AÇÃO E INTENÇÃO NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA: UM ESTUDO COMPARATIVO DOS CONCEITOS DE HABITUS E CONSCIÊNCIA PRÁTICA DE PIERRE BOURDIEU E ANTHONY GIDDENS

Autores

Resumo

Pierre Bourdieu e Anthony Giddens despontam como um par de opostos da sociologia contemporânea. Apesar do tom do debate contemporâneo que enfatiza as dissidências, Bourdieu e Giddens dão respostas diferentes a questões que instigavam igualmente aos dois autores como a questão da ação e da intencionalidade. Embora os autores tenham construído suas teorias com pressupostos teóricos distintos, seus conceitos de "consciência prática" e habitus têm afinidades comparáveis. Por meio de um procedimento de crítica comparativa, esse artigo tem o objetivo de aproximar analiticamente os conceitos de “habitus” e “consciência prática” na obra desses dois teóricos da sociologia contemporânea. Argumento que, no plano teórico, em especial, na distribuição da ação e da intencionalidade entre indivíduo e sociedade, Bourdieu e Giddens divergem frontalmente, mas se aproximam nas recomendações metodológicas de controle racional e de reflexividade da pesquisa sociológica.

Biografia do Autor

Jean Carlos Gomes Camargo, Universidade de Brasília (UNB), Brasil

Doutorando em Sociologia na UnB, onde desenvolve a pesquisa "Por baixo do radar da lei: um estudo sobre mudança social, tensões, conflitos e ilegalismos no Médio Xingu Amazônico (PA). Cursou o Mestrado em Sociologia nessa mesma instituição na qual defendeu uma dissertação na sociologia urbana intitulada "Os Medos e os Processos de Segregação Sócio-espacial na cidade de Brasília". Tem especialização em Política e Planejamento Urbano pelo IPPUR da UFRJ e graduação em Ciências Sociais pela UFG.

Referências

ALEXANDER, J. C. O novo movimento teórico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 2, jun 1987. Disponivel em: <https://www.anpocs.com/index.php/publicacoes-sp-2056165036/rbcs/233-rbcs-04>. Acesso em: 30 jul 2021. Texto apresentado no X Encontro Anual da ANPOCS, realizado em out. 1986, em Campos do Jordão, SP.

_____________. A importância dos Clássicos. In: GIDDENS, A.; TURNER, J.; (ORGS.) Teoria social hoje. São Paulo: Editora UNESP, 1999. p. 23-89.

BENDER, M.; COELHO, G. B. Anthony Giddens e Pierre Bourdieu: é possível falar em pós-estruturalismo? Interfaces Científicas - Humanas e Sociais, Aracaju, 7, jun 2018. 59-70.

BORTOLUCI, H. J.; JACKSON, C. L.; PINHEIRO FILHO, F. A. Contemporâneo Clássico: a recepção de Pierre Bourdieu no Brasil. Lua Nova, São Paulo, 2015. 217-254.

BOURDIEU, P. A Distinção: Crítica social do julgamento. São Paulo, Porto Alegre: Edusp, Zouk, 2007.

FARRALL, S. Where have all the people gone? Theories of structuration, practice and agency. Building Complex Temporal Explanations of Crime. Critical Criminological Perspectives, Cham, Switzerland, 20 may 2021. 89-109. Disponivel em: <https://doi.org/10.1007/978-3-030-74830-2_6>. Acesso em: 05 ago 2021.

FREUD, S. O Futuro de uma Ilusão. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1974.

GIDDENS, A. A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

NEUBERT, L. F. Bourdieu, Giddens e Elias: a superação do dilema micro/macro. Teoria e Cultura. Programa de pós-graduação em ciências sociais - UFJF, Juiz de Fora, MG, 13, Dez 2018.

PETERS, G. M. Percursos na teoria das práticas sociais: Anthony Giddens e Pierre Bourdieu. Brasília: Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília (Dissertação de mestrado), 2006.

_____________. A virada praxiológica. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, 15 dez 2020, p. 167-188.

SAUL, R. P. Giddens: da ontologia social ao programa político, sem retorno. Sociologias (Dossiê Teoria Sociológica), Porto Alegre, jan-jun 2003, p. 142-173.

WACQUANT, L. Esclarecer o Habitus. In: WACQUANT, L. Sociologia, problemas e práticas. Lisboa: [s.n.], 2004.

Downloads

Publicado

18/08/2021

Como Citar

Camargo, J. C. G. (2021). AÇÃO E INTENÇÃO NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA: UM ESTUDO COMPARATIVO DOS CONCEITOS DE HABITUS E CONSCIÊNCIA PRÁTICA DE PIERRE BOURDIEU E ANTHONY GIDDENS. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UEMS, 1(1), 61–80. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/rcs/article/view/6487