Childhood in "no galinheiro, no devagar do tempo", by Ondjaki

Autores

Palavras-chave:

Ondjaki, African Literature, Childhood

Resumo

The African literature of Portuguese language corresponds to a relatively recent production, if we take into account the post-independence history of these countries. However, they consist of a vast and rich production from the cultural, identity, aesthetic point of view and the way in which orality is imbricated in the writing. It is in this context that the work of the Angolan Ondjaki is situated, which explores, among so many themes and perspectives, the issue of childhood, the starting point of one of his best-known works, Os da Minha Rua (2007), composed of twenty-two narratives. Among them is the text “No galinheiro, no devagar do tempo”, object of study of this article, which aims to analyze how childhood is presented in this story. For this, we developed a bibliographical research, based, in particular, on the ideas of Bakhtin (2002), Jacoby (2010), Chombart de Lauwe (1991), Lajolo (1997), among others

Keywords: Ondjaki; African Literature; Childhood.

Biografia do Autor

Marcos Antônio Fernandes dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestre em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão – Brasil. Doutorando em Letras na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Brasil. Professor Substituto na Universidade Estadual do Maranhão - Brasil. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0002-6892-5056. E-mail: marcossantos@professor.uema.br

Emanoel César Pires de Assis, Universidade Estadual do Maranhão

Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina – Brasil. Realiza estágio pós-doutoral na University of Oslo – Noruega, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Maranhão - Brasil. Professor na Universidade Estadual do Maranhão – Brasil. ORCID iD: http://orcid.org/0000-0001-7377-8540. E-mail: emanoel.uema@gmail.com

Liilian Castelo Branco de Lima, Universidade Estadual do Maranhão

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Pará. Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão (2001) e Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Piauí (2011). Participa do Grupo de Estudos Literários e Imagéticos, Atualmente é professora da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão/UEMASUL e do Ensino Médio do Estado do Maranhão. Pesquisadora de educação e literatura indígena, tem experiência na área de Letras e Antropologia, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura, educação, antropologia da educação e da saúde, metodologia da pesquisa científica.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BAKHTIN, Mikhail M. Formas de tempo e de cronotopo no romance: ensaios de poética histórica. In: BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução: A. F. Bernadini et al. 5 ed. São Paulo: Hucitec, 2002, p. 211-362.

BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CAMPOS, J.S. A historicidade das literaturas de língua oficial portuguesa. In: Anais do I seminário de pesquisa da pós-graduação em história – UFG/UCG, 2008.

CHOMBART DE LAUWE, Marie-José. Um outro mundo: a infância. São Paulo: Perspectiva, 1991.

COUTO, Mia, Tradutor de chuvas. Portugal. Ed Caminho, 2015.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; MOREIRA, Terezinha Taborda. Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC-Minas. Belo Horizonte, n. 16, p. 13-69, set. 2007,

JACOB, Sissa. Os da minha rua: A infância como “ponto cardeal eternamente possível”. Navegações, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 200-204, jul./dez. 2010.

KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escrita do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

LAJOLO, Marisa. “Infância de papel e tinta” in FREITAS, Marcos César. org. História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LEJEUNE, Philippe. Da autobiografia ao diário, da Universidade à associação: itinerários de uma pesquisa. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 48, n. 4, 2013.

LEJEUNE, Philippe. Autoficções & cia. Peça em cinco atos. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (Org.). Ensaios sobre a autoficção. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

LOPES, Denilson. Por uma crítica com afeto e com corpo. Revista Grumo, n. 2, Buenos Aires/Rio de Janeiro, 2003, p.52-55.

MACHADO, Irene. A questão espaço-temporal em Bakhtin: cronotopia e exotopia. In: PAULA, Luciane; STAFUZZA, Grenissa (org.). O círculo de Bakhtin: teoria inclassificável. Campinas: Mercado das letras, 2010, v.1, p. 203-234.

MAGALHÃES, Violante. Sobressalto e espanto: narrativas literárias sobre e para a infância, no neo-realismo português. 2008. Tese (Doutorado em Estudos Literários - Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2008.

MATA, Inocência. Inocência. Mata: a essência dos caminhos que se entrecruzam. Revista Crioula, São Paulo, n. 5, p.1-19, 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/crioula/article/viewFile/54948/58596 Acesso em: 22 mar. 2021.

MATA, Inocência. O pós-colonial nas literaturas africanas de língua portuguesa. In: x congresso internacional da ALADAA (Associação Latino-Americana de Estudos de Ásia e África), 2000, Rio de Janeiro. Cultura, poder e tecnologia: África e Ásia face à globalização. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/aladaa/mata.rtf Acesso em: 22 mar. 2021.

MIRANDA, W. M. (1992). Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: EDUSP; Belo Horizonte, MG: UFMG.

OLIVEIRA, Jurema José de. As literaturas africanas e o jornalismo no período colonial. O marrare, Rio de Janeiro, n. 8, p. 42-50, 2008. Disponível em: http://www.omarrare.uerj.br/numero8/pdfs/jurema.pdf Acesso em: 02 mar. 2022.

ONDJAKI. Os da minha rua. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007.

ONDJAKI. Bom dia camaradas. Rio de Janeiro: Agir, 2006.

ZILBERMAN, Regina. O Estatuto da Literatura Infantil. In: A literatura infantil na escola. 11. ed. São Paulo: Global, 2003.

Downloads

Publicado

06/06/2022

Como Citar

Santos, M. A. F. dos, Assis, E. C. P. de, & Lima, L. C. B. de. (2022). Childhood in "no galinheiro, no devagar do tempo", by Ondjaki. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 3(30), 127–148. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/6656