O fluxo de consciência e as instâncias discursivas em “O relógio do hospital”, de Graciliano Ramos

Autores

  • Carolini Cristina Santos Alpe UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL
  • Lucilo Antonio Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

Palavras-chave:

Fluxo de consciência, sintaxe discursiva, modernidade.

Resumo

A presente pesquisa tem como intuito constituir um paralelo entre o fluxo de consciência como procedimento estético e as instâncias discursivas textuais. Em primeiro lugar, foram apresentadas as principais conceituações referentes ao fluxo de consciência e como este se relaciona com o contexto histórico e social que permeou o século XX. A seguir, apresentou-se os elementos que regem o discurso e como estes se relacionam com o fluxo de consciência no nível narrativo (sintaxe discursiva). Como meio de comprovação das afirmações colocadas na pesquisa, foi analisado o conto “Relógio do Hospital”, de Graciliano Ramos. O objetivo principal é averiguar como se configura a presença do fluxo de consciência em relação aos procedimentos discursivos a serem abordados no conto. Na análise do conto, buscou-se também mostrar como o referido procedimento refrata o âmbito histórico-social.

Biografia do Autor

Carolini Cristina Santos Alpe, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

Mestre em Letras - Historiografia Literária - UEMS

Lucilo Antonio Rodrigues, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

Doutor em Letras pela UNESP

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Santos Alpe, C. C., & Rodrigues, L. A. (2018). O fluxo de consciência e as instâncias discursivas em “O relógio do hospital”, de Graciliano Ramos. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 2(13), 146–164. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/2229