Buscando a escola dos sonhos dos Boe Bororo de Tadarimana:

A investigação comunicativa crítica como instrumento de luta

Visualizações: 28

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7610

Palavras-chave:

Boe Bororo, Educação indígena, Escola indígena, Educação Boe

Resumo

A temática da educação escolar indígena vem sendo estudada há bastante tempo, porém ainda continua sem a devida atenção por parte de gestores públicos e políticos. Por vezes, a diversidade indígena ainda é tratada com um viés positivista, cuja finalidade é a integração aos padrões eurocêntricos, ou simplesmente percebida como uma diferenciação na qual os aspectos culturais devem permanecer estáticos. Como o processo de escolarização indígena no Brasil teve como tendência a padronização de currículos e práticas, a problemática desta investigação se orienta pela seguinte questão-problema: Qual é a escola sonhada pela comunidade escolar Boe? Neste sentido, a Metodologia de Investigação Comunicativa Crítica foi o aparato a ser utilizado no trabalho, já que pressupõe uma escolha política, contrária à noção de neutralidade científica e comprometida com as lutas de grupos marginalizados. Foi constatado na pesquisa, em oposição à escola da sociedade envolvente que tem supervalorizado índices e resultados individuais, o desejo da comunidade escolar de Tadarimana por uma concepção de escola mais comunitária, com bases ancestrais, sem abrir mão da formação de jovens com boas condições de se tornarem profissionais capacitados para defender a comunidade diante do não indígena.

Biografia do Autor

André Guilherme Brandão dos Santos, Universidade Federal de Rondonópolis

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Rondonópolis.

Eglen Silvia Pipi Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso

É professora associada da Universidade Federal de Rondonópolis, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) na linha de pesquisa em Formação de Professores e Políticas Públicas Educacionais. Coordena o Grupo de Estudos em Aprendizagem Dialógica e também é membro dos grupos de pesquisa: Corpo, Educação e Cultura (COEDUC, UFMT). É pós-doutora em Educação (UFSCar/SP) e possui graduação em Pedagogia, mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar/SP), com estágio realizado na Espanha (Barcelona/ESPN), no CREA (União Europeia) - Community of research on excelence for all.

Referências

AUBERT, A. et al. Aprendizagem dialógica na sociedade da informação. São Carlos: EDUFSCar, 2020.

BANIWA, G. J. DOS S. L. Os dilemas da educação escolar indígena no Alto Rio Negro. Doutorado em Antropologia—Brasília: Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educação & Sociedade, v. 33, n. 118, p. 235–250, mar. 2012.

COELHO, M. C. A CONSTRUÇÃO DE UMA LEI: O DIRETÓRIO DOS ÍNDIOS -. IHGB- Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 437, p. 29–48, 2007.

DELUCI, L. A. S. M. Ti’a roptsimani’õ: os A’uwẽ Marãiwatsédé tecem saberes para a construção de uma proposta curricular intercultural. Dissertação (Desenvolvimento Sustentável)—Brasília: [s.n.].

FANON, F. Os condenados da Terra. [s.l.] Civilização Brasileira, 1968.

FREIRE, J. R. B. Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. Em: CARVALHO, F. L. DE (Ed.). Educação Escolar Indígena em Terra Brasilis. Rio de Janeiro: Ibase, 2004. v. 1p. 11–32.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. 16. ed. [s.l.] Paz e Terra, 2009.

GABASSA, V. Comunidades de aprendizagem: A construção da dialogicidade na sala de aula. Tese (Doutorado em Educação)— SÃOCARLOS: Universidade Federal de São Carlos, 2009.

GIROUX, H. Os professores como intelectuais- Rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. [s.l.] Artes Médicas, 1997.

GRUPIONI, L. D. B. Olhar longe, porque o futuro é longe - cultura, escola e professores indígenas no Brasil. Doutorado em Antropologia Social—São Paulo: Universidade de São Paulo, 23 abr. 2009.

ISAAC, P. A. M. Drama da educação escolar indígena Bóe-Bororo. [s.l.] Ed UFMT, 2004.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Organização de Sergio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Coordenação de Kaká Werá. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LATORRE, A.; GÓMEZ, A.; ENGEL, L. Metodologia comunicativa crítica, transformació i inclusió social. Temps d’Educació, n. 38, p. 14, 2010.

MELLO, R. DE. Metodologia de investigação comunicativa: contribuições para a pesquisa educacional na construção de uma escola com e para todas e todos. 29a. Reunião da ANPED, p. 1–17, 2006.

MILLS, C. W. A Imaginação Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

MUBARAC SOBRINHO, R. S. M.; SOUZA, A. S. D. DE; BETIOL, C. A. A educação escolar indígena no Brasil: Uma análise crítica a partir da conjuntura dos 20 anos de LDB. Poiésis - Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, v. 11, n. 19, p. 58–75, 31 jul. 2017.

RIBEIRO, B. G. O índio na história do Brasil. 3. ed. São Paulo: Global Ed., 1986.

RODRIGUES, E. S. P. Grupos Interativos: uma proposta educativa. Tese (Doutorado em Educação)—São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2010.

SANTOS, B. DE S. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

WALSH, C.; CANDAU, V. M. Interculturalidade Crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. Em: Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. [s.l: s.n.]. p. 12–42.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Brandão dos Santos, A. G., & Pipi Rodrigues, E. S. (2024). Buscando a escola dos sonhos dos Boe Bororo de Tadarimana:: A investigação comunicativa crítica como instrumento de luta. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7610

Edição

Seção

Artigos Temáticos