PATRIARCADO E SUJEIÇÃO DAS MULHERES

Graciela Márcia Fochi, Ilze Zirbel

Resumo


A sujeição das mulheres, um fenômeno que segue recorrente em meio às sociedades contemporâneas, diz respeito a um complexo emaranhado de elementos que, na maioria das vezes, encontra-se naturalizado em meio a costumes e práticas em vigor tanto no âmbito público quanto privado. Esse artigo faz uma revisão bibliográfica relacionando, de maneira sintética, vários desses elementos, apontados nos textos de inúmeras intelectuais como Harriet Taylor (e seu esposo John Stuart Mill), Carole Pateman, bell hooks[1], Oyèrónké Oyěwùmí, Heleieth Saffioti, Judith Butler, Marilyn Frye e Iris Young. De igual forma, é feita uma sistematização dos conceitos de Patriarcado e Opressão, centrais para a compreensão do fenômeno da sujeição das mulheres e das estruturas que a forjam.


[1]     Esta autora prefere que seu nome seja escrito sem o uso de letras maiúsculas. Segundo ela, essa é uma maneira de chamar a atenção mais para o conteúdo de suas obras do que para a sua pessoa. Ver: http://www.theradicalnotion.com/10-things-know-bell-hooks/


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Neuma. Patriarcado, sociedade e patrimonialismo. Sociedade e Estado. vol.15, n. 2, p.303-330, 2000. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2019.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder. Teorias da sujeição. 1ª Ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2017.

________. Mecanismos psíquicos del poder. Teorías sobre la sujecíon. Espanha, Universidade de Valencia, 2010.

CASTRO, Mary G.; LAVINAS, Lena. Do feminino ao gênero: a construção de um objeto. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1992.

EDELSTEIN, Josefina. Por qué la masculinidad se transforma en violencia. Entrevista com a antropóloga Rita Segato. La Voz, 04 de maio de 2017. Sessão: ciudadanos – violencia de género. Disponível em: . Acessado em agosto de 2019.

FRYE, Marilyn. Opression. In: MINAS, Anne. Gender basic: feminist perspectives on women and man. Wadswhort, p.11-16, 2000. Disponível em: . Acesso em: 01 julho de 2018.

________. The Politics of Reality: Essays in Feminist Theory. California: Crossing Press, 1983.

FURLIN, Neiva. Sujeito e agência no pensamento de Judith Butler: contribuições para a teoria social. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 395-403, jul./dez. 2013.

HOOKS, bell. Compreendendo o patriarcado. Blog Ação Transformativa. Publicado por Angelica Rente, 21 de junho de 2017. (Traduzido do inglês: Undestanding Patriarchy. Louisville Anarchist Federation Federation, 2010). Disponível em: . Acesso em: 27 de junho de 2018.

JONSTON, Laurie. Women's Group to Observe Rights Day Here Today. The New York Times, 25 de Agosto de 1972.

LINDEMAN, Hilde. An invitation to feminist Ethics. San Francisco: McGraw-Hill, 2006.

LOBO, Elisabeth Souza. O trabalho como linguagem: o gênero do trabalho. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1992.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 809, set. 2008. Disponível em: . Acesso em: dezembro de 2019.

MILL, John Stuart e TAYLOR, Harriet. A Sujeição das Mulheres (1869). Coimbra: Almedina, 2006.

OLIVEIRA, Maria Aparecida Souza. Sujeição, Costume e sentimento como manutenção da servidão feminina. Stuart Mill e a Sujeição das mulheres. Sapere Aude. Belo Horizonte, v. 4, n. 7, p. 494-500, 1º sem. 2013.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. Trad. De Juliana Araújo Lopes. (para uso didático) de: OYĚWÙMÍ, O. Conceptualizing Gender: The Eurocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CODESRIA Gender Series. Volume 1, Dakar, CODESRIA, 2004, p. 1-8 por Juliana Araújo Lopes.

________. La invencíon de la mujeres. Una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género (versão em inglês: 1997). Bogodá: Editorial en la frontera, 2017.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

REED, Evelyn. Sexo contra sexo ou classe contra classe. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2008.

REES, Nigel. Mark My Words: Great Quotations and the Stories Behind Them. New York: Sterling Publishing. 2002.

SAFFIOTI, Heleieth Iara B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

________. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 115-136, 2001.

________. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

THE DICK Cavett Show. Television interview, 11 de Maio de1972. The Dick Cavett Show: John and Yoko collection, DVD, 2005.

WEBER, Max. Economy and Society. 2 vols. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1968.

YOUNG, Iris Marion. Justice and the Politics of Difference. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1990.

ZIRBEL, Ilze. O Lugar da mulher na antropologia pragmática de Kant. Kant e-Prints. Campinas, Série 2, v. 6, n. 1, p. 50 - 68, jan.- jun., 2011. Disponível em: . Acessado em: 20 de fevereiro de 2020.

________. O problema do padrão duplo de cidadania das teorias políticas modernas, In: CASTRO, Susana; Correia, Adriano e SPARANO, Maria Cristina de Távora. Psicanálise e gênero. São Paulo: ANPOF, 2017, p. 106-127. (coleção Publicações ANPOF – encontro XVII). Disponível em: . Acessado em: 20 de fevereiro de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.