Paulo Freire e a educação indígena na América Latina: práxis possíveis

Visualizações: 49

Autores

Palavras-chave:

educação libertadora, educação intercultural, história da educação, colonialidade

Resumo

Diálogo, comunhão, amorosidade, respeito e outros atributos humanizadores referenciam Paulo Freire para o mundo, não o circunscrevendo a um método, mas o materializando em uma atitude filosófica e política substancial para a história da educação e para a práxis educativa intercultural. Objetivou-se compreender a maneira como Paulo Freire influencia as reflexões e ações educativas direcionadas aos indígenas da América Latina. A pesquisa associou uma revisão sistemática à análise de conteúdo guiada pelo software Iramuteq. Coletaram-se os dados das bases Web of Science, Scopus e SciELO Citation Index. Das 85 publicações localizadas, elegeram-se 22 artigos, indexados de 2003 a 2022. A maioria (n=14) abordou a conjuntura brasileira, mas México, Colômbia, Costa Rica, Cuba e República Dominicana foram contemplados. Sintetizaram-se as evidências em quatro categorias: interculturalidade dos princípios epistemológicos freireanos; aplicabilidade dos construtos de Paulo Freire na educação indígena; valorização dos conhecimentos indígenas; e formação superior para a atenção à saúde indígena. Conclui-se que Paulo Freire embasa ações promotoras da educação indígena não restritiva à escolarização, sedimentando a práxis intercultural. Os estudos denunciam a persistência de reverberações coloniais contra os povos indígenas, sendo urgente, portanto, fortalecer as iniciativas centradas na educação libertadora.

 

Biografia do Autor

Vanusa Nascimento Sabino Neves, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestrado em Gestão de Organizações Aprendentes (UFPB), Licenciatura e Graduação em Enfermagem (UFPB), Graduação em Direito (UNIPE), Especializações em Enfermagem Pediátrica (UFPE), Especialização em Linhas de Cuidados em Enfermagem Saúde Materno, Neonatal e do Lactente (UFSC) e Especialização em Enfermagem Obstétrica (UFMG). Enfermeira da UFPB, Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW).

Charliton José dos Santos Machado, Universidade Federal da Paraíba

Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba. Pós-Doutorado em Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra/Portugal (2021). Pós-Doutorado em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/2009). Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN/2001). Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB/1997). Licenciado em Ciências Sociais (UFPB/1994). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1C.

Referências

ALMEIDA, A. R. et al. A educação enquanto experiência comunitária e a Escola Viva Olho do Tempo: o circular de saberes como prática alternativa inovadora. Holos, Natal, v. 2, p. 1-17, 2021. DOI 10.15628/holos.2021.12015.

ALMEIDA, S. F.; BARCELOS, D. C.; GOMES, D. R. Countryside Education as an expression of Paulo Freire's legacy: Educating for freedom in undergraduate courses through the Alternation Pedagogy and the Thematic Study Project. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 16, p. 1-19, 2021.

ARAÚJO, D. C. C. D.; VERDEAUX, M. D. F. D. S.; CARDOSO, W. T. Uma proposta para a inclusão de tópicos de astronomia indígena brasileira nas aulas de Física do Ensino Médio. Ciência & Educação, Bauru, 23, n. 4, p. 1035-1054, 12 2017.

BORGES, L. C.; BOTELHO, M. B. Cosmology: an intangible heritage exhibition and educational programme at the Museum of Astronomy, Rio de Janeiro. International Journal of Intangible Heritage, [S.l.], v. 3, p. 55-70, 2008.

CALDAS, J.; COZERO, P. T. Voz das vítimas: a discursividade crítica em Dussel e o mecanismo de consulta da Convenção nº 169 da OIT. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 1116-1140, 2021.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Iramuteq: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Tutorial para uso do software [de análise textual] Iramuteq. Florianópolis: UFSC, 2018.

CAMELO GÓMEZ, M. S.; JIMÉNEZ QUENGUAN, M. Teatro para la memoria: danzantes de pensamientos. Revista Educación, Madrid, v. 45, n. 1, p. 298-322, 2021.

CASTRO, D. T; OLIVEIRA, I. A. Descolonização do saber: Paulo Freire e o pensamento indígena brasileiro. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 47, e116268, 2022. DOI https://doi.org/10.1590/2175-6236116268vs01.

CRAWFORD, K. et al. Generational and ancestral healing in community: Urban Atabex Herstory. Genealogy, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 29, 2021.

CRUZ, E. D.; OLIVEIRA, A. C. G. G. The school and the social movements: Paulo Freire's experiences in fundamental education. Revista Olhares, Guarulhos, v. 9, n. 3, p. 286-306, 2021.

