A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE ESTUDO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Eva Faustino da Fonseca de Moura Barbosa, Rejane Alves Félix, Elaine Ferreira Silva Nunes

Resumo


Esta pesquisa visa estudar a Bacia do Córrego Imbirussu como unidade (área) de estudo de Educação Ambiental através do Parque Linear do Imbirussu e do CEA Imbirussu. Analisando o espaço/área desta bacia, as ações práticas e os saberes da Educação Ambiental desenvolvidos no Parque Linear do Imbirussu e no CEA Imbirussu - Região Noroeste de Campo Grande. Pois esta é uma região que vem sofrendo inúmeras mudanças ambientais relativas aos processos de uso e ocupação antrópicos preconizados pelo acelerado processo de urbanização que vem ocorrendo em Campo Grande nos últimos vinte anos. A antropização está ocorrendo em todo perímetro urbano de Campo Grande e, consequentemente em todas as dez bacias hidrográficas. As bacias hidrográficas integram uma visão conjunta do comportamento das condições naturais e das atividades humanas nelas desenvolvidas. Atualmente a bacia hidrográfica é considerada uma unidade de gestão e planejamento dos recursos hídricos e das atividades antrópicas realizadas nessas áreas. E assim consequentemente tornaram-se unidades de estudo de Educação Ambiental.


Palavras-chave


Bacia Hidrográfica. Córrego Imbirussu. Educação Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. N. Bases conceptuais e papel do conhecimento na previsão de impactos. In: AB’SÁBER, A. N; MÜLLER-PLANTENBERG, C. (Org.) Previsão de impactos: o estudo de impacto ambiental no Leste, Oeste e Sul: experiências no Brasil, na Rússia e na Alemanha. 2.ed. São Paulo, EDUSP, 2006. P: 27-49.

ANJOS, M. B. dos. Educação ambiental na abordagem interdisciplinar: Experiência do Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

ARRUDA, F. Após sete anos, Imbirussu-Serradinho será entregue na terça. Campo Grande News, 2011 Disponível em: . Acesso em Outubro/2018.

BARBOSA, E. F. da F. de M.; MOREIRA JÚNIOR, O. A bacia hidrográfica como laboratório para a educação am¬biental no ensino de geografia. IN: OLIVEIRA, A. M. S. de; KUERTEN, S.; MARINHO, V. L. F. (orgs.). Geografia e suas Linguagens: a construção de novas leituras sobre o espaço regional sul-mato-grossense 2. Campo Grande, MS: Life Editora, 2018. P: 97 – 118.

_______; ASSUNÇÃO, A. dos S. Água fonte de vida! e a responsabilidade da sociedade de consumo na atual crise hídrica? In: SILVA, W. G. da; SILVA, P. F. J. da (Org.). Mato Grosso do Sul: as múltiplas escalas de desenvolvimento. Campo Grande: Life, 2017. P: 171-185.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. da. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. IN: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. (org.) Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. 2.ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro-RJ, 2007. P:153-223.

BRASL. Educação Ambiental: Aprendizes de Sustentabilidade. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/ MEC). Brasília, Março de 2007.

______. Lei nº 9.795 de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília. 1999.

______. Secretaria de Educação Formal. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília: MEC/SED. 1998. Disponível em: . Acesso em: Outubro/2018.

______. Lei nº 9.433, de 08 de Janeiro de 1997. Institui a Política Nacional dos Recursos Hídricos [...]. Brasília, 1997a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ LEIS/L9433.htm>. Acesso em: Outubro/2018.

______. Secretaria de Educação Formal. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente, Saúde. Brasília: MEC/SED, 1997b. Disponível em: . Acesso em: Outubro/2018.

______. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

______. Lei no 6.938, 31 de Agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília. 1981.

BRUSCHI, C.; ARNDT, E.; COSTA, L. S. Recursos Hídricos (Capítulo 6). IN: BARROS, E. C. D. R de.; GARCIA, E. M. (orgs). Gestão Ambiental em Mato Grosso do Sul: Conceitos e Práticas. Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: UEMS, 2014. P: 102 – 113.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

CAMPO GRANDE (MS). Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMADUR). Programas e Projetos. Centros de Educação Ambiental. Cea Imbirussu. Disponível em: . Acesso em Junho/2017.

