O [fazer do] Cururu sul-mato-grossense: um recorte sob a perspectiva dos conceitos de tempo e resistência

José Gilberto Garcia Rozisca

Resumo


Nosso estudo versa sobre a narrativa do cururueiro e a poética do Cururu, que é, por sua origem, uma prática relacionada a valores religiosos, éticos e de companheirismo, ao mesmo tempo em que é vivenciada como uma brincadeira entre seus praticantes. O objetivo é tratar do Cururu discutindo os conceitos de tempo e de resistência na narrativa, reconhecendo que resistir tem a ver com a capacidade de opor-se a um sistema de força contrária, além de ser a capacidade de lutar em defesa de algo, em face do peso dos princípios e dos valores de dada cultura. Utilizamos o método de pesquisa bibliográfica, tomando por base as cantigas de Cururu executadas em Mato Grosso do Sul dispostas em obras como o Dossiê de Registro do Modo de Fazer Viola-de-Cocho, do IPHAN; a dissertação de mestrado de Eunice Ajala Rocha; e a entrevista do mestre cururueiro Agripino Soares Magalhães, para a série audiovisual A História da Nossa Gente do site Diário Corumbaense. O diálogo com referenciais teóricos passou por estudiosos como Alfredo Bosi, Benedito Nunes e Ecléa Bosi. A pesquisa mostrou a pertinência de tratar tanto a narrativa do cururueiro quanto da poética das cantigas sob a perspectiva dos conceitos propostos.

 


Palavras-chave


Cururu; Tempo; Resistência

Texto completo:

PDF

Referências


BOSI, Alfredo. Narrativa e Resistência. In: Itinerários, Araraquara: 1996, p. 11-27. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2015, 22:45.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembranças dos velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Ediouro, 1972.

DIÁRIO CORUMBAENSE. A História da Nossa Gente – Agripino Magalhães, cururueiro. Reportagem de Lívia Gaertner. Imagens de Ricardo Albertoni e Luiz Fernando. Edição de Lívia Gaertner e Ricardo Albertoni. Corumbá: Diarionline, 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 dez. 2015, 00:11:31.

IPHAN. Modo de Fazer Viola-de-Cocho. Brasília, IPHAN: 2009

NUNES, Benedito. O Tempo na Narrativa. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1995.

ROCHA, Eunice Ajala. Uma expressão do folclore mato-grossense: cururu em Corumbá. Dissertação de Mestrado (PG em História da Cultura), PUC-RS. Porto Alegre, 1981.

SOUZA, João Carlos de. O caráter religioso e profano das festas populares: Corumbá, passagem do século XIX para o XX. Revista Brasileira de História, v. 24, nº 48, p. 332-351. São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em 10 mar. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS



ISSN 2179-4456

contador de acesso