FIALHO, L. M. F.; MENDES, M. C. F. Youtubers indígenas brasileiros: interfaces entre cultura e educação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 17, p. 1-21, 2022. DOI 10.5212/PraxEduc.v.17.18337.067.

FLEURI, R. M.; FLEURI, L. J. Learning from Brazilian indigenous peoples: towards a decolonial education. Australian Journal of Indigenous Education, [S.l.], v. 47, n. 1, p. 8-18, 2018.

FREIRE, P. Educação e mudança. Tradução: Moacir Gadotti e Lílian Lopes Martin. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação?. Tradução: Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, P.; GUIMARÃES, S. Sobre educação (diálogos). 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

GADOTTI, M. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar. São Paulo: Publisher Brasil, 2007.

GAMBA, E. C., PACKER, A. L.; MENEGHINI, R. Pathways to Internationalize Brazilian Journals of Psychology. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p. 66-71, 2015. DOI https://doi.org/10.1590/1678-7153.20152840010.

GUZMÁN GAMES, F. J. Freire en la era digital: opresión y liberación de pueblos indígenas mediante las TIC. Innovación Educativa, Ciudad de México, v. 17, n. 75, p. 9-27, 2017.

HEIDEMAN, I. T. S. B et al. Empowerment: reflections in the context of vulnerabilities and nursing practices. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 35, p. 1-8, 2021.

KAPLAN, C. V.; SULCA, E. M. Á. Procesos de nominación y estigmatización de los pueblos indígenas en Argentina. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 9, n. 27, p. 296-316, 2018. DOI 10.26514/inter.v9i27.2945. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/2945. Acesso em: 3 mar. 2023.

LUNA, W. F. et al. Identity, Care and rights: the experience of talking circles about the health of indigenous people. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 44, n. 2, p. e067, 2020.

AUTOR, 2020.

MALCOLM, G. Completing the Freiren cycle: Linking Huichol education with global education and international development studies. Canadian Journal of Development Studies, [S.l.], v. 26, n. 2, p. 331-344, 2005.

MONTES, C. S. The zapatista school: educating for autonomy and emancipation. Alteridad: Revista de Educación, Quito, v. 14, n. 1, p. 109-121, 2019.

NASCIMENTO, V. F.; HATTORI, T. Y.; TERCAS-TRETTEL, A. C. P. Challenges in the training of indigenous nurses in Mato Grosso, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 47-56, 2020.

NEVES, J. G. Paulo Freire: um olhar de amorosidade para a educação escolar indígena. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 121-133, 2022. DOI: 10.11606/issn.2316-9125.v26i2p121-133.

AUTOR, 2021.

AUTOR, 2022.

OLTRAMARI, L. C.; CAMARGO, B. V. Aids, relações conjugais e confiança: um estudo sobre representações sociais. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 2, p. 275-283, 2010.

PAGE, M. J. et al. The Prisma 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. International Journal of Surgery, [S.l.], v. 88, p. 105906, 2021.

PEÑALONZO, J. O. La escuela, diferentes contextos culturales y culturas de frontera. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 149-155, 2003.

PINHEIRO-BARBOSA, L. Pedagogías senti-pensantes e revolucionárias na práxis educativo-política dos movimentos sociais na América Latina. Revista Colombiana de Educación, Bogotá, n. 80, p. 269-290, 2020.

PINI, F. R. Educação popular em direitos humanos no processo de alfabetização de jovens, adultos e idosos: uma experiência do Projeto Mova-Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 35, e214479, 2019.

AUTOR, 2022.

AUTOR, 2022.

SANTOS, J. A.; PIOVEZANA, L.; BERNARDI, L. Coloniality and decolonization in Latin-American education: the case of indigenous intercultural degrees with the kaingang people. Eccos, São Paulo, n. 45, p. 59-78, 2018.

SILVA, G. R. M.; NASCIMENTO, I. P. As representações sociais de professores indígenas Tembé sobre a sua cultura na educação escolar. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 11, n. 33, p. 166-185, 2020. DOI 10.26514/inter.v11i33.4913. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/4913. Acesso em: 3 mar. 2023.

SUZINA, A. C. For a circular theory of communication: Revisiting and unfolding the Freirean inspiration in Latin American communicational thinking. Chasqui: Revista Latinoamericana de Comunicación, Quito, n. 150, p. 145-160, 2022.

TAVARES, M. The university and the epistemological pluri-diversity: the construction of knowledge in terms of other non-western centered epistemological paradigms. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, n. 24, p. 53-79, 2013.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Nascimento Sabino Neves, V., & José dos Santos Machado, C. (2024). Paulo Freire e a educação indígena na América Latina: práxis possíveis . INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/7440

Edição

Seção

Artigos Temáticos