A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE ESTUDO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Visualizações: 1528

Autores

  • Eva Faustino da Fonseca de Moura Barbosa UEMS
  • Rejane Alves Félix UEMS
  • Elaine Ferreira Silva Nunes UEMS

Palavras-chave:

Bacia Hidrográfica. Córrego Imbirussu. Educação Ambiental

Resumo

Esta pesquisa visa estudar a Bacia do Córrego Imbirussu como unidade (área) de estudo de Educação Ambiental através do Parque Linear do Imbirussu e do CEA Imbirussu. Analisando o espaço/área desta bacia, as ações práticas e os saberes da Educação Ambiental desenvolvidos no Parque Linear do Imbirussu e no CEA Imbirussu - Região Noroeste de Campo Grande. Pois esta é uma região que vem sofrendo inúmeras mudanças ambientais relativas aos processos de uso e ocupação antrópicos preconizados pelo acelerado processo de urbanização que vem ocorrendo em Campo Grande nos últimos vinte anos. A antropização está ocorrendo em todo perímetro urbano de Campo Grande e, consequentemente em todas as dez bacias hidrográficas. As bacias hidrográficas integram uma visão conjunta do comportamento das condições naturais e das atividades humanas nelas desenvolvidas. Atualmente a bacia hidrográfica é considerada uma unidade de gestão e planejamento dos recursos hídricos e das atividades antrópicas realizadas nessas áreas. E assim consequentemente tornaram-se unidades de estudo de Educação Ambiental.

Biografia do Autor

Eva Faustino da Fonseca de Moura Barbosa, UEMS

Professora Titular do Curso de Licenciatura em Geografia da UEMS. E-mail: evamoura@uems.br. Integrante do Grupo de Estudos em Fronteira, Território e Turismo – GEFRONTER

Rejane Alves Félix, UEMS

Graduada no Curso de Licenciatura em Geografia da UEMS, Unidade Universitária de Campo Grande

Elaine Ferreira Silva Nunes, UEMS

Graduada no Curso de Bacharelado em Geografia da UEMS, Unidade Universitária de Campo Grande

Referências

AB’SÁBER, A. N. Bases conceptuais e papel do conhecimento na previsão de impactos. In: AB’SÁBER, A. N; MÜLLER-PLANTENBERG, C. (Org.) Previsão de impactos: o estudo de impacto ambiental no Leste, Oeste e Sul: experiências no Brasil, na Rússia e na Alemanha. 2.ed. São Paulo, EDUSP, 2006. P: 27-49.

ANJOS, M. B. dos. Educação ambiental na abordagem interdisciplinar: Experiência do Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

ARRUDA, F. Após sete anos, Imbirussu-Serradinho será entregue na terça. Campo Grande News, 2011 Disponível em: <http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/ apos-sete-anos-imbirussu-serradinho-sera-entregue-com-festa-na-terca>. Acesso em Outubro/2018.

BARBOSA, E. F. da F. de M.; MOREIRA JÚNIOR, O. A bacia hidrográfica como laboratório para a educação am¬biental no ensino de geografia. IN: OLIVEIRA, A. M. S. de; KUERTEN, S.; MARINHO, V. L. F. (orgs.). Geografia e suas Linguagens: a construção de novas leituras sobre o espaço regional sul-mato-grossense 2. Campo Grande, MS: Life Editora, 2018. P: 97 – 118.

_______; ASSUNÇÃO, A. dos S. Água fonte de vida! e a responsabilidade da sociedade de consumo na atual crise hídrica? In: SILVA, W. G. da; SILVA, P. F. J. da (Org.). Mato Grosso do Sul: as múltiplas escalas de desenvolvimento. Campo Grande: Life, 2017. P: 171-185.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. da. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. IN: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. (org.) Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. 2.ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro-RJ, 2007. P:153-223.

BRASL. Educação Ambiental: Aprendizes de Sustentabilidade. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/ MEC). Brasília, Março de 2007.

______. Lei nº 9.795 de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília. 1999.

______. Secretaria de Educação Formal. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília: MEC/SED. 1998. Disponível em: . Acesso em: Outubro/2018.

______. Lei nº 9.433, de 08 de Janeiro de 1997. Institui a Política Nacional dos Recursos Hídricos [...]. Brasília, 1997a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ LEIS/L9433.htm>. Acesso em: Outubro/2018.

______. Secretaria de Educação Formal. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente, Saúde. Brasília: MEC/SED, 1997b. Disponível em: . Acesso em: Outubro/2018.

______. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Lei no 6.938, 31 de Agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília. 1981.

BRUSCHI, C.; ARNDT, E.; COSTA, L. S. Recursos Hídricos (Capítulo 6). IN: BARROS, E. C. D. R de.; GARCIA, E. M. (orgs). Gestão Ambiental em Mato Grosso do Sul: Conceitos e Práticas. Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: UEMS, 2014. P: 102 – 113.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

CAMPO GRANDE (MS). Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMADUR). Programas e Projetos. Centros de Educação Ambiental. Cea Imbirussu. Disponível em: <http://www.capital.ms.gov.br/semadur/artigos/cea-imbirussu>. Acesso em Junho/2017.

