PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INCLUSIVAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: LETRAMENTO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Autores

  • Andreia Barbosa Mateus UEMS
  • Antonio Sales UEMS

Resumo

RESUMO

 O presente trabalho é resultado parcial de uma pesquisa de Mestrado, no Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu, Mestrado Profissional em Educação. Para tanto, a questão problemática desta pesquisa é: as atividades propostas pelo professor do ensino comum contribuem para o letramento matemático dos alunos com deficiência intelectual?  Para uma análise do objeto proposto procedemos inicialmente um levantamento bibliográfico sobre as práticas pedagógicas inclusivas utilizadas para o ensino da Matemática de alunos com deficiência intelectual e o letramento matemático. Tivemos como objetivo geral neste estudo: descrever, analisar e avaliar a contribuição das atividades propostas pelo professor do ensino comum para promover o letramento matemático de alunos com deficiência intelectual. Além destes, há os específicos que consistem em: descrever as atividades propostas pelo professor do ensino comum com vistas a promover o letramento em Matemática do aluno com deficiência intelectual; analisar o processo de resolução das atividades pelo aluno com deficiência intelectual e avaliar a contribuição das atividades propostas para a sistematização do conhecimento matemático e estabelecimento de relações com o cotidiano.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lurdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13. ed. reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2002.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; STRECK, Danilo Romeu (Org.). Pesquisa participante: O Saber da Partilha. Aparecida, 2006.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994. Disponível em: http://cape.edunet.sp.gov.br/textos/declaracoes/3Declacao_Salamanca.doc, Acesso em: 3 Jun.2014 .

______. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Especial. LDB Nº 9.394, de 1996.

______. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC,2008.

CAMPO GRANDE. Resolução SEMED n.154, de 21 de fevereiro de 2014. Dispõe sobre a educação de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação em todas as etapas e modalidades da educação básica da Rede Municipal de Ensino de Campo Grande-MS

CÂNDIDO, Patrícia Teresinha. Comunicação em Matemática. In: SMOLE,Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CHEVALLARD,Yves; BOSCH Marianna;GÁSCON, Josep. Estudar Matemáticas: o elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

JANNUZZI, Gilberta de Martino. A luta pela educação do deficiente mental no Brasil. 2. Ed. Campinas: Cortez/ Autores Associados, 1985.

KLEIMAN, Angela B (Org). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. IN: ___ Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995

MENDES, Enicéia Gonçalves. Perspectivas para a construção da escola inclusiva no Brasil. In: Palhares, M.S; Marins, S.C. ( orgs.). São Carlos: EDUFSCAR, 2002.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Educação e letramento. De “analfabeto a letramento”. Coleção Paradidáticos: Série Educação. São Paulo: UNESP, 2004.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Práticas pedagógicas na educação especial: a capacidade de significar o mundo e a inserção cultural do deficiente mental. Campinas, SP: Autores associados, 2001.

PANIZZA, Mabel. Ensinar matemática na educação infantil e nas séries iniciais: análise e propostas. Porto Alegre: Artmed,2006.

PERUZZO, Cecília Maria Krohling. Da Observação Participante à Pesquisa-Ação no Campo comunicacional: Pressupostos epistemológicos e metodológicos. In: MELO, José Marques de; GOBBI, Maria Cristina (Org.). Pensamento comunicacional Latino-Americano: Da Pesquisa-Denúncia ao Pragmatismo Utópico. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

SALES, Antonio. Práticas argumentativas no estudo da geometria por acadêmicos de Licenciatura em Matemática. Tese de Doutorado. UFMS, Campo Grande, MS, 2010.

SMOLLE, Kátia Cristina Stocco. O Matemático e o pictórico. In: ______. A Matemática na educação infantil: a teoria das inteligências múltiplas na prática escolar. p. 86-104. Porto Alegre: Penso, 2000.

SOARES, Magda. A reinvenção da alfabetização. Parte de palestra proferida na FAE UFMG, em 26/05/2003, na programação “Sexta na Pós”. Transcrição e edição de José Miguel Teixeira de Carvalho e Graça Paulino. Disponível em: www.cereja.org.br/arquivos upload/magda soares reinvenção.pdf , acessado em 23-08-2006.

Downloads

Publicado

19/09/2018

Como Citar

Mateus, A. B., & Sales, A. (2018). PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INCLUSIVAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: LETRAMENTO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 1(1). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/2154