As tecnologias digitais da informação e comunicação e o ensino colaborativo diante do contexto da educação inclusiva em tempos de pandemia

Autores

Palavras-chave:

Pandemia, tecnologia da informação e comunicação, co-ensino.

Resumo

RESUMO: O período pandêmico tem levantado questionamentos quanto ao uso que os professores estão fazendo dos recursos das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC), para o desenvolvimento do ensino remoto para todos os estudantes, entre eles os estudantes público-alvo da educação especial (PAEE), que normalmente exigem práticas específicas para terem acesso aos conteúdos e consiga realizar as atividades com autonomia e independência. Aliado a isso, as contribuições significativas que a literatura vem apresentando sobre o ensino colaborativo/ co-ensino para o desenvolvimento de um atendimento viável a todos os alunos, bem como a necessidade de existir um espírito colaborativo entre os professores nos processos educacionais inclusivos, demonstra uma temática fundamental para ser apresentada e discutida, quando se aborda o contexto do ensino remoto. Por tanto, o objetivo desse artigo é apresentar reflexões sobre os aspectos que repercutem na atuação dos profissionais da educação diante das práticas educacionais realizadas remotamente utilizando as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) e considerando o ensino colaborativo. Utilizando-se da abordagem qualitativa parte-se do entendimento de que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade (Chizzotti,1998) e, portanto, as reflexões aqui apresentadas são tecidas nessa relação. Assim, a sistematização metodológica para a elaboração desse texto, são realizadas alusão aos estudos sobre o ensino colaborativo na educação especial e educação inclusiva, e dos estudos referentes a TDIC na educação e a sua relação com os processos avaliativos. As reflexões tecidas apresentam contribuições para a análise do momento vivenciados e destaca o modelo do ensino colaborativo, realizados pelos profissionais da educação, para que compreendam de uma forma contextualizada sobre os desafios que enfrentam, especialmente em períodos de pandemia. Mas também possam levar em consideração as lacunas de aprendizagem que se encontram nesses contextos ditos como inclusivos. Além disso, aponta-se alternativas de trabalho em um formato mais colaborativo, que viabilizem da melhor maneira possível, a continuidade do processo de ensino aprendizagem em meio ao isolamento físico imposto pela pandemia.

Biografia do Autor

Maria das Graças Cavalcante de Melo Feitoza, UNESP

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Rio Grande do Nort-UERN e em Letras Língua Portuguesa e suas respectivas literaturas também pela UERN. Especialista em Novas tecnologias na educação pela Faculdades Integradas de Patos-FIP; Supervisão Educacional pela FIP e em Atendimento Educacional Especializado pela Universidade Federal Rural do Semiárido-UFERSA. Atuo no Atendimento Educacional Especializado do município de Luís Gomes RN e na coordenação pedagógica na rede estadual de ensino do RN. Mestranda em Educação Inclusiva pela Universidade Estadual Paulista-Unesp

Michelle de Souza Simone, Universidade Estadual Paulista-UNESP

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP; Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Educação Inclusiva – PROFEI, pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP.

Paulo Henrique Guimarães de Lemos

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Norte do Paraná – UNOPAR; Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Educação Inclusiva – PROFEI, pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP.

Referências

CGI. TIC Educação. Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de e Comunicação nas escolas brasileiras. Comitê Gestor da Internet no Brasil. São Paulo: 2019. Disponível em: https://www.cgi.br/media/docs/publicacoes/2/20201123090444/tic_edu_2019_livro_eletronico.pdf. Acesso em: 07 de abr 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

_______, Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm>. Acesso em: 16 mar. de 2021.

_______, Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020. Estabelece normas educacionais excepcionais a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020; e altera a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/L14040.htm>. Acesso em: 16 mar. de 2021.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

COUTINHO, C. P. Tpack: em busca de um referencial teórico para a formação de professores em tecnologia educativa. Revista Científica de Educação a Distância, [s. l], p. 01-18, 2011.

DENCKER, A. de F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 4. ed. São Paulo: Futura, 2000.

FREIRE, P. 1988. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_______, P. 1987. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

HOFFMANN, J. Avaliação mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1993.

JESUS, D. M. de. Atuando em contexto: o processo de avaliação numa perspectiva inclusiva. Psicol. Soc., v.16, no.1, p. 37 - 49, 2004.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas, 2001.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola – Teoria e Prática. Goiânia: Alternativa, 2004.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2. ed. Salvador: Malabares Comunicações e Eventos, 2005.

_______, C. C. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem? 2000. Disponível em: <https://www.educabrasil.com.br/revista-patio/>. Acesso em: 02 mar. 2021.

MENDES, E. G; VILARONGA, C. A. R; ZERBATO, A. P. Ensino colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: UFSCar, 2014. p. 68 - 88.

MIZUKAMI, M. G. N.; REALI, A. M. M. R. (org.). Formação de Professores, práticas pedagógicas e escola. São Paulo: EdUFSCar, 2002.

MORAN, J. M. A educação que desejamos. Modificar a forma de ensinar. A aprendizagem de ser educador. As etapas de aprendizagem a ser docente. Educar o educador. Disponíveis em: www.eca.usp.br. Acesso em dez. de 2007.

________, J. M. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/metodologias_moran1.pdf. Acesso em: 02 de jan. de 2021.

PACHECO, M. M. D. R. Currículo, interdisciplinaridade e organização dos processos de ensino. Fundação Hermínio Ometto / Uniararas, 2007.

PERRENOUD, P. A pedagogia na escola das diferenças – fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2001.

RABELO, L. C. C. Ensino colaborativo como estratégia de formação continuada de professores para favorecer a inclusão escolar (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/3103. Acesso em 02 de mar. de 2021.

RUIZ, J. Á. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas, 1996.

TARDIF, M. Saberes docentes & Formação profissional. Petrópolis, Vozes, 2004.

TEODORO, V. D.; FREITAS, J. C. de (Orgs.). Educação e Computadores. Lisboa: Ministério da Educação, Gabinete de Estudos e Planejamento, 1995. 233p. (Série Desenvolvimento dos Sistemas Educativos).

VASCONCELOS, M. L. Docência e autoridade no ensino superior: uma introdução ao debate. In: TEODORO, A. e VASCONCELOS, M. L. (orgs). Ensinar e aprender no ensino superior: por uma epistemologia da curiosidade na formação universitária. 2. ed. São Paulo: Mackenzie/Cortez, 2005.

VILARONGA, C. A. R. Colaboração da educação especial em sala de aula: formação nas práticas pedagógicas do coensino. São Carlos: UFScar, 2014.

Downloads

Publicado

2022-03-30

Como Citar

Melo Feitoza, M. das G. C. de, de Souza Simone, M., & de Lemos, P. H. G. (2022). As tecnologias digitais da informação e comunicação e o ensino colaborativo diante do contexto da educação inclusiva em tempos de pandemia. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 6(11), 42–63. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/6192