O estágio obrigatório e o ensino remoto emergencial:

percepções de estudantes de Pedagogia

Visualizações: 31

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6224

Palavras-chave:

Estágio Obrigatório. Ensino Remoto Emergencial. Pedagogia.

Resumo

O presente estudo visa analisar as percepções de estudantes do sexto semestre de um curso de Pedagogia de uma instituição federal acerca do estágio obrigatório no formato de Ensino Remoto Emergencial oriundo do contexto da COVID-19. Para tanto, recorreremos aos registros elaborados pelos sujeitos e presentes nos trabalhos finais da disciplina. Os dados foram tabulados e comparados com a literatura da área, revelando que: o domínio da técnica, sem tomar como ponto de partida os problemas do cotidiano da sala de aula não pode ser uma rotina do docente; a prática educacional não é uma prática burocrática e que o ato de planejar não pode ser um processo de esfacelamento entre teoria e prática; a alternativa escolhida para a realização do estágio cumpriu a finalidade, diante do cenário pandêmico, aprofundar os conhecimentos de um conteúdo específico; a interação entre o professor e os alunos têm assumido um formato diferente daquele que ocorre no ambiente presencial, prejudicando consideravelmente a aprendizagem.

Biografia do Autor

SHEILA DENIZE GUIMARÃES BARBOSA, UFMS

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1998), Mestrado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2005) , Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2009). Professora da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Vinculada ao grupo de pesquisa MANCALA (Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente). Estuda questões ligadas à formação e prática docente dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Referências

AVELINO, W. F.; MENDES, J. G. A realidade da educação brasileira a partir da COVID-19. Boletim de Conjuntura, Boa Vista, v. 2, n. 5, p. 56-62, 2020. Disponível em: https://revista.ufrr.br/boca/article/view/AvelinoMendes/2892. Acesso em: 29 de março de 2021.

BRASIL. MEC. Portaria n.º 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus -COVID-19. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 22 de abril de 2020.

_____. Portaria n.º 345, de 19 de março de 2020. Altera a Portaria MEC n.º343, de 17 de março de 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-345-de-19-de-marco-de-2020-248881422. Acesso em: 22 de março 2020.

¬¬_____. Parecer CNE/CP n.º 5, de 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: DF, 2020. D.O.U. de 01/06/2020, Seção 1, Pág. 32. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/despacho-de-29-de-maio-de-2020-259412931. Acesso em: 31 de maio de 2020.

______. Parecer CNE/CP n.º 9/2020, de 8 de junho de 2020. Reexame do Parecer CNE/CP nº 5/2020, que tratou da reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=147041-pcp009-20&category_slug=junho-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 26 de julho 2020.

CANDAU, Vera Maria. A didática e a formação de educadores - da exaltação à negação: a busca da relevância. In: ______. A didática em questão. 33. ed Petrópolis: Vozes, 2012.

CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (CETIC.BR). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros : TIC Domicílios 2019. São Paulo: COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL (CGI.BR), 2020. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20201123121817/tic_dom_2019_livro_eletronico.pdf. Acesso em: 20 de janeiro de 2021.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e para o escrito: apresentação de um procedimento. In.: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. [Tradução e organização Roxane Rojo e Glais Sales Cordeiro] Campinas, SP : Mercado de Letras, 2004.

DOURADO, L. F; SIQUEIRA, R. M. Trabalho e formação de professores/as: retrocessos e perdas em tempos de pandemia. Retratos da Escola / Escola de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Esforce) – v. 14, n. 30, set./dez. 2020. – Brasília: CNTE, 2020. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/issue/view/40. Acesso em: 20 de janeiro de 2021.

GESTRADO. Trabalho docente em tempos de pandemia. Relatório Técnico. Belo Horizonte, 2020. Disponível em: https://gestrado.net.br/wp-content/uploads/2020/08/cnte_relatorio_da_pesquisa_covid_gestrado_v03.pdf. Acesso em 20 de janeiro de 2021.

INSTITUTO PENÍNSULA. Retratos da Educação no contexto da pandemia do coronavírus: um olhar sobre múltiplas desigualdades. Outubro de 2020. Disponível em: https://institutopeninsula.org.br/wp-content/uploads/2021/02/Retratos-da-Educacao-na-Pandemia_digital.pdf. Acesso em: 15 de março de 2021.

LEITE, Y. U. F. O lugar das práticas pedagógicas na formação inicial de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

LIBÂNEO, J. C. O ensino da Didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 562-583, set./dez. 2010.

LUCKESI, C. C. O papel da didática na formação do educador .In: CANDAU, V. M. (org.). A didática em questão. 33. ed. – Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

LUDKE, M. O desafio entre teoria e prática na formação de professores. Retratos da Escola / Escola de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Esforce) – v. 14, n. 30, set./dez. 2020. – Brasília: CNTE, 2020. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/issue/view/40. Acesso em: 20 de janeiro de 2021.

LUGLE, A. M. C; MAGALHÃES, C. O papel do estágio na formação do professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Eletrônica Pro-Docência/UEL. Edição Nº. 4, Vol. 1, jul-dez. 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/prodocenciafope/pages/arquivos/Volume4/TEXTO%2012%20-%20p.%20119%20a%20128.pdf. Acesso em: 19 de jan. 2021.

PIMENTA, S. G; LIMA, Maria. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2018.

PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. Estágios supervisionados e o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: duas faces da mesma moeda? Revista Brasileira Educação, Rio de Janeiro, v. 24, 2019 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782019000100200&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 29 de març. de 2021.

RONDINI, C. A.; PEDRO, K. M.; DUARTE, C. dos S. PANDEMIA DO COVID-19 E O ENSINO REMOTO EMERGENCIAL: MUDANÇAS NA PRÁXIS DOCENTE. Interfaces Científicas - Educação, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 41–57, 2020. DOI: 10.17564/2316-3828.2020v10n1p41-57. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/9085. Acesso em: 29 març. de 2021.

SOUZA, E. M de F; FERREIRA, L. G . Ensino remoto emergencial e o estágio supervisionado nos cursos de licenciatura no cenário da Pandemia COVID-19. Revista Tempos e Espaços em Educação, 13 (32), 2020.

UNDIME. Pesquisa Undime sobre volta às aulas. Disponível em: http://undime.org.br/uploads/documentos/phpb9nCNP_6048f0cf083f8.pdf. Acesso em: 29 abril de 2021.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia Pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda., 1998.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

GUIMARÃES BARBOSA, S. D. (2023). O estágio obrigatório e o ensino remoto emergencial: : percepções de estudantes de Pedagogia. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40). https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6224