Educação matemática inclusiva

Thiago Donda Rodrigues

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir como os professores de Matemática podem corroborar com a Educação Inclusiva em suas aulas. Para isso, utiliza-se de dados obtidos em uma pesquisa de Mestrado da UNESP – Rio Claro/SP que aborda as práticas inclusivas observadas e analisadas em uma escola do projeto CIEJA – Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos – desenvolvido pela Secretaria de Educação da Cidade de São Paulo, que tem a Inclusão em seu projeto pedagógico como objetivo principal. Nesta pesquisa foram observados, por meio de um estudo etnográfico, professores que trabalham com a disciplina Matemática, e suas práticas foram analisadas dentro da perspectiva do Programa Etnomatemática. Com o entrelaçamento dessas observações, pode-se propor conceitos e práticas que, baseadas nas relações de respeito, solidariedade e cooperação, e, entendidas a partir da Ética Universal, suleiam os professores de Matemática ou não no que diz respeito à Educação Inclusiva. A intenção não é propor uma “receita” que inclua os alunos com necessidades educacionais especiais, mas sim alguns encaminhamentos para a prática inclusiva nas instituições de ensino.

 

Palavras-chave: ensino de matemática. prática inclusiva. professor.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26514/inter.v1i3.620

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES: SUMARIOS.ORG   LATINDEX   SEER/IBICT   REDIB   DIADORIM   GOOGLE ACADÊMICO  DOAJ  IRESIE   ELECTRONIC JOURNALS LIBRARY  LIVRE ACESSO ERIH PLUS 

Licença Creative Commons
Os trabalhos na Revista Interfaces da Educação está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.