A contribuição de Paulo Freire para uma educação decolonial em assentamentos da reforma agrária

Visualizações: 50

Autores

  • Elisangela Santos de Amorim UFMA

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7627

Palavras-chave:

Decolonial, Paulo Freire, Assentamento da Reforma Agrária

Resumo

Este artigo aborda a contribuição do pensamento de Paulo Freire para uma educação contra hegemônica, decolonial, partindo das influências de outros pensadores latino-americanos que perpassaram por suas obras. Tem como objetivo analisar sua contribuição para uma educação popular, do campo e mais especificamente dos assentamentos da Reforma agrária, pautada num viés emancipatório e que rompa com a matriz colonial de poder. Aborda ainda, a constituição dos assentamentos da Reforma agrária no Brasil e o processo de institucionalização da Educação nesses territórios, demarcando um novo momento na história da educação desse pais. A pesquisa se caracteriza por ser qualitativa e interdisciplinar e fundamentou-se na perspectiva histórica. Os resultados evidenciam que a contribuição e Paulo Freire na formação inicial das/dos professoras/es traz uma concepção emancipatória da educação, mas que embora suas ações sejam motivadas por um viés emancipatório, dado pelos movimentos sociais, algumas reproduzem em suas práticas a lógica da matriz colonial do poder.

Referências

AMORIM, Elisângela Santos de. Trajetória educacional de mulheres em assentamentos da reforma agrária na região Tocantina-MA. Florianopólis: Mulheres; São Luís: Edufma, 2009.

AMORIM, Elisângela Santos. Trajetória educacional de mulheres em assentamentos de Reforma Agrária na região Tocantina – MA. 2007. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2007.

ARAÚJO, Sônia Maria da Silva. Educação do campo no Brasil: um discurso para além do pós-colonial? Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Manizales, v. 8, n. 1, p. 221-242, ene./jun. 2010.

ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

BORDA, Fals Orlando. Acción comunal: una vereda colombiana. Bogotá: Universidad Nacional, 1959.

______. El problema de cómo investigar la realidad para transformarla. Bogotá, 1978. Disponível em: <http://pridena.ucr.ac.cr/binarios/pela/pl-000411.pdf>. Acesso em: 10 maio CARVALHO, Horácio Martins de. Interação social e as possibilidades de coesão e de identidade sociais no cotidiano da vida social dos trabalhadores rurais nas áreas oficiais de reforma agrária no Brasil. Curitiba: NEAD, 1999.

CAVALCANTE, Ludmila Oliveira Holanda; BATISTA, Maria do Socorro Xavier. A produção e a socialização da pesquisa sobre educação do campo a partir dos Encontros de Pesquisa e Pós Graduação do Norte e Nordeste: periodo 2007-2011. In: GOMES, Alfredo Macedo; LEAL, Telma Ferraz (Org.). Pesquisas em educação nas regiões norte e nordeste: balanço e perspectivas. Recife: Editora da UFPE, 2014. v. 1. p. 83-109

CALDART, Roseli Salete. Elementos para a construção de um projeto político e pedagógico da Educação do Campo. In: MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Contribuição para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: MDA, 2004.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Conflitualidade e desenvolvimento territorial. In: BUAINAIN, Antônio Márcio (Org.). Luta pela terra: reforma agrária e gestão de conflitos no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

______. Construindo um estilo de pensamento na questão agrária: o debate paradigmático e o conhecimento geográfico. Presidente Prudente: [s.n], 2013.

______. Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais. Revista Nera, ano 8, n. 6, p. 24-34, jan./jun. 2005.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Ianeiro: Paz e Terra, 1967.

______. Pedagogia do oprimido. Porto: Afrontarnento, 1970.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010.

______. Estado da população. Anuário Estatístico do Brasil, Rio de Janeiro, ano 11, p. 23, 1951. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/20/aeb_1950.pdf>. Acesso em: 10 set. 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Hay que reinventar la universidad como tenemos que reinventar las ciencias sociales. Gaceta, México, n. 91/93, jul./set. 2005. Disponível em: <http://www.uv.mx/gaceta/Gaceta91/91/mar/Mar2.htm>. Acesso em: 15 set. 2016.

______. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, São Paulo, n. 79, p. 71-94, 2007.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Santos de Amorim, E. (2024). A contribuição de Paulo Freire para uma educação decolonial em assentamentos da reforma agrária. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7627

Edição

Seção

Artigos Temáticos