Uma análise do discurso feminino x discurso masculino a partir de Hagar, o horrível como prática de ensino

Autores

  • Julio Cesar Machado UFSCar
  • Marcelo Giovannetti Ferreira Luz UFSCar

Palavras-chave:

História em quadrinhos, discurso, feminino, masculino,

Resumo

O presente artigo tem por objetivo investigar, a partir da Análise de Discurso de francesa, bem como
aquela produzida no Brasil por Eni Orlandi, os efeitos de sentido sobre os nomes “feminino” e “masculino” na
modernidade, tendo como corpus de análise as tiras em quadrinhos de Hagar, o Horrível, criado por Dick
Browen, em 1973. Divulgadas em mais de 1900 jornais, essas tiras formam um corpus rico para questionar os
aspectos linguísticos, históricos e sociais que fazem significar o “masculino” e o “feminino” na atualidade, bem
como acentuar a configuração complexa do gênero HQ, tendo em vista o deslize de sentidos que tais palavras
sofreram no decorrer da história, mostrando como essas significações podem promover um novo olhar sobre as
relações entre homem e mulher nas práticas discursivas escolares.

Biografia do Autor

Julio Cesar Machado, UFSCar

Doutorando em Linguística

Marcelo Giovannetti Ferreira Luz, UFSCar

Doutorando em Linguística

Downloads

Publicado

11/04/2019

Como Citar

Machado, J. C., & Giovannetti Ferreira Luz, M. (2019). Uma análise do discurso feminino x discurso masculino a partir de Hagar, o horrível como prática de ensino. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 5(5). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/3484