Pedagogias decoloniais na diferença por meio da performance arte e de gênero e do Teatro do Oprimido como novos possíveis no ensino médio

Autores

  • Rene Will Gonçalves Bernardes Universidade Federal do Sul da Bahia

Palavras-chave:

pedagogia decolonial, performance, teatro do oprimido, gênero, sexualidade.

Resumo

Este artigo apresenta processos de criação de novos possíveis em pedagogias decoloniais na diferença no ensino médio em gênero, raça e sexualidade por meio da performance arte, do Teatro do Oprimido (BOAL, 1975) e de ações da Comissão da Diversidade do IFSP câmpus Registro como alternativas ao [C]istema-mundo moderno/colonial, marcando o início de uma (pesquisa) intervenção pedagógica como enfrentamento decolonial à cisnormatividade branca através da performance arte. O processo baseia-se na Cartografia (DELEUZE; GUATTARI, 1995), na Escrevivência (EVARISTO, 2012), na Educação para a Liberdade (FREIRE, 1999; HOOKS, 2017), na Pedagogia Decolonial (WALSH, 2007; CANDAU, 2011), na educação para a diferença (BENTO, 2011; SILVA, 2000) e nas Pedagogias da Sexualidade (LOURO, 2000). Apresenta as noções de cisgeneridade e cisnormatividade (VERGUEIRO, 2016) e aproxima as noções de performance arte (FÉRAL, 2009) e performatividade de gênero (BUTLER, 2003) a partir da noção de autorrepresentação do eu no cotidiano (GOFFMAN, 2009) como caminho pedagógico decolonial pela arte. Apresenta tensões com o movimento Escola Sem Partido e conseqüentes exílio(BRAGA; GUIMARÃES; VALENCIA, 2019-2020), bem como discussões sobre decolonialidade em arte, gênero e educação por meio da experimentação livre de performatividades.

Biografia do Autor

Rene Will Gonçalves Bernardes, Universidade Federal do Sul da Bahia

Especialista em Arteterapa Escolar (UNISA). Mestrande em Ensino e Relações Étnico-Raciais (PPGER/UFSB/CJA). Docente de artes e membre da Comissão da Diversidade do IFSP câmpus Registro, especialista em Arteterapa Escolar (UNISA)

Referências

ABRAMOVIC, Marina. Rhythm 0. Nápoles: Studio Morra, performance, 6 horas, 1974.

ANZALDÚA, Gloria. La conciencia de lamestiza / Rumo a uma nova consciência. Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 3, p. 704-719. Florianópolis: Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão da UFSC, jan. 2005. Disponível: periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2005000300015 Acessado em: 12/04/2021.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89-117. Brasília: Instituto de Ciência Política da UnB, maio-ago. 2013. Disponível: periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/2069 Acessado em: 12/04/2021.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 2, p. 549-559. Florianópolis: Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão da UFSC, maio-ago. 2011. Disponível: periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000200016 Acessado em: 12/04/2021.

BRAGA, Cleber; GUIMARÃES, Rafael Siqueira de; VALENCIA, Sayak. Apresentação do dossiê: Gaguejar, ruidosamente, outros trânsitos: Migrações territoriais, sexuais e de gênero. Revista Periodicus, n. 12, v. 1, p. 1-5. Salvador: Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades (NuCuS) doIHAC da UFBA, novembro2019-abril2020. Disponível: periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/36347/0 Acessado em: 12/04/2021.

BRAH, Avtar. Cartografías de la diáspora. Identidades em cuestión. Madrid: Traficantes de Sueños, 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANDA, Cilene. Paulo Freire e Augusto Boal: diálogos entre educação e teatro. Revista HOLOS, ano 28, v. 4, p. 195-205.Natal: IFRN, 2012. Disponível: ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/742 Acessado em: 12/04/2021

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Revista Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, p.240-255.Ermesinde: julho-dez. 2011. Disponível: curriculosemfronteiras.org/vol11iss2articles/candau.pdf Acessado em: 12/04/2021.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; OLIVEIRA, Luiz Fernandes. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, v. 26, n. 1, p.15-40. Belo Horizonte: Faculdade de Educação da UFMG, abril 2010. Disponível: scielo.br/pdf/edur/v26n1/02 Acessado em: 12/04/2021.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. Criação de um tempo-espaço como experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Trad. Aurélio Guerra Neto; Celia Pinto Costa. V. 1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DESPENTES, Virginie. Teoria King Kong. Trad. Marcia Bechara. São Paulo: n-1 edições, 2019.

