Estratégias educomunicativas para a inclusão

Pesquisa-ação no Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas do Instituto Federal de Brasília (IFB)

Visualizações: 90

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6125

Palavras-chave:

Educomunicação, Educação inclusiva, NAPNE

Resumo

As ações de educomunicação podem ser aplicadas em diversos contextos por meio de estratégias adequadas a cada público-alvo, sobretudo em prol da inclusão de pessoas com deficiência. O presente trabalho objetiva apresentar as ações desenvolvidas junto aos bolsistas do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidade Específicas (NAPNE) do Instituto Federal de Brasília (IFB). A partir da pesquisa-ação, e com uso da ferramenta online PowToon, foram desenvolvidas 12 animações para estudantes, professores e técnicos-administrativos a respeito de deficiências cognitiva, física, visual e auditiva. Para complementar a análise dos resultados, os relatórios dos estudantes bolsistas foram submetidos a análise qualitativa de conteúdo, traçando um panorama de contribuições do projeto que passam pelo desenvolvimento de competências midiática e inclusiva, bem como pelo amadurecimento das capacidades de crítica, criatividade, pesquisa e interação em equipe. Por fim, de acordo com os estudantes, o projeto traz impactos nos níveis: 1) individual, possibilitando aos educomunicadores conhecimentos sobre políticas de acessibilidade e inclusão; 2) comunitário, permitindo uma conscientização da comunidade receptora dos produtos educomunicativos; e 3) específico, permitindo a representatividade das deficiências e especificidades abordadas.

Biografia do Autor

Adriano Carmo, Instituto Federal de Brasília

Atualmente professor do Câmpus Brasília do IFB, foi Jornalista do Câmpus Águas Lindas do IFG - 2016-2018. Foi Professor do curso superior de Tecnologia em Produção Cênica, do ITEGO em Artes Basileu França (SED/GO) - 2014-2016. Mestre em Comunicação pela UFJF (2014). Especialista em Inovação em Mídias Interativas pela UFG (2016). Especialista em Design Instrucional pela UNIFEI (2012) com Aperfeiçoamento em Educação a Distância (EaD) pela UFMG (2013). Bacharel em Comunicação Social pela UFJF (2010) com Licenciatura Plena em Língua Portuguesa pelo IF Sudeste MG (2013). Exerceu a coordenação do curso de Tecnologia em Produção Cênica, do ITEGO em Artes Basileu França, no 2º semestre de 2015. Tem experiência em Educação, com destaque para EaD. Foi tutor presencial dos cursos técnicos a distância do IF Sudeste MG, atuando nos cursos técnicos de Segurança do Trabalho e Multimeios Didáticos. Tem experiência em estágio na área de Comunicação, com ênfase em Assessoria de Comunicação. Realizou pesquisa de mestrado na linha de Estética, Redes e Tecnocultura. Foi pesquisador do Media Lab / UFG (2014-2017), atuando na linha de Economia Criativa. Atualmente, desenvolve estudos sobre tópicos transversais, englobando as relações entre comunicação e sociedade e entre divulgação e promoção, tendo em vista o âmbito da produção de eventos artísticos e culturais.

Bruno Betti Galasso, Instituto Nacional de Educação de Surdos

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo com bolsa-sanduíche na Universidade do Minho (Portugal), concedida pelo programa Eramus Mundus External Cooperation (Emundus15). Mestre em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo, com estágio na Universidade de Harvard (USA). Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância pela Universidade Federal Fluminense. Master of Business Administration em Gestão Estratégica e Econômica em Projetos pela FGV. Graduado em Pedagogia, Comunicação Social e Letras. Consultor acadêmico e gerente de projetos na área de Tecnologia Educativa. Responsável pela implantação do modelo UAB no Instituto Nacional de Educação de Surdos, sendo o primeiro coordenador geral na instituição. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Online - GEPEO. Fundador do Núcleo de Educação Online (NEO) do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Responsável pelo desenho didático-pedagógico, implantação e gerenciamento do Curso de Pedagogia Bilíngue nas cinco macrorregiões do Brasil. Avaliador Institucional Externo do SINAES, para ato autorizativo de credenciamento EaD (INEP). Líder do projeto vencedor do prêmio Reimagine Education 2018 (USA). Atualmente, atua como professor convidado no Politécnico do Porto - Portugal (IPP). Dedica-se, principalmente, aos estudos nos seguintes temas: Educação a Distância (EAD); Educação Online; Desenvolvimento de Objetos Digitais de Aprendizagem; Comunidades Virtuais de Aprendizagem; Personal Learning Environment (PLE); Interação e mediação pedagógica; Educação de Surdos.

Referências

AMOR PÉREZ, M.; DELGADO, Á. Da competência digital e audiovisual à competência midiática: dimensões e indicadores. Lumina, 30 abr. 2017. v. 11, n. 1. Disponível em: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21416>. Acesso em: 23 jul. 2020.

BACCEGA, M. A. Comunicação/educação: apontamentos para discussão. Comunicação, Mídia e Consumo, 2004. v. 1, n. 2, p. 119–138. Disponível em: <http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/16>.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro (trads.)). Edições 70.

Costa, C., Tyner, K., Rosa, P. J., Sousa, C., & Henriques, S. (2018). Desenvolvimento e Validação da Escala de Literacia Mediática e Informacional para Alunos dos 2o e 3o Ciclos do Ensino Básico em Portugal. Revista Lusófona de Educação, 41(41), 11–28. Disponível em: https://doi.org/10.24140/issn.1645-7250.rle41.01

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Trad. de Rosisca Darcy De Oliveira. 7a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Heljakka, K., & Ihamäki, P. (2019). Robot dogs, interaction and ludic literacy: Exploring smart toy engagements in transgenerational play. Revista Lusofona de Educacao, 46(46), 153–169. Disponível em: https://doi.org/10.24140/issn.1645-7250.rle46.10

HUBER, G. L.; GÜRTLER, L. Aquad 7 Manual Del Programa Para Analizar Datos Cualitativos. [S.l.]: [s.n.], 2015. V. 2.

KAPLÚN, M. Una pedagogía de la comunicación. Madrid: Ediciones de la Torre, 1998.

MARTÍN-BARBERO, J. A comunicação na educação. Trad. de Maria Immacolata Vassallo De Lopes; Dafne Melo. São Paulo: Contexto, 2014.

PRIETO, R. G.; PAGNEZ, K. S. M. M.; GONZALEZ, R. K. Educação especial e inclusão escolar: tramas de uma política em implantação. Educação & Realidade, set. 2014. v. 39, n. 3, p. 725–743. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362014000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 23 jul. 2020.

Raimundo, J., Cardoso, P., Carvalhais, M., & Coelho, A. (2019). Aspects for cultivating creative literacy through play: An analysis on primary literature review and preliminary laboratorial work. Revista Lusofona de Educacao, 46(46), 99–116. Disponível em: https://doi.org/10.24140/issn.1645-7250.rle46.07

SOARES, I. De O. A educomunicação na América Latina: apontamentos para uma história em construção. In: APARICI, R. (Org.). Educomunicação: para além do 2.0. São Paulo: Paulinas, 2014a, p. 7–27.

______. Educomunicação: o conceito, o profissional, a aplicação: contribuições para a reforma do ensino médio. 3a ed. São Paulo: Paulinas, 2014b.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, set. 2005. v. 31, n. 3, p. 443–466.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

Carmo, A., & Galasso, B. B. (2023). Estratégias educomunicativas para a inclusão: Pesquisa-ação no Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas do Instituto Federal de Brasília (IFB). INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40), 386–404. https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6125