_____. Instituto Municipal de Planejamento Urbano (PLANURB). Perfil socioeconômico de Campo Grande 2016: Mato Grosso do Sul. 23.ed. rev. Campo Grande, 2016a.

_____. Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMADUR). Programas e Projetos. Parques municipais. Disponível em: <http://www.capital.ms.gov.br/semadur/print/6461>. Acesso em Abril/2016b.

_____. Instituto Municipal de Planejamento Urbano (PLANURB). Agenda 21 Campo Grande Nosso Lugar: Diretrizes para um Desenvolvimento Sustentável. Organizada por Jussara Jacques de Almeida. Campo Grande, 2004.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: No Consenso um Embate? Campinas: Papirus, 2000.

GRATÃO, L. H. B. O caminho do rio - uma expressão músico (eco) lógica. IN:

Encontro Nacional de Ensino de Geografia “Fala professor”. 2, São Paulo: AGB

USP, 1991. Anais... Londrina: AGB-USP, 1991. Mimeo.

LOUREIRO, J. M. M. Ciência da Informação: Nem Ciência Social, Nem Humana, apenas uma Ciência Diferente. IN: PINHEIRO, Lena V. R. (org.). Ciência da Informação, Ciências Sociais e Interdisciplinaridade. Brasília: IBICT, 1999. pp: 65-77.

MATO GROSSO DO SUL. Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL. Diretoria de Desenvolvimento - Gerência de Desenvolvimento e Modernização - Unidade de Educação Ambiental. Programa Estadual de Educação Ambiental de Mato Grosso do Sul (ProEEA/MS). Campo Grande/MS: 2018. Disponível também em: http://www.imasul.ms.gov.br. Acesso em Outubro/2018.

______. Política Estadual de Recursos Hídricos. Lei nº 2.406, de 29 de janeiro de 2002. Disponível em: http://www.imasul.ms.gov.br/index.php?inside=1&tp=3&comp=&show=6235. Acesso em Outubro 2018.

MODAELLI, S; Diálogos interbacias de educação ambiental em recursos hídricos. (Capítulo 4 – Saberes e Cuidados em Ação). IN: MODAELLI, S.; JÚNIOR, F. de P. (orgs.). Política de águas e educação ambiental: processos dialógicos e formativos em planejamento e gestão de recursos hídricos. 3.ed., rev. e ampl. Brasília: MMA/SRHU, 2013. P: 126 – 130.

NUNES, E. F. S.; BARBOSA, E. F. da F. de M. A bacia hidrográfica do córrego imbirussu em Campo Grande/MS: unidade de estudo de educação ambiental. Projeto de Iniciação Científica/UEMS. Relatório Final. Edital UEMS - CNPq Nº 002/2016 – PROPP/UEMS – PIBIC. 2017.

PORTO, M. F. A.; PORTO, R. L. P. Gestão de Bacias Hidrográficas. Estudos Avançados Revista On-line. Estud. Av. Vol. 22 nº 63 São Paulo. 2008. 10 páginas. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000200004. Acesso em Outubro/2018.

RAMOS, R. E. Promoção de educação ambiental escolar e comunitária do Centro de Educação Ambiental Imbirussu. TCC -Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Geografia) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2016.

REDE BRASILEIRA DE CENTROS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (REDE CEAs). Centros de Educação Ambiental, afinal, o que são? Disponível em: <http://www.redeceas.esalq.usp.br>. Acesso em: 01 jun. 2017. Acesso em Outubro 2018.

SANTOS, S. E.; ANDREOLI, C. V.; SILVA, C. L. As organizações e o desenvolvimento sustentável. IN: UNIFAE – Centro Universitário Franciscano. Online, 2007. Disponível em: https://slidex.tips/download/as-organizaoes-e-o-desenvolvimento-sustentavel. Acesso em Outubro/2018.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Meio Ambiente. Manual de implantação do Centro Municipal de Educação Ambiental. São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.ambiente.sp.gov.br/cea/files/2013/07/09127-manual-de-implanta%C3%A7%C3%A3o-de-EA-p_internet.pdf. Acesso em Outubro/2018.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: Primeiras Aproximações. 5.ed. São Paulo: Autores Associados, 2005.

YASSUDA, E. R. Gestão de Recursos Hídricos: Fundamentos e Aspectos Institucionais. Rev. Adm. Púb., v. 27, n.2, p. 5-18, 1993. Disponível: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewFile/8663/7394. Acesso em Outubro/2018.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Barbosa, E. F. da F. de M., Félix, R. A., & Nunes, E. F. S. (2018). A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE ESTUDO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 3(4). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/3266