EVARISTO, Conceição. Gênero e Etnia: uma escre(vivência) de dupla face. Blogspot: Nossa EscreVivência, 2012. Disponível: nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/genero-e-etnia-uma-escrevivencia-de.html Acessado em: 30/01/2020.

FÉRAL, Josette. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Revista Sala Preta, v. 8, p. 197-210. São Paulo:Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC) da USP, 2009. Disponível: revistas.usp.br/salapreta/article/view/57370 Acessado em: 12/04/2021.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FREITAS, Nivaldo Alexandre de; BALDAN, Merilin. Dossiê Escola Sem Partido e Formação Humana. Revista Fênix, v. 14, n. 1, p. 1-8. Uberlândia: Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura (NEHAC) da UFU, janeiro-jul., 2017. Disponível: revistafenix.pro.br/PDF39/dossie_1_escola_sem_partido_introdu%C3%A7%C3%A3o_fenix_jan_jun_2017.pdf Acessado em: 30/04/2019.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis: Vozes, 2009.

GROSFOGUEL, Ramón. “La opcióndecolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso”. Revista Tabula Rasa, n.8, p. 243-282. Bogotá: Universidad Colegio Mayor de Cundinamarca, 2008. Disponível: scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1794-24892008000100013&lng=em Acessado em: 12/04/2021.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir. A educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: WNF Martins Fontes, 2017.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2000.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espirala. In: RAVETTI, Graciela; ARBEX, Márcia. Performance, exílio, fronteira. Errâncias territoriais e textuais, p. 69-91. Belo Horizonte: FALE, 2002.

MOMBAÇA, Jota. Pode um cu mestiço falar? Medium: MonstrxErratik, 2015. Disponível:medium.com/@jotamombaca/pode-um-cu-mestico-falar-e915ed9c61ee Acessado em: 01/07/2018.

MOMBAÇA, Jota. Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência. Caderno de Imaginação Política, p. 1-20. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016. Disponível: issuu.com/amilcarpacker/docs/rumo_a_uma_redistribuic__a__o_da_vi Acessado em: 12/04/2021.

NASCIMENTO, Simone Oliveira do. Guillermo Gómez-Peña em teorias do disfarce: Corpo, performance art e travestismo. Revista Landa, v. 6, n. 1, p. 41-53. Florianópolis: Núcleo Ontti de Estudos Literários Latino-Americanos da UFSC, 2017. Disponível: repositorio.ufsc.br/handle/123456789/181754 Acessado em: 12/04/2021.

NETO, Ricardo Mari.Marina Abramović, dimensões da culpa: do corpo da vida sacra.Revista :Estúdio, v.3, n.5, p.430-436. Lisboa: Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2012. Disponível: scielo.mec.pt/pdf/est/v3n5/v3n5a71.pdf Acessado em: 12/04/2021.

PRECIADO, Paul. Testo Junkie. Trad. Marcia Bechara. São Paulo: n-1 edições, 2018.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 2, p. 166-173. Recife:Associação Brasileira de Psicologia Social, 2009. Disponível: scielo.br/pdf/psoc/v21n2/v21n2a03.pdf Acessado em: 12/04/2021.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença, p. 73-102. In: SILVA, Tomas Tadeu da. Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

VALENCIA, Sayak. Del Queer al Cuir: ostranénie geopolítica y epistémica desde elsur g-local. In: LANUZA, Fernando; CARRASCO, Raúl. Queer e Cuir. Políticas de lo irreal. México: El Colef, 2015.

VERGUEIRO, Viviane. Pensando a cisgeneridade como crítica decolonial, p. 249-270. In: MESSEDER, Suely; CASTRO, Mary Garcia; MOUTINHO, Laura. Enlaçando sexualidades. Uma tessitura interdisciplinar no reino das sexualidades e das relações de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016. Disponível: doi.org/10.7476/9788523218669.0014 Acessado em: 12/04/2021.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes. Uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 244. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). Salvador :Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos da UFBA, 2015.

WALSH, Catherine. Interculturalidad Crítica y Pedagogia decolonial: apuestas (des)de elin-surgir, re-existir y re-vivir. Memórias del Seminário Internacional “Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad”, p. 1-29. Bogotá:Universidad Pedagógica Nacional, abril, 2007. Disponível: scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982010000100002 Acessado em: 12/04/2021.

Downloads

Publicado

25/02/2022

Como Citar

Bernardes, R. W. G. (2022). Pedagogias decoloniais na diferença por meio da performance arte e de gênero e do Teatro do Oprimido como novos possíveis no ensino médio. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 1(20), 8–32. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/6634