UM OLHAR PARA O SÍTIO ARQUEOLÓGICO CG3 NA CIDADE DE CAMPO GRANDE – MS COMO RECURSO PEDAGÓGICO DE ENSINO

Autores

Palavras-chave:

ensino, paisagem, pré-história

Resumo

As ciências geográfica e arqueológica associadas desvendam as relações humanas estabelecidas no espaço englobando concepções ambientais, sociais e simbólicas. O presente trabalho busca – propor estratégias de ações pedagógicas facilitadoras no processo de ensino e de aprendizagem corroborando na internalização do conhecimento sobre o sítio arqueológico CG3 na cidade de Campo Grande - Ms, a partir da análise da categoria paisagem através de uma proposição dinâmica e aplicada. As reflexões apresentadas estão ancoradas nas seguintes ações: pesquisa - ação, estudo do meio, metodologia ativa e educação ambiental crítica. O método científico que guiou o estudo foi o hipotético dedutivo com interação de análise hermenêutico-dialética, construindo conjecturas baseadas em hipóteses permitindo incorporar interpretação dos sentidos do discurso dos sujeitos relacionado ao seu contexto social e histórico. Os resultados apontam que as práticas pedagógicas apresentadas ao serem executadas potencializam o processo de ensino, de aprendizagem reflexiva na compreensão dos componentes geoecológicos da paisagem no sítio arqueológico, as relações sociais, ambientais, históricas, culturais engendradas instigando o sentimento de pertencimento identitário ao grupo participante, repensando as relações estabelecidas com o meio. À guisa de conclusões espera-se que o recurso pedagógico apresentado possa ser instrumentos metodológicos útil e diversificado no fazer docente em espaços formal e não formal de ensino dando suporte as reflexões.

Referências

BERBEL, Neusi. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BRAMBILLA, Lia Raquel Toledo Gasques. El pasado arqueológico en Mato Grosso do Sul – Brasil: Un análisis a través de la base de datos del MuArq – Museo de Arqueología de la UFMS, Universidad Autónoma de Barcelona – Tese doutoral - UAB, Barcelona – España, 2021.

BRUNO, Leonardo de Souza; Matos, Tiago Souza; Oliveira, Paulo Tarso Sanches de. Modelagem de bacias hidrográficas com o HEC-RAS. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2021

CLAVAL, Paul. A Geografia Cultural. Florianópolis. Editora da UFSC. 2007.

COSGROVE, Denis. Em Direção a uma Geografia Cultural Radical: Problemas da Teoria. In: CORREA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Org.). Introdução à Geografia Cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 103 – 134, 2007.

DIAS, Adriana Schmidt. Novas Perguntas para um velho problema: escolhas tecnológicas como índices par o estudo de fronteiras e identidades sociais no registro arqueológico. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 2, p. 59-76, 2007.

ENGEL, Guido. Irineu. Pesquisa ação. Educar: Editora da UFPR, Curitiba, n. 16, p. 181-191. 2000.

FAGUNDES, Marcelo. O conceito de paisagem em arqueologia: os lugares persistentes. HOLOS Environment (Online), v. 09, p. 135-149, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia.2. ed., 1a reimpressão. São Paulo: Contexto, 2010.

HAESBAERT, Rogério. Da Desterritorialização à Multiterritorialidade. In: X Encontro de Geógrafos da América Latina, 2005, São Paulo. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, p. 6774-6792, 2005.

MARTINS, Gilson Rodolfo. Arqueologia do Planalto Maracaju /Campo Grande. 1. ed. Campo Grande: Editora da UFMS, 2003. v. 1. 255p.

MARTINS, Gilson Rodolfo. Sítios Arqueológicos da Região Revelam Indícios da Ocupação Humana. ARCA: Revista de Divulgação do Arquivo Histórico de Campo Grande/MS, n° 7, Arquivo Histórico Municipal, Campo Grande. 2000.

MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.312, 2008,

OLIVEIRA, Maria Marly de. Metodologia interativa: um processo hermenêutico dialético. Interfaces Brasil/Canadá, Revista brasileira de estudos canadenses. Porto Alegre.V. 1, N. 1, 2001.

PONTUSCHKA, Nídia Nacib.; PAGANELLI, Tomoko Iyda; CACETE, Núria Hanglei. Para ensinar e aprender geografia. São Paulo: Cortez, 2007.

RODRIGUEZ, José Manuel Mateo. SILVA, Edson Vicente da. CAVALCANTE, Agostinho Paula Brito (Org.) Geoecologia das Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 5. Ed.Fortaleza: Edições UFC, 2017. 222 p.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpressão. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SANTOS, Milton. A metamorfose do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988. 124p.

SOUZA, Reginaldo José. Paisagem e Socionatureza: olhares geográfico-filosóficos. Chapecó: Editora UFFS, 2018.

Downloads

Publicado

15/07/2022

Como Citar

Simões Galvão, R., & Socorro da Anunciação, V. (2022). UM OLHAR PARA O SÍTIO ARQUEOLÓGICO CG3 NA CIDADE DE CAMPO GRANDE – MS COMO RECURSO PEDAGÓGICO DE ENSINO. GEOFRONTER, 8. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/6978

Edição

Seção

Artigos