Henri: A crueldade no conto de Rubem Fonseca

Autores

  • Igor Alexandre Barcelos Graciano Borges Universidade de Brasília (UnB)
  • Leandro Faria de Souza Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Palavras-chave, Literatura, Crueldade, Brutalidade, Rubem Fonseca,

Resumo

Resumo: Este trabalho pretende analisar o conto Henri, publicado por Rubem Fonseca em sua antologia “Os Prisioneiros”, de 1963. O objetivo geral da pesquisa é trabalhar com a literatura intitulada brutalista, e que está relacionada ao cruel, à violência. Os objetivos principais deste trabalho são, em primeiro lugar, identificar se há os elementos que compõe a literatura supracitada, em segundo plano, é analisar os elementos que caracterizam a crueldade no conto de Rubem Fonseca. A crueldade, a violência, e até o demoníaco são elementos de uma literatura que possui muito a ser analisado e, claro, pesquisado, este tipo de literatura permite que o leitor enxergue algo que, em termos, está quase sempre nas sombras ou que compõe a periferia em sentido amplo. A crueldade e a violência são elementos de uma literatura que atinge, diretamente, o íntimo do leitor, transportando o mesmo para uma situação de leitura que desperta o desconforto, porém, propicia uma nova perspectiva de enxergar a literatura com menos inocência do que se pressupõe que ele possua. Para tal investigação foram utilizados os seguintes teóricos: Ângela Maria Dias e Paula Glenadel (2004), Jaime Guinzburg (2012), Ronaldo Lima Lins (1990), Georges Bataille (2015), Joel Birman (2009), entre outros que estudam esta vertente da literatura.

Biografia do Autor

Igor Alexandre Barcelos Graciano Borges, Universidade de Brasília (UnB)

Doutorando em Literatura [PosLit] pela Universidade de Brasília - DF

Referências

BATAILLE, Georges. A Literatura e o mal. Trad. de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BIRMAN, Joel. Cadernos sobre o mal: agressividade, violência e crueldade. Rio de Janeiro: Record, 2009.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia da Letras, 1992.

. O Conto Brasileiro Contemporâneo. São Paulo: Editora Cultrix, 2002. CÂNDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

DIAS, Ângela Maria, GLENADIEL, Paula. Estéticas da Crueldade. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004.

FONSECA, Rubem. Os Prisioneiros. Rio de Janeiro: Editora Agir, 2009.

FRANÇA, Júlio. A alma encantadora das ruas e Dentro da noite: João do Rio e o medo urbano na literatura brasileira. In: , GARCÍA, Flavio, PINTO, Marcello de Oliveira. (Orgs.). As arquiteturas do medo e o insólito ficcional. Rio de Janeiro: Editora Caetés, 2013, p. 66-78.

LINS, Ronaldo Lima. Violência e literatura. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

SANTOS, Jair Ferreira dos. Literatura, crueldade e produtivismo. In: DIAS, Ângela Maria,

GLENADIEL, Paula. Estéticas da Crueldade. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004. p. 39-49.

FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Sedução e crueldade. In: DIAS, Ângela Maria, GLENADIEL, Paula. Estéticas da Crueldade. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004. p. 169- 179.

GINZBURG, Jaime. Literatura, violência e melancolia. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2012.

GOMES, Renato Cordeiro. Narrativa e paroxismo: Será preciso um pouco de sangue verdadeiro para manifestar a crueldade?. In: DIAS, Ângela Maria, GLENADIEL, Paula. Estéticas da Crueldade. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004. p. 143-154.

CARDOSO, Fernanda. Rubem Fonseca: violento, erótico e, sobretudo, solitário. Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/r00004.htm. Acesso em 02/12/2017.

FONSECA, Rubem. Disponível em: https://www.ebiografia.com/rubem_fonseca/. Acesso em 03/12/2017.

Downloads

Publicado

2019-02-15

Como Citar

Graciano Borges, I. A. B., & de Souza, L. F. (2019). Henri: A crueldade no conto de Rubem Fonseca. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 3(20), 401–421. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3361