O cânone e o espaço: Alencar e Machado

Autores

  • José Alonso Tôrres Freire Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

romance brasileiro, literatura brasileira, espaço, José de Alencar, Machado de Assis.

Resumo

Neste trabalho, parte de uma pesquisa maior sobre a importância do espaço no romance brasileiro do século XIX, serão comentadas obras de dois escritores emblemáticos que contribuíram sobremaneira para o estabelecimento dos primeiros contornos de um mapa literário brasileiro tornado canônico, por assim dizer: José de Alencar e Machado de Assis, com as obras Sonhos d’Ouro e Ressurreição, respectivamente. Para demonstrar as diferentes maneiras como José de Alencar e Machado de Assis se apropriam do espaço urbano ou semiurbano e abrem caminhos diversos para a representação do país na ficção, é interessante comparar as duas obras citadas acima, ambas publicadas no mesmo ano, 1872, pelos dois escritores, em momentos diferentes de suas carreiras literárias: o primeiro já um escritor consagrado e o segundo lançando seu primeiro romance. Dentre os vários autores que foram referências teóricas para este trabalho, destaco Antonio Candido, por sua obra essencial, Formação da literatura brasileira (Momentos Decisivos 1750-1880), e Franco Moretti, por seu estudo intitulado "O século sério" (2009), sobre mudanças no comportamento das famílias no século XIX e as implicações disso no romance, estudo incluído em A Cultura do Romance (2009), obra organizada por este último autor, com vários ensaios, inclusive sobre o espaço no romance.

 

Biografia do Autor

José Alonso Tôrres Freire, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo.

Professor adjunto do Curso de Letras do Campus de Aquidauana/UFMS

Referências

ALENCAR, J. de. Sonhos d’Ouro. São Paulo: Ática, 1998.

ASSIS, J. M. M. de. Obra Completa. 3 Vols. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1962. Vol. III, p. 801-804.

ATHAYDE, T. de. Teresa Margarida da Silva e Orta, precursora do romance brasileiro. In: HOLANDA, A. B. de (Coord.). O romance brasileiro: de 1752 a 1830. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, s/d.

BARTHES, R. O efeito de real. In: _____. O rumor da língua. Tradução de Antonio Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1984. pp.131-136.

BASTIDE, R. Machado de Assis, paisagista. Revista USP, São Paulo nº 56, p. 192-202, dezembro-fevereiro, 2002/2003.

CANDIDO, A. O discurso e a cidade. 3ª edição. São Paulo/Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2004.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira (Momentos Decisivos 1750-1880). 12ª ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul; São Paulo: FAPESP, 2007.

CEIA, C. Verbete “Clássico”. E-Dicionário de Termos Literários. verbete. Disponível em http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=627&Itemid=2. Acesso em 11.02.2015.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mocambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 4. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1968. (Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil ; 2).

LINS, O. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976. (Ensaios, 20).

MAUAD, A. M. Imagem e autoimagem do Segundo Reinado. In: Historia da Vida Privada na Brasil. Coorden. Geral por Fernando A. Novais. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. P. 181-231. (Volume 2).

MORETTI, F. Atlas do romance europeu 1800-1900. Trad. Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2003.

MORETTI, F. “O século sério”. In: _____. (Org.). A cultura do romance. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009. pp. 823-863.

REVISTA BABEL. Dossiê Cânones. Ano I, número 3, setembro a dezembro de 2000, Santos/SP, Florianópolis/SC, Campinas/SP.

PEREIRA, Astrojildo. Romancistas da cidade: Macedo, Manuel Antonio e Lima Barreto. In: HOLLANDA, Aurélio Buarque de (Coord.). O romance brasileiro (De 1752 a 1930). Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1952.

THIBAUDET, Albert. “Le roman urbain”. In: ______. Réflexions sur le Roman. Paris: Gallimard, 1938, p. 206-212.

Downloads

Publicado

04/04/2017

Como Citar

Freire, J. A. T. (2017). O cânone e o espaço: Alencar e Machado. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 1(15), 76–96. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1480