A descoberta do frio

testemunho e trauma coletivo do racismo na narrativa de Oswaldo de Camargo

Visualizações: 21

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v3i36.8226

Palavras-chave:

Literatura brasileira, Literatura negra, Memória, Testemunho

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar a relação entre testemunho e trauma coletivo do racismo na novela A descoberta do frio (2011 [1979]), de Oswaldo de Camargo, buscando compreender em que medida a violência do empreendimento colonial europeu, marcado pela diáspora forçada, pela escravização em massa e pela invisibilização do Negro são representados como eventos-limite numa literatura em que emerge o Negro não como o outro, aquele de quem se fala, mas na posição de sujeito de sua própria história.  A partir de conceitos dos estudos pós-coloniais e de um entrelaçamento entre a noção de testemunho e de história a contrapelo, busco apresentar como a escrita Negra, da qual Oswaldo de Camargo é um dos autores mais influentes, opera um trabalho de escovar a própria literatura a contrapelo, contestando as verdades ditas oficiais propagadas pelos chamados vencedores e denunciando a lógica perversa e violenta da colonização. Pela via da rememoração desses eventos traumáticos, a escrita de Camargo coloca o dedo na ferida e se coloca como representativa da tarefa (re)construção da memória coletiva de Negras e Negros no Brasil, apontando, de maneira incisiva, a verdade incômoda do racismo.

Biografia do Autor

Carlos Ferreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Obras escolhidas, volume 1: magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BERND, Zilá. Introdução à Literatura Negra. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BONNICI, Thomas. O cânone literário e a crítica literária: o debate entre exclusão e a inclusão. In: BONNICI, Thomas; FLORY, Alexandre; PRADO, Márcio. (Orgs.). Margens instáveis: tensões entre teoria, crítica e história da literatura. Maringá, EDUEM, 2011, p. 101-128.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Trad. Sergio Miceli, Silvia de Almeida Prado, Sonia Miceli e Wilson Campos. São Paulo: Perspectiva, 2007

CADERNOS NEGROS, vol. 1. São Paulo: Quilombhoje, 1978.

CALEGARI, Lizandro Carlos. Trauma, memória e testemunho em A vida e a luta de uma sobrevivente do Holocausto, de Sabina Kustin. Literatura e autoritarismo, Santa Maria, n. 32, p. 97-98, jan. – jun. 2019.

CAMARGO, Oswaldo de. Um homem tenta ser anjo. São Paulo: Supertipo, 1959.

CAMARGO, Oswaldo. A descoberta do frio. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

CUTI (Luiz Silva). A consciência do impacto nas obras de Cruz e Sousa e Lima Barreto. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

ESCOBAR, Giane Vargas. Clubes sociais negros: lugares de memória, resistência negra, patrimônio e potencial. 2010. 207 f. Dissertação (Mestre) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

GAMA, Luiz. Primeiras trovas burlescas de Getulino. São Paulo: Ática, 1981.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Vértice, 1990.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação - episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KLEIN, Melanie. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos. In: Obras completas de Melanie Klein, Volume I. Rio de Janeiro: Imago, 1932.

KLEIN, Melanie. A psicanálise de crianças. In: Obras completas de Melanie Klein, Volume II. Rio de Janeiro: Imago, 1933.

LACERDA, João Baptista. Sur le métis au Brésil. Londres: Premier Congrés Universel des Races, 1911.

MARTINS, Nélson Silveira; LAURITO, Domingos. Bragança: 1763 – 1942. São Paulo: Coleção São Paulo Através da História, 1943.

POUILLON, Jean. O tempo no romance. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1974.

RISO, Ricardo. É hora de ouvir os atabaques de dois poetas sem equívocos: Éle Semog e José Carlos Limeira. Literafro: o portal da literatura afro-brasileira. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/28-critica-de-autores-masculinos>. Acessado em 16 out. 2019.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma – a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Revista psicologia clínica, Rio de Janeiro, PUC-RJ, vol. 20, no. 1, p. 65-82, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n1/05>. Acessado em 31 out. 2019.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.) História. Memória. Literatura. O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2010, p. 45-58.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O testemunho: entre a ficção e o ‘real’. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, Memória, Literatura. O testemunho na Era das Catástrofes. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2003, pp. 371-386.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

FERREIRA, Carlos. A descoberta do frio: testemunho e trauma coletivo do racismo na narrativa de Oswaldo de Camargo . REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 3, n. 36, p. 64–84, 2024. DOI: 10.61389/revell.v3i36.8226. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/8226. Acesso em: 22 jul. 2024.