A escola estadual indígena Guilhermina da SilvA-MS

Visualizações: 20

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7631

Palavras-chave:

Educação escolar indígena, Escola estadual, História da educação, Instituição escolar indígena

Resumo

Este artigo tem como objeto o registro historiográfico da Escola Estadual Indígena Guilhermina da Silva, localizada na aldeia Aldeinha, município de Anastácio – Mato Grosso do Sul. Para tanto, o objetivo do trabalho é analisar a constituição histórica da referida escola existente no território etnoeducacional Povos do Pantanal, como forma de apreender as relações interculturais, econômicas e sociais vividas pelos indígenas nessa instituição escolar. A fim de alcançar o objetivo pretendido, a metodologia utilizada foi qualitativa, com fontes documentais e entrevistas semiestruturadas temáticas. Os dados foram analisados à luz de autores da História, da Antropologia e da Educação. Os resultados desse registro historiográfico apontam que a história da escola se confunde com a história da comunidade e se constituiu como ponto referencial das tomadas de decisões, em que as disputas de poder são evidenciadas. Concluímos que nosso registro historiográfico da escola contribui para a compreensão de uma instituição que traz a história da própria comunidade.

Biografia do Autor

Kátia Cristina Nascimento Figueira, UEMS

Possui graduação em História - Faculdades Unidas Católicas de Mato Grosso (1987), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1997), doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2011) e pós-doutorado em Educação também na UFSCar (2020) . Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul nos cursos de graduação em Pedagogia e pós-graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação. 

Referências

ACÇOLINI, Graziele. Terena adoção de um novo mito. 1996. 97 f. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1996.

ACÇOLINI, Graziele. Protestantismo a moda terena. Dourados: Ed. UFGD, 2005.

ACÇOLINI, Graziele.; MOURA, Noêmia. Os Terena em Mato Grosso do Sul. In: CHAMORRO, Graciela.; COMBES, Isabelle. (Org.). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações sociais. Dourados: UFGD, 2015, p. 249-266.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos interculturais, São Paulo, v. 46, n. 161, p. 802-820, jul. – set. 2016.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. O ensino de história para as populações indígenas. Em aberto, Brasília, ano 14, n. 63, jul-set. 1994.

BITTENCOURT, Circe Maria; LADEIRA, Maria Elisa. A história do povo Terena. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Decreto nº. 6861, de 27 de maio de 2009. Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Censo demográfico 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CEB 5/2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de junho de 2012, Seção 1, p. 7. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pet/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/18692-educacao-indigena. Acesso em: 15 ago. 2019.

BRASIL. Encarte Censo Indígena 02B. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2013/img/12-Dez/encarte_censo_indigena_02%20B.pdf . Acesso em 2 abr. 2020.

CAMPOS, Milton; CAMPOS, Nilton. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 26 out. 2019. Áudio MP4 Tamanho 54.521 KB Celular Samsung - 57:06

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos interculturais, São Paulo, v. 46, n. 161, p. 802-820, jul. – set. 2016.

CORRÊA, Valmir Batista. Coronéis e bandidos em Mato Grosso: 1889-1943. 1981. 2. ed. Campo Grande: Ed. da UFMS, 2005.

CORREIA, Jessé Joel Nimbú. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 25 out. 2019 por e-mail.

ESCOLA ESTADUAL INDÍGENA GUILHERMINA DA SILVA. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Anastácio: Escola Estadual Indígena Guilhermina da Silva, 2017.

FRANCO, Patrik Thames. O Terena, seus antropólogos e seus outros. 2011. 70 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília (Programa de Pós-graduação em Antropologia), Brasília, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

FUNAI. O Brasil indígena. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2013/img/12-Dez/pdf-brasil-ind.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

LEITE, Eudes Fernando. Aquidauana: a baioneta, a toga e autopia nos entremeios de uma pretensa revolução. Dourados: Editora UFGD, 2009.

MALHEIROS, Nely de Souza. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 26 out. 2019. Áudio MP4 Tamanho 70.758 KB Celular Samsung - 1:14:06.

MARTINS, Cosme Romero. Fonologia da língua terena. 2009. 85 f. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Filologia e Língua Portuguesa) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MARTINS, Flávio Pereira. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 22 set. 2018. Áudio MP4 Tamanho 30.669KB Celular Samsung - 40:29.

MATILDE, José Félix. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 31 ago. 2019. Áudio MP4, Tamanho 36. 755KB, Celular Samsung - 38:29.

MATO GROSSO. Lei 11.64, de 20 de novembro de 1958. Cria no município de Aquidauana os distritos de Paz de Anastácio, Camisão, Piraputanga e Cipolândia. Disponível em: http://www.al.mt.gov.br/storage/webdisco/leis/lei-1164-1958.pdf. Acesso em: 02 abr. 2020.

MATO GROSSO. Lei 2143, de 18 mar. 1964. Cria o município de Anastácio, desmembrado do de Aquidauana. Disponível em: http://www.al.mt.gov.br/storage/webdisco/leis/lei-2143-1964.pdf. Acesso em: 02 abr. 2020.

MOURA, Noemia dos Santos Pereira. UNIEDAS: o símbolo da apropriação do protestantismo norte-americano pelos Terena. 2001. 136 f. Dissertação (Programa de Pós-graduação em História) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2001.

MOURA, Noemia dos Santos Pereira. O processo de terenização do cristianismo na terra indígena Taunay/Ipegue no século XX. 2009. 306 f. Tese (Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Preliminares de uma pesquisa sobre a assimilação dos terena. Rio de Janeiro: Museu do índio; Serviço de proteção ao índio, 1956. Disponível em: www.journals.usp.br › article › download. Acesso em: 10 ago. 2018.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Urbanização e tribalismo: A integração dos índios Terena numa sociedade de classes. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

ORTIZ, Dóris Paula. Entrevista cedida a Kátia Cristina Nascimento Figueira. Aldeia Aldeinha, Anastácio, MS, dia 01 jun. 2019. Áudio MP4, Tamanho 58.569 KB Celular Samsung - 1:01:20

PEREIRA, Levi Marques. Os Terena de Buriti: formas organizacionais, territorialização e representação da identidade étnica. Dourados: Editora da UFGD, 2009.

PIRES, Edmundo. A história de aldeinha no município de Anastácio Mato Grosso do Sul e sua inserção no processo de territorialização terena (1932-2014). 2015. 108 p. Dissertação (Programa de Pós-Graduação stricto sensu em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2015..

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SOUZA, Sandra Cristina de. Aldeinha: mas onde é mesmo a aldeia? Organização social e territorialidade. 2009. 143 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

VARGAS, Vera Lúcia Ferreira. A construção do território terena (1870-1966): uma sociedade entre a imposição e a opção. Dissertação. 2003. 165f. (Programa de Pós-graduação em História) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Dourados, 2003.

SEEGER, Anthony; CASTRO, Eduardo B. Viveiros de. Terra e territórios indígenas no Brasil. Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, v. 12, p. 101-109, jun. 1979.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Nascimento Figueira, K. C. (2024). A escola estadual indígena Guilhermina da SilvA-MS. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7631

Edição

Seção

Artigos Temáticos