Os Ratos e a representação trágica da modernização industrial e tecnológica brasileira

Autores

  • Bárbara Del Rio Araújo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG Doutoranda em Literatura Brasileira pelo programa de pós-graduação da UFMG
  • Débora Ribeiro da Silva Bolsista de iniciação científica FAPEMIG - CEFET/MG

Palavras-chave:

Trágico, Modernização, Os Ratos.

Resumo

Este artigo tem como escopo a apreciação do trágico na obra Os Ratos, de Dyonélio Machado.  A intenção é entender como se configura a tragicidade no romance e como ela é reveladora do processo de modernização brasileira, o qual se consolida em direção ao progresso sem abrir mão do atraso social. A partir da obra selecionada, será possível inicialmente compreender que o fenômeno trágico não está restrito ao gênero dramático; para além da tragédia, o elemento é absorvido na estrutura romanesca a fim de representar o paradoxo da modernidade, o conflito entre o indivíduo e a estrutura socioeconômica. Nesse aspecto, a estilização da tragicidade permite conhecer a especificidade da condição histórica nacional, como a modernização dependente do país, que propiciou uma contradição permanente entre a matéria e o espírito, progresso tecnológico e o retrocesso humano, a afirmação e ao mesmo tempo o aniquilamento do homem perante o mundo. A fundamentação teórica deste trabalho tem base materialista e busca estabelecer a relação entre estrutura literária e conteúdo social, dimensionando a capacidade reflexiva e o aprendizado crítico.

Biografia do Autor

Bárbara Del Rio Araújo, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG Doutoranda em Literatura Brasileira pelo programa de pós-graduação da UFMG

Professora efetiva de Literatura Brasileira no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG 

Doutoranda em Literatura Brasileira pelo programa de pós-graduação da UFMG

Débora Ribeiro da Silva, Bolsista de iniciação científica FAPEMIG - CEFET/MG

Aluna do CEFET/MG

Bolsista de iniciação científica FAPEMIG - CEFET/MG

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 1970.

ARRIGUCCI JR., David. “O cerco dos ratos”. In: MACHADO, Dyonélio. Os ratos. São Paulo: Planeta do Brasil, 2004, p.199-207.

AUERBACH, Erich. Mimesis. 5.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Hucitec, 2010.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2006

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 11ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

_________________ A educação pela noite e outros ensaios. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989.

EAGLETON, Terry. Doce Violência: a ideia do trágico. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: a formação do patronato político brasileiro. 6ª

ed. Porto Alegre: Globo, 1985.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

_______________. O Mito do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GOLDMANN, Lucien. Sociologia do Romance. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 8. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.

LAFETÁ, João Luiz. 1930: a crítica e o Modernismo. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

LESKY, Albin. A tragédia grega. 3 ed. São Paulo: Perspectiva,1996.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

_____________. História e consciência de classe: estudos de dialética marxista. 2° Edição, Rio de Janeiro: Elfos, 1989.

MACHADO, Dyonélio. Os ratos. 22. ed. São Paulo: Ática. 2001.

RESENDE, A. C. A. Fetichismo e Subjetividade. 1992. Tese (Doutorado) – Pontifica

Universidade Católica, São Paulo, 1992.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são?: ensaios. São Paulo: Cia das letras, 1987.

_________________. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

SZONDI, Peter. Ensaio sobre o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais de poética. 3ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

WATT, Ian. A ascensão do romance moderno. São Paulo: Cia das Letras, 1996

WAIZBORT, Leopoldo. A passagem do três ao um. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

Downloads

Publicado

2017-09-05

Como Citar

Araújo, B. D. R., & da Silva, D. R. (2017). Os Ratos e a representação trágica da modernização industrial e tecnológica brasileira. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(16), 234–251. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1390