Representações de corpo feminino e memória em poemas de Conceição Evaristo

Autores

  • Thamirys Di Paula Cassiano de Matos Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Literatura Afro-brasileira, Mulher negra, Corpo, Memória

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar representações do corpo feminino e memória em poemas de Conceição Evaristo. Para tanto, os textos escolhidos são Eu-mulher, Vozes-Mulheres e Meu Rosário da coletânea Poemas da recordação e outros movimentos (2008). Com análise fundamentada na crítica feminista e em estudos de obras da escritora em questão, constatou-se que neles a escrita autoral apresenta o universo de experiências da comunidade afro-brasileira, focalizado principalmente nas experiências das mulheres negras, com tons de denúncia das injustiças sociais, dos indícios da complexidade de esquemas corporais produzidos em ambientes marginalizados, bem como a valorização da memória e identidade afro-brasileira com intuitos de levante e esperança nas gerações futuras seja como um coletivo seja como narradoras de si.

Biografia do Autor

Thamirys Di Paula Cassiano de Matos, Universidade Federal do Pará

Mestra em Antropologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e especialista em Cultura e Literatura pela Faculdade Educacional da Lapa- Brasil.  É professora de Língua e Literatura Portuguesa da Secretaria de Estado de Educação do Pará.

Referências

BISPO, Ella Ferreira e LOPES, Sebastião Alves Teixeira. Escrevivência: perspectiva feminina e afrodescendente na poética de Conceição Evaristo. Revista Língua & Literatura, v. 35, n. 20, p. 186-201, jan./jun. Frederico Westphalen: Departamento de Linguística, Letras e Artes da URI, 2018.

Disponível:http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistalinguaeliteratura/article/view/2598

Acessado em 01/10/2020.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T.A Queiroz, 1979.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEUS, Zélia Amador. Espaços africanizados do Brasil: algumas referências de resistências, sobrevivências e reinvenções. Revista Eletrônica: Tempo ‐ Técnica ‐ Território, v.3, n.2, p. 63:76 ISSN: 2177‐436659. DOI: https://doi.org/10.26512/ciga.v3i2.15443. Brasília: Departamento de Geografia da UNB, 2012.

Disponível:http://inseer.ibict.br/ciga/index.php/ciga/article/viewFile/148/113

Acessado em 16/06/2021.

DEUS, Zélia Amador. O corpo negro como marca identitária na diáspora africana. In: XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais: Diversidades e (Des)Igualdades. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2011.

Disponível:https://fenomenologiadasolidariedade.files.wordpress.com/2013/11/1308245884_arquivo_corpocomomarcaidentitariaartigoversaofinal-zelia.pdf

Acessado em 01/10/2020.

DUARTE, Constância Lima. O cânone literário e a autoria feminina. In: AGUIAR, Neuma (org.). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Record /Rosa dos Ventos, 1997, p. 85-94 (Coleção Gênero, v.5).

EVARISTO, Conceição. Escrevivênciasda Afro-brasilidade: história e memória.Revista Releitura – ISSN1980-3354, n. 23, nov.Belo Horizonte: Fundação Municipal de Cultura, 2008.

Disponível:https://sites.google.com/site/nossaescrevivencia/proseando/SE%C3%87%C3%83O_PROSEANDO_Ensaio_3.pdf?

Acessado em 10/09/2020.

EVARISTO, Conceição. Dos sorrisos, dos silêncios e das falas. In: SCHNEIDER, Liane e MACHADO, Charliton (org). Mulheres no Brasil: resistência, lutas e conquistas. João Pessoa: Editora Universitária, UFPB, 2009.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FANON, Franz. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: Editora EDUFBA, 2008.

FILHO, Nelson Martinellie LOPES, Michelly Cristina Alves. A escre(vivência) presente em Maria Firminados Reise Conceição Evaristo: uma análise dos contos “A escrava” e “Maria”. REVELL: Revista de Estudos Literários,v. 3, n. 20, p. 314-334. Campo Grande: Faculdade de Letras da UEMS, 2018.

Disponível:https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3164

Acesso em 08/12/2020.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FRIEDAN, Betty. A mística do feminino.Trad. de Áurea B. Weissenberg. Petrópolis: Editora Vozes, 1971 (1963).

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais Ltda., 1990.

HANISCH,Carol. The personal is politic, fev. 1969.

Disponível: http://www.carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html

Acesso em: 16/06/2021

HOOKS, Bell. Intelectuais Negras. REF: Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 464-478. Florianópolis:Instituto de Estudos de Gênero da UFSC,1995.

Disponível:https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465

Acessado em 08/12/2020.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

LEMAIRE, Ria. Passionset Positions: contribution à une sémiotique Du sujet dans la poésie lyrique medievale em langues romanes. Amsterdam: Dodopi, 1987.

LIMA, Ana Carla da Silva e MELO, Henrique Furtado de. Em nome da violência: uma leitura de Natalina Soledad, de Conceição Evaristo. REVELL: Revista de Estudos Literários, v. 10, n. 20, p. 298-313. Campo Grande: Faculdade de Letras da UEMS2018.

Disponível: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3140

Acessado em 08/11/2020.

MONTEIRO, Liliane Nogueira. A representação da mulher negra na Literatura Brasileira. Trânsitos pós-coloniais e decolonialidade de saberes e sentidos. In: X Simpósio Linguagens e Identidades da Amazônia Sul-Ocidental. VIII Colóquio Internacional “As Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia”, 2014.

Disponível:https://periodicos.ufac.br/index.php/simposioufac/article/view/1010

Acesso em: 08/05/2020.

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira e PINHEIRO de SOUZA, Taise Campos dos Santos. Escritoras subalternas negras: por que incluí-las nas aulas? Revista Fórum Identidades, v. 19, p. 13-32. Itabaiana: GEPIADDE da UFS, 2015.

Disponível:https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/download/4800/4023

Acessado em 10/09/2020.

MOREIRA, Jailma dos Santos Pedreira e PINHEIRO de SOUZA, Taise Campos dos Santos. Escrita de autoria feminina negra: reflexões sobre sua importância e inserção no campo educacional. In: I Colóquio de Prática Pedagógica e Estágio, ocorrido de 17 a 19 de maio de 2012 na Universidade do Estado da Bahia, Campus - II, Alagoinhas - BA. Africanias

SPIVAK, Gayatri Chakravorty, 1942.Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFIVIG, 2010.

ZILBERMAN, Regina. Fundamentos do texto literário,2. ed. Curitiba: IESDE Brasil, 2013.

XAVIER, Elódia. Narrativa de autoria feminina na literatura brasileira: as marcas datrajetória. Leitura, n. 18, p. 87-95, 2º semestre. Alagoas: Programa de Pós-Graduação em Letras da UFAL1996.

Disponível:http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/6825/5409

Acessado em 11/09/2020.

XAVIER, Elódia. O Corpo a corpo na Literatura Brasileira: a representação do corpo nas narrativas de autoria feminina. In: BRANDÃO, Izabel e MUZART, Zahidé L. (org.) Refazendo nós: ensaios sobre mulher e literatura. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003. 560 p.

XAVIER. Elódia. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Ed.Mulheres, 2007.

Downloads

Publicado

25/02/2022

Como Citar

Cassiano de Matos, T. D. P. (2022). Representações de corpo feminino e memória em poemas de Conceição Evaristo. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 1(20), 88–108. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/5842