Avaliação Formativa em Sessões de Tutoria na Graduação de Enfermagem

(Re) construindo um Instrumento Avaliativo.

Visualizações: 101

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6348

Palavras-chave:

Avaliação educacional, Educação em enfermagem, Autoavaliação, Avaliação formativa

Resumo

RESUMO:  Avaliação Formativa em Sessões de Tutoria na Graduação de Enfermagem: (re)construindo um Instrumento Avaliativo. O Curso de Enfermagem, ao assumir a proposta de ensino em metodologias ativas, realiza a avaliação formativa nas sessões tutoriais utilizando um instrumento avaliativo. Pensando no processo de avaliação como uma oportunidade para o aprendizado, partiu-se da necessidade de uma revisão e adequações do mesmo. Objetivos: Propor uma revisão do instrumento de avaliação formativa a partir das contribuições de alunos e docentes. Método: estudo exploratório, descritivo, qualitativo, realizado no Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde da PUC/SP. A coleta de dados foi realizada utilizando a técnica de grupo focal e os discursos foram submetidos a análise temática. Resultados: Participaram cinco tutores (71,42%) e três alunas (9,37%), um de cada período (segundo, terceiro e quarto anos). Identificaram-se que o instrumento deve ser preenchido no fechamento das tutorias, que os critérios de avaliação devem fazer parte do conteúdo e ser um veículo de comunicação para a realização do feedback apreciativo. Conclusão: Este estudo permitiu propor uma nova ficha de avaliação formativa, além de identificar a necessidade de investimento em desenvolvimento docente e no conhecimento do aluno no processo de avaliação formativa.

Biografia do Autor

Debora Cabral Nunes Polaz, Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP)

Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde.

Raquel Aparecida de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP)

Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde.

Referências

ALMEIDA L.S., TAVARES J. Conhecer, aprender e avaliar. Porto: Porto Editora; 1998.

ALVES M.P., MACHADO E.A., organizadores. Avaliação com sentido(s): contributos e questionamentos. Santo Tirso: De Facto Editores; 2008.

BERBEL N.A.N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semin Ciênc Soc Hum. 2011;32(1):25-40.

BORGES M.C., MIRANDA C.H., SANTANA R.C., BOLLELA V. R. Avaliação formativa e aprendizado na saúde. Medicina (Ribeirão Preto).2014;47(3):324-31.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional [Internet]. 2001 [acesso em 06 nov. 2016]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm

CAVALCANTE R.B., CALIXTO P., PINHEIRO M.M.K. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf Soc. 2014;24(1):13-8.

CURET M.J., MENNIN S.P. The effect of long term vs short term tutors on the quality of the tutorial process and student performance. Adv Health SciEduc. 2003;8(2):117-26.

DODDS A.E., OSMOND R.H., ELLIOT S.L. Assessment in problem based learning: the role of the tutor. Ann Acad Med Singapore. 2001;30(4):366-70.

EVA K.W. Assessing tutorial-based assessment.Adv Health SciEduc Theory Pract. 2001;6(3):243-57.

FERNANDES D. Para uma teoria da avaliação formativa. Rev Port Educ. 2006;19:21-50.

FRIEDRICH D.B.C., GONÇALVES A.M.C., SÁ T.S., SANGLAND L.R., DUQUE D.R., OLIVEIRA G.M.A.O portfólio como avaliação: análise de sua utilização na graduação de enfermagem. Rev Latino- AmEnferm [Internet]. 2010 [acesso em 06 nov. 2016];18(6):[8 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n6/pt_12.pdf

FUSARO K, SILVA F.D.A.S. Algumas reflexões sobre tipos de avaliação e instrumentos avaliativos. Partes [Internet]. 2013 [acesso em 06 nov. 2016]. Disponível em: http://www.partes.com.br/2013/07/11/algumas-reflexoes-sobre-tipos-de-avaliacao-e-instrumentos-avaliativos/#.wequp9irliw

HERNANDEZ F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho.Porto Alegre: Artmed;2000.

MENDES O.M. Avaliação formativa no ensino superior: reflexões e alternativas possíveis. In: Veiga IPA, Naves MLP, organizadores. Currículo e avaliação na educação superior. Araraquara: Junqueira & Marin; 2005.

OLIVEIRA V.T.D., BATISTA N.A. Avaliação formativa em sessão tutorial: concepções e dificuldades. Rev Bras Educ Méd. 2012;36(3):374-80.

PAPINCZAK T., YOUNG L., GROVES M., HAYNES M. An analysis of peer, self, and tutor assessment in problem-based learning tutorials. Med Teacher. 2007;29(5):122-32.

PERRENOUD P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed Editora;1999.

PERRENOUD P. Dez novas competências para ensinar. Ramos PC, tradutora. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.

POLAZ D.C.N., OLIVEIRA R.A. Práticas de avaliação formativa em metodologias ativas para a formação em saúde [trabalho final]. Sorocaba: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestrado Profissional em Educação nas Profissões da Saúde. No prelo RUSHTON A. Formative assessment: a key to deep learning? Med Teach. 2005;27:509-13.

SILVA R.H.A., SCAPIN L.T. Utilização da avaliação formativa para a implementação da problematização como método ativo de ensino-aprendizagem. Est Aval Educ. 2011; 22(50):537-52.

SULLIVAN M.E., HITCHCOCK M.A., DUNNINGTON G.L. Peer and self assessment during problem-based tutorials. Am J Surg. 1999; 111(3):266-9.

ZANON D. P., ALTHAUS M.M. Instrumentos de avaliação na prática pedagógica universitária. In: Colóquio de Didática UEPG. Ponta Grossa: UEPG; 2008.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

Polaz, D. C. N., & Oliveira, R. A. de. (2023). Avaliação Formativa em Sessões de Tutoria na Graduação de Enfermagem: (Re) construindo um Instrumento Avaliativo. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40), 405–423. https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6348