As Escritas de si e Escritas Sobre o Outro

Carolina Maria de Jesus e as Diversas Possibilidades de Leituras

Visualizações: 288

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v2i35.8324

Palavras-chave:

Literaturas Afro-latino-americanas, Memórias, Escrevivências, Carolina Maria de Jesus, Escrita de si

Resumo

Neste trabalho escolhemos discutir as teorias e as práticas das escritas do eu e de gêneros como: autobiografias, autoficções e outros relatos baseados em memórias individuais e coletivas. Geralmente, nós, pesquisadores sentimos dificuldades em relacionar os textos teóricos com as vidas e as obras das autoras e os seus respectivos textos literários, a partir desse lugar de rizomas e rastros resíduos. Como metodologia discursiva, o presente artigo tem como eixo um leque de teóricos que versam sobre as escritas de si. Primeiramente são problematizadas  as suas contribuições, autocríticas e até mesmo papéis de raça, gênero e classe frente ao texto Quarto de Despejo de Carolina Maria de Jesus, posteriormente como guisa discursiva entre teoria e prática discorremos na seção Carolina: escritora, personagem de ficção e as diversas possibilidades de leitura -  a potência discursiva e o protagonismo de grupos que historicamente foram representados como minorizados na literatura canônica da América Latina.

Biografia do Autor

Alessandra Correa de Souza, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Letras Neolatinas pela Univerdidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil, com bolsa sanduíche PDSE/CAPES na Universidad Nacional Mayor de San Marcos - Peru. Professora Adjunta da Universidade Federal de Sergipe - Brasil. 

Referências

ANDRADE, Leticia P. Crítica literária versus Quarto de despejo. 2012. Disponível em:

http://ebookbrowsee.net/critica-literaria-versus-quarto-de-despejo-pdf-d422123202. Acesso em: 22 de setembro de 2013.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de: Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de

Janeiro, UERJ, 2010.

ARISTÓTELES. A política. Tradução de: Nestor Silveira Chaves. São Paulo: Escala

Educacional, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Introdução e tradução de: Paulo Bezerra

(russo). Prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M.; VOLOSHINOV, V. N. Lê discours dans le vie et le discours dans la poésie –Contribución à une poétique sociologique. In : TODOROV, T. Mikhail Bakhtine, le principle dialogique. Tradução (port) de : C. A. Faraco e C. Tezza (mimeo). Paris: Seuil,

, pp.181-216.

BARTHES, Roland. O rumor da língua ; prefácio Leyla Perrone-Moisés : tradução Mario

Laranjeira : revisão de tradução Andréa Stabel M. da Silva. – 2. Ed. – São Paulo : Martins

Fontes, 2004.

BORKOSKY, Mercedes. Autodiscurso en la literatura francesa de los siglos XIX y XX Autobiografías, Cartas y Viajes. Argentina: Facultad de Filosofía y Letras – Universidad Nacional de Tucumán, 2005, pp.7-90.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. Consciência em debate. Coordenadora Vera Lúcia Benedito. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 3. ed. São

Paulo: Moderna, 1982.

CORTÊS, Cristiane. Diálogos sobre escrevivência e silêncio. In: DUARTE, Constância Lima.

CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (Orgs.). Escrevivências: identidade,gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Editora Idea, 2016.

COSER, Stellamaris. “Hibrido, hibridismo e hibridização”. In: FIGUEIREDO, Eurídice

(Org.). Conceitos de literatura e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UFF, Editora da

UFJF/EdUFF, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. Vozes nas sombras: representação e legitimidade na narrativa

contemporânea. In: DALCASTAGNÈ, Regina. Ver e imaginar o outro: alteridade, desigualdade, violência na literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Editora Horizonte, 2008.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. Tradução de: Gilson César

Cardoso de Souza. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

DUARTE, Constância Lima. “Marcas da violência no corpo literário feminino”. In:

DUARTE, Constância Lima, CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (Orgs.).Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Editora Idea, 2016.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Belo Horizonte. SCRIPTA. 2º semestre de 2009; 13(25):17-31.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza, 2003.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2013.

FIGUEIREDO, Eurídice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Rio de Janeiro: Editora

da UFF, UFJF, 2012.

FIGUEIREDO, Eurídice. Mulheres ao espelho: autobiografia, ficção. Rio de Janeiro: UERJ, 2013.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. Lisboa: Coleção Vega Universidade,1988.

GLISSANT, Édouard. Poética da relação. Tradução de: Manuela Mendonça. Portugal: Porto Editora, 2011.

GLISSANT, Édouard.. Introdução a uma poética da diversidade. Tradução de: Eunice do Carmo

Albergaria Rocha. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2000.

GUIMARÃES LOPES, María Angélica. El discurso de Carolina Maria de Jesus. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2000.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la Memoria. Madrid: Siglo Veintiuno de España Editores, 2002.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo – diário de uma favelada. 8. ed. São Paulo:

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo – diário de uma favelada. 5. ed. São Paulo: 1995.

JESUS, Carolina Maria de Casa de alvenaria – diário de uma ex-favelada. Rio de Janeiro: Editora

Paulo de Azevedo, 1992.

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. São Paulo: SESI-SP Editora, 2014.

LEJEUNE, Philippe; NORONHA, Jovita Maria Gerheim (Org.). O pacto autobiográfico. De Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. 2. ed. São Paulo: Global, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. Eu sou Atlântica sobre a trajetória de Beatriz Nascimento. Alex Ratts. São Paulo. Instituto Kuanza, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

OLIVEIRA, Inês B. Aprendizagens culturais cotidianas, cidadania e educação. In: OLIVEIRA, Inês B.; SGARBI, Paulo (Orgs.) Redes culturais, diversidade e educação. Rio de Janeiro: DPA, 2002.

OLIVEIRA, Inês B.; SGARBI, Paulo. Centro e periferia. Salto para o Futuro. Rio de Janeiro, 2008, pp.27-31. OLIVEIRA, Inês B.; ALVES, Nilda. A pesquisa e a criação de conhecimentos na pósgraduação em educação no Brasil: conversas com Maria Célia Moraes e Acácia Kuenzer. Educação e Sociedade. Campinas (SP): 2006; 27(95):577-602.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento, Justificando,

SANTOS, Joel Rufino dos. 1941. Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

VASCONCELLOS, Vania. No Colo das Iabás: Maternidade, Raça e Gênero em Escritoras Afro-Brasileiras. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2015.

VERSIANI, Daniela. O eu se escreve, o outro me escreve. Red – Revista de Ensaios Digitais. Rio de Janeiro. Número 1, 2015. ISSN: 2525-3972. Disponível em: . Acesso em: 27 de dezembro de 2017.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

CORREA DE SOUZA, Alessandra. As Escritas de si e Escritas Sobre o Outro : Carolina Maria de Jesus e as Diversas Possibilidades de Leituras. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 2, n. 35, p. 140–165, 2023. DOI: 10.61389/revell.v2i35.8324. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/8324. Acesso em: 20 jun. 2024.