“A Selva” (1930) de Ferreira de Castro: caracterizações do povo do seringal pelo viés literário.

Iliane Tecchio, Airton de Mesquita Silva

Resumo


Este artigo apresenta um estudo de caráter qualitativo acerca do romance A Selva (1930) do escritor português Ferreira de Castro (1898-1974). Tem-se como objetivo destacar as caracterizações do caboclo, do índio e do seringalista sob o ponto de vista do texto, a fim de, por meio da obra, refletir sobre a construção cultural desse público habitante da região norte do Brasil. A literatura, mesmo sendo criação, algo de verossímil pode emergir por meio da trama, das vozes das personagens, o que pode colaborar para que o leitor perceba e compreenda o meio ao qual está inserido, a sua cultura e a sua história. Com este estudo pretende-se, também, chamar a atenção dos leitores para obras literárias cujos enredos envolvem a região norte e, por extensão, colaborar para divulgar tais criações na perspectiva de que mais pesquisas acadêmicas possam emergir e que venham contribuir para compreensão de aspectos culturais da região norte, principalmente aqueles que se originaram a partir do seringueiro. 


Palavras-chave


Literatura; Literatura Nortista; Seringal; A Selva.

Texto completo:

PDF


ISSN: 2237-8332