O diálogo entre a tradição e as inovações românticas no soneto baixel veloz, de Gonçalves Dias

Autores

  • Joseane Dias de Freitas
  • José Batista de Sales UFMS (CPTL)

Resumo

O presente artigo é o resultado de análise do Soneto VI, Baixel Veloz, de Gonçalves Dias, tomando por base os moldes analíticos propostos por Antonio Candido. Assim, inicialmente, fizemos um levantamento dos traços biográficos do poeta, destacando sua ímpar contribuição não apenas para o estabelecimento da literatura nacional brasileira, mas para, a partir da força e da qualidade estética de sua produção, firmar o ideal de modelo a ser seguido pelas nossas próximas gerações de escritores. Posteriormente, descrevemos, por meio de um breve panorama, a ambiência histórico-social que compunha o cenário romântico e, em seguida, apresentamos uma descrição dos modelos formais em voga, com intuito de contextualizar o poema no período no qual fora produzido. Além disso, partindo da base teórica elencada, apresentamos nossa interpretação, com a intervenção da fortuna crítica, destacando o diálogo que o soneto Baixel Veloz estabelece com a tradição e, concomitantemente, com as inovações da poesia romântica.

Palavras-chave: Crítica literária. Romantismo. Literatura brasileira. 

Biografia do Autor

José Batista de Sales, UFMS (CPTL)

Doutor em Letras (UNESP/Assis- 1997) e pós-doutorado UFRGS - 2009. É professor Associado na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Três Lagoas.

Downloads

Publicado

2012-12-20

Como Citar

de Freitas, J. D., & Sales, J. B. de. (2012). O diálogo entre a tradição e as inovações românticas no soneto baixel veloz, de Gonçalves Dias. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 3(8), 109–117. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/567