Práticas e processos educativos nos modos de existência e resistência da população negra na cidade de Campinas-SP

Visualizações: 106

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6639

Palavras-chave:

Educação, Negritude, Educação não formal, História oral

Resumo

Neste artigo o objetivo é apresentar e analisar os processos e práticas educativas fora da escola, no campo da educação não formal e informal, como modos de existência e resistência da população negra campineira. A metodologia é de abordagem qualitativa, descritiva e analítica e faz uso da História Oral. A técnica de construção de dados é a entrevista com roteiro semi-estruturado com 4 moradores/as negros/as e velhos da cidade de Campinas-SP. As narrativas mostram que, ao lado da educação formal, a educação não formal aparece nas menções dos entrevistados às suas experiências e vivências marcadamente fora do âmbito escolar, em que se misturam, educação, arte, cultura, política, militância e engajamento da população negra campineira. São entendidos, então, como modos de resistência ao instituído e de ações contra hegemônicas ao poder imposto pelo Estado, em suas leis e pela sociedade, no cotidiano.

Biografia do Autor

Rogério Donizetti Bueno

graduação em Educação Física pela Faculdade Integrada Metropolitana de Campinas, especialização em História e Cultura Afrobrasileira pelo Centro Universitário Salesiano São Paulo - UNISAL, mestrado em Educação pelo Centro Universitário Salesiano São Paulo - UNISAL, doutorando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor de capoeira.

RENATA SIEIRO FERNANDES

graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas (1993), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1998), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2005) e pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2016). Membro do grupo Educação, Linguagem e Práticas Culturais - PHALA/UNICAMP.

Referências

BRASIL. Decreto nº 7.247, de 19 de Abril de 1879. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-7247-19-abril- 1879-547933-publicacaooriginal-62862-pe.html>. Acesso em 09 nov. 2020.

BRASIL. Decreto-lei Nº 4.244 - De 9 de abril de 1942. Lei orgânica do ensino secundário. Disponível em: <http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/fontes_escritas/5_Gov_Vargas/d ecreto-lei%204.244-1942%20reforma%20capanemaensino%20secund%E1rio.htm>. Acesso em: 09 nov. 2020.

CANÁRIO, R. Aprender sem ser ensinado: a importância estratégica da educação não formal. In: LIMA, L. C.; PACHECO, J. A.; ESTEVES, M.; CANÁRIO, R. A educação em Portugal (1986-2006) – alguns contributos de investigação. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 2006, p.159.

CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DOMINGUES, P. Um "templo de luz": Frente Negra Brasileira (1931-1937) e a questão da educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, p. 517 -534, dez. 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FERNANDES, R. S. Abordagens teórico-metodológicas nas pesquisas em educação não formal. Holambra, São Paulo: Setembro, 2017.

FERNANDES, R. S. Educação não formal, projetos e o exercício da formação: por uma educação sem bússolas. In: AIDAR, G.; CHIOVATTO, M.; AMARO, D. R. (coord). Entre a ação cultural e a social: museu e educadores em formação. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2016.

GHANEM, E. Educação formal e não-formal: do sistema escolar ao sistema educacional. In: TRILLA, J.; GHANEM, E.; ARANTES, V. (org.). Educação formal e não-formal. São Paulo: Summus, 2008, p. 59-87.

GONÇALVES, L. A. O.; SILVA, P. B. G. E. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, no. 6, p. 134-158, 2000.

JACCOUD, L. O combate ao racismo e à desigualdade: o desafio das políticas públicas de promoção da igualdade racial. In: THEODORO, M. As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA, 2008.

KARASCH, M. C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). São Paulo: Companhia das Letras. 2000.

LAPA, J. R. do A. A cidade: os cantos e os antros: Campinas, 1850-1900. São Paulo: USP, 2008.

MONTENEGRO, A. T. História oral e memória. 5ªed. São Paulo: Contexto, 2003.

PEREIRA, A. A. O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas/ FAPERJ, 2013.

TRILLA, J. La educación fuera de la escuela: ámbitos no formales y educación social. Barcelona: Editorial Ariel, 1996.

THEODORO, M. (org.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA, 2008.

WHITAKER, D. C. A. Análise de entrevistas em pesquisas com histórias de vida. Cadernos CERU. São Paulo, v.2, no. 11, p. 147-158, 2000.

WHITAKER, D.C.A.; DANTAS, A.; ANDRADE, E. A.; et al. A transcrição da fala do homem rural: fidelidade ou caricatura? In: WHITAKER, D. C. A. Sociologia rural: questões metodológicas emergentes. São Paulo: Letras à Margem, 2002, p. 115-120.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

Donizetti Bueno, R., & SIEIRO FERNANDES, R. (2023). Práticas e processos educativos nos modos de existência e resistência da população negra na cidade de Campinas-SP. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40), 505–524. https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.6639