O LUGAR DE NELSON WERNECK SODRÉ NO DEBATE DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA

Autores

Resumo

O artigo objetiva demonstrar a produtividade literária e cultural do livro Introdução à revolução brasileira de Nelson Werneck Sodré, apresentando os contextos intelectuais ligados a essa historiografia. Sugiro que, ao desenterrar a categoria revolução brasileira, o escritor inovou ao desestabilizar as estruturas discursivas e semânticas vigentes no discurso político e no idioma do Partido Comunista Brasileiro em torno da revolução, com isso, provocou um conjunto de reações, de reapropriações e de críticas.

Biografia do Autor

Ricardo Ramos Shiota, UEMS (Paranaíba)

Possui doutorado em Sociologia pela Unicamp e pós-doutorado em sociologia política pela UENF. Professor celetista na UEMS (Paranaíba)

Referências

AFONSO, Ruy. A primeira revolução social brasileira (1798). São Paulo; Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1942.

ALONSO, Angela; ESPADA, Heloisa (Orgs.). Conflitos. Fotografia e violência política no Brasil, 1889-1964. Rio de Janeiro: Instituo Moreira Sales, 2017.

AMARAL, Ignacio. Manuel de Azevedo. Ensaio sobre a revolução brasileira: 1931-1934 (contribuição para o estudo dos problemas da brasilidade) Rio de Janeiro, 1963.

BANDEIRA, Moniz. O caminho da revolução brasileira. Rio de janeiro: Editora Melso, 1962.

BASTOS, Élide Rugai. Gilberto Freyre e as ciências sociais no Brasil. Estudos de Sociologia, I, (I), 1995, 63-72.

BLACKEY, Robert. Revolutions and revolutionists: a comprehensive guide to the literature. EUA:ABC-CLIO, 1982.

CARONE, Edgar. O PCB. Volume II. 1946-1964. São Paulo: Difel, 1982.

FURTADO, Celso. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1962.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil (sua história). São Paulo: T. A. Queiroz; EDUSP, 1985.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1936.

______. Raízes do Brasil. 7. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1973.

HADDAD, Jamil Amansur. Revolução cubana e revolução brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1961.

IANNI, Octávio. O colapso do populismo no Brasil. 2ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

______. Sociologia da sociologia: o pensamento sociológico brasileiro. 3. ed. São Paulo: Ática, 1989.

JASMIN, Marcelo Gantus. História dos conceitos e teoria política e social: referências preliminares. Rev. bras. Ci. Soc. vol.20, n.57, 2005, pp.27-38.

JOBIM, Danton. A experiência Roosevelt e a revolução brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1940.

JUNIOR, Diniz. Uma etapa da revolução brasileira. Rio de Janeiro: Dnp,1938.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro, Ed. Contraponto, 2006.

______. Historias de conceptos. Estúdios sobre la semántica y pragmática del lenguaje político y social: Madrid, 2012.

MARCUSE, Herbert. Negations. Essays in Critical Theory. Californi: May Fly: 1968.

MELLO, Custódio José. O Governo Provisório e a Revolução de 1893. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

MORAIS, Pessoa. Sociologia da revolução brasileira: análise e interpretação do Brasil de hoje. Rio de Janeiro: Leitura, 1965.

WAGLEY, Charles. A revolução brasileira. Uma análise da mudança social desde 1930. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1959.

OLIVEIRA, Franklin de. Que é a revolução brasileira? Cadernos do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

PERI, Marcos. Perspectivas da revolução brasileira. São Paulo : Autores Reunidos, 1962.

POCOCK, J. G. A. Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003.

PRADO-JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1957.

______. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1966.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A crise do poder no Brasil: problemas da revolução nacional brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1961.

______. Mito e verdade sobre a revolução brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963.

RAMOS, Alexandre Pinheiro. Uma “revolução necessária”: o conceito de revolução nos textos dos intelectuais da Ação Integralista Brasileira (1932-1937). Dimensões, Vitória, vol. 26, 2011.

SANTOS, Amilcar Salgado dos. A revolução brasileira na Amazônia: notas para a história da Amazônia. São Paulo: [s.n.], 1931.

SANTOS Jr., Theotonio. Quais são os inimigos do povo? Cadernos do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

SEGATTO, José Antônio. Introdução à revolução brasileira. SILVA, Marcos. Dicionário Crítico Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: Editora URFRJ, 2008

SILVEIRA, Urias Antônio da. Galeria histórica da revolução brasileira de 15 de novembro de 1889: que ocasionou a fundação da Republica dos Estados-Unidos do Brazil. Rio de Janeiro. Typographia Universal de Laemmert, 1890.

SHIOTA, Ricardo Ramos. Brasil: terra da contrarrevolução. Revolução brasileira e classes dominantes no pensamento político e sociológico. Curitiba: Appris, 2018.

______. Gilberto Freyre e a revolução brasileira. REBELA, v.7, n.3. set/dez. 2017a. p. 453-471.

______. Vaticínios sobre o Golpe de 1964 no pensamento político e social brasileiro. Em Tese. V.14, n.1, jan/jun, 2017b. p. 99-120.

SODRÉ, Nelson Werneck. Introdução á revolução brasileira. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1958.

______. Quem é o povo no Brasil?, Cadernos do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

______. Introdução à revolução brasileira.2 ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1963.

SPALDING, Walter. A Revolução Farroupilha. São Paulo; Rio de Janeiro: Nacional, 1939.

SZTOMPKA, Piotr. A sociologia da mudança social: Rio de Janeiro, 1998.

TÁVORA, Juarez. Á guisa de depoimento sobre a revolução brasileira de 1924 – 1 vol. São Paulo: O combate, 1927.

_____. Uma vida e muitas lutas. A caminhada no altiplano. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1974.

VIEIRA-PINTO, Álvaro. Consciência e realidade nacional. A consciência ingênua. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1960a.

_______. Consciência e realidade nacional. A consciência crítica. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1960b.

VINHAS, Moisés. Operários e camponeses na revolução brasileira. São Paulo: Editora Fulgor, 1963.

Downloads

Publicado

18/08/2021

Como Citar

Shiota, R. R. (2021). O LUGAR DE NELSON WERNECK SODRÉ NO DEBATE DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UEMS, 1(1), 100–119. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/rcs/article/view/6283