Aprender a ver: exílio e escritura na primeira correspondência de Julio Cortázar

Autores

  • Iuri Almeida Müller Doutorando em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Resumo

Este texto busca, a partir das primeiras cartas enviadas pelo escritor argentino Julio Cortázar desde o seu desembarque na França, em 1951, perceber como as marcas do exílio e do sentir-se ou não estrangeiro podem ser encontradas na produção ficcional do autor no mesmo período, em contos como os de Final del juego. Para tanto, textos de Edward Said e de Julia Kristeva sobre a questão do exílio na literatura, bem como ensaios do próprio Cortázar relativos ao desterro e aos escritores expulsos do país natal, ganham importância na leitura desta primeira correspondência.

 

Palavras-chave: Julio Cortázar; correspondência; exílio e literatura.

Biografia do Autor

Iuri Almeida Müller, Doutorando em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Mestre em Letras. Doutorando em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Downloads

Publicado

10/07/2017

Como Citar

Müller, I. A. (2017). Aprender a ver: exílio e escritura na primeira correspondência de Julio Cortázar. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 1(12), 33–50. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/1768