: #menos telas #mais saúde. Rio de Janeiro: Grupo de trabalho saúde na era digital, 2019b.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação: uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas. Rio de Janeiro: Departamentos científicos de pediatria do desenvolvimento e comportamento e de saúde escolar, 2019a.

ZACHARIAS, V. R. de C. Letramento digital: desafios e possibilidades para o ensino. In: Tecnologias para aprender. COSCARELLI, C. V; RIBEIRO, A. E. (Org). São Paulo: Parábola Editora, p, 15-29, 2016.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

AQUINO, J. C. F. D., CAETANO, L. M. D., & AQUINO, C. C. F. D. (2022). TECNOLOGIAS DIGITAIS NA PRIMEIRA INFÂNCIA: EXPERIÊNCIAS E RISCOS NA INTERAÇÃO COM TELAS. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.6081