O cânone e o espaço: Alencar e Machado

José Alonso Tôrres Freire

Resumo


Neste trabalho, parte de uma pesquisa maior sobre a importância do espaço no romance brasileiro do século XIX, serão comentadas obras de dois escritores emblemáticos que contribuíram sobremaneira para o estabelecimento dos primeiros contornos de um mapa literário brasileiro tornado canônico, por assim dizer: José de Alencar e Machado de Assis, com as obras Sonhos d’Ouro e Ressurreição, respectivamente. Para demonstrar as diferentes maneiras como José de Alencar e Machado de Assis se apropriam do espaço urbano ou semiurbano e abrem caminhos diversos para a representação do país na ficção, é interessante comparar as duas obras citadas acima, ambas publicadas no mesmo ano, 1872, pelos dois escritores, em momentos diferentes de suas carreiras literárias: o primeiro já um escritor consagrado e o segundo lançando seu primeiro romance. Dentre os vários autores que foram referências teóricas para este trabalho, destaco Antonio Candido, por sua obra essencial, Formação da literatura brasileira (Momentos Decisivos 1750-1880), e Franco Moretti, por seu estudo intitulado "O século sério" (2009), sobre mudanças no comportamento das famílias no século XIX e as implicações disso no romance, estudo incluído em A Cultura do Romance (2009), obra organizada por este último autor, com vários ensaios, inclusive sobre o espaço no romance.

 


Palavras-chave


romance brasileiro; literatura brasileira; espaço; José de Alencar; Machado de Assis.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, J. de. Sonhos d’Ouro. São Paulo: Ática, 1998.

ASSIS, J. M. M. de. Obra Completa. 3 Vols. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1962. Vol. III, p. 801-804.

ATHAYDE, T. de. Teresa Margarida da Silva e Orta, precursora do romance brasileiro. In: HOLANDA, A. B. de (Coord.). O romance brasileiro: de 1752 a 1830. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, s/d.

BARTHES, R. O efeito de real. In: _____. O rumor da língua. Tradução de Antonio Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1984. pp.131-136.

BASTIDE, R. Machado de Assis, paisagista. Revista USP, São Paulo nº 56, p. 192-202, dezembro-fevereiro, 2002/2003.

CANDIDO, A. O discurso e a cidade. 3ª edição. São Paulo/Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2004.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira (Momentos Decisivos 1750-1880). 12ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul; São Paulo: FAPESP, 2007.

CEIA, C. Verbete “Clássico”. E-Dicionário de Termos Literários. verbete. Disponível em http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=627&Itemid=2. Acesso em 11.02.2015.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mocambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 4. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1968. (Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil ; 2).

LINS, O. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976. (Ensaios, 20).

MAUAD, A. M. Imagem e autoimagem do Segundo Reinado. In: Historia da Vida Privada na Brasil. Coorden. Geral por Fernando A. Novais. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. P. 181-231. (Volume 2).

MORETTI, F. Atlas do romance europeu 1800-1900. Trad. Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2003.

MORETTI, F. “O século sério”. In: _____. (Org.). A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009. pp. 823-863.

REVISTA BABEL. Dossiê Cânones. Ano I, número 3, setembro a dezembro de 2000, Santos/SP, Florianópolis/SC, Campinas/SP.

PEREIRA, Astrojildo. Romancistas da cidade: Macedo, Manuel Antonio e Lima Barreto. In: HOLLANDA, Aurélio Buarque de (Coord.). O romance brasileiro (De 1752 a 1930). Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1952.

THIBAUDET, Albert. “Le roman urbain”. In: ______. Réflexions sur le Roman. Paris: Gallimard, 1938, p. 206-212.




Direitos autorais 2017 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS



ISSN 2179-4456

contador de acesso