_____. Instituto Municipal de Planejamento Urbano (PLANURB). Perfil socioeconômico de Campo Grande 2016: Mato Grosso do Sul. 23.ed. rev. Campo Grande, 2016a.

_____. Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMADUR). Programas e Projetos. Parques municipais. Disponível em: . Acesso em Abril/2016b.

_____. Instituto Municipal de Planejamento Urbano (PLANURB). Agenda 21 Campo Grande Nosso Lugar: Diretrizes para um Desenvolvimento Sustentável. Organizada por Jussara Jacques de Almeida. Campo Grande, 2004.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: No Consenso um Embate? Campinas: Papirus, 2000.

GRATÃO, L. H. B. O caminho do rio - uma expressão músico (eco) lógica. IN:

Encontro Nacional de Ensino de Geografia “Fala professor”. 2, São Paulo: AGB

USP, 1991. Anais... Londrina: AGB-USP, 1991. Mimeo.

LOUREIRO, J. M. M. Ciência da Informação: Nem Ciência Social, Nem Humana, apenas uma Ciência Diferente. IN: PINHEIRO, Lena V. R. (org.). Ciência da Informação, Ciências Sociais e Interdisciplinaridade. Brasília: IBICT, 1999. pp: 65-77.

MATO GROSSO DO SUL. Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL. Diretoria de Desenvolvimento - Gerência de Desenvolvimento e Modernização - Unidade de Educação Ambiental. Programa Estadual de Educação Ambiental de Mato Grosso do Sul (ProEEA/MS). Campo Grande/MS: 2018. Disponível também em: http://www.imasul.ms.gov.br. Acesso em Outubro/2018.

______. Política Estadual de Recursos Hídricos. Lei nº 2.406, de 29 de janeiro de 2002. Disponível em: http://www.imasul.ms.gov.br/index.php?inside=1&tp=3&comp=&show=6235. Acesso em Outubro 2018.

MODAELLI, S; Diálogos interbacias de educação ambiental em recursos hídricos. (Capítulo 4 – Saberes e Cuidados em Ação). IN: MODAELLI, S.; JÚNIOR, F. de P. (orgs.). Política de águas e educação ambiental: processos dialógicos e formativos em planejamento e gestão de recursos hídricos. 3.ed., rev. e ampl. Brasília: MMA/SRHU, 2013. P: 126 – 130.

NUNES, E. F. S.; BARBOSA, E. F. da F. de M. A bacia hidrográfica do córrego imbirussu em Campo Grande/MS: unidade de estudo de educação ambiental. Projeto de Iniciação Científica/UEMS. Relatório Final. Edital UEMS - CNPq Nº 002/2016 – PROPP/UEMS – PIBIC. 2017.

PORTO, M. F. A.; PORTO, R. L. P. Gestão de Bacias Hidrográficas. Estudos Avançados Revista On-line. Estud. Av. Vol. 22 nº 63 São Paulo. 2008. 10 páginas. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000200004. Acesso em Outubro/2018.

RAMOS, R. E. Promoção de educação ambiental escolar e comunitária do Centro de Educação Ambiental Imbirussu. TCC -Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Geografia) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2016.

REDE BRASILEIRA DE CENTROS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (REDE CEAs). Centros de Educação Ambiental, afinal, o que são? Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2017. Acesso em Outubro 2018.

SANTOS, S. E.; ANDREOLI, C. V.; SILVA, C. L. As organizações e o desenvolvimento sustentável. IN: UNIFAE – Centro Universitário Franciscano. Online, 2007. Disponível em: https://slidex.tips/download/as-organizaoes-e-o-desenvolvimento-sustentavel. Acesso em Outubro/2018.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Meio Ambiente. Manual de implantação do Centro Municipal de Educação Ambiental. São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.ambiente.sp.gov.br/cea/files/2013/07/09127-manual-de-implanta%C3%A7%C3%A3o-de-EA-p_internet.pdf. Acesso em Outubro/2018.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: Primeiras Aproximações. 5.ed. São Paulo: Autores Associados, 2005.

YASSUDA, E. R. Gestão de Recursos Hídricos: Fundamentos e Aspectos Institucionais. Rev. Adm. Púb., v. 27, n.2, p. 5-18, 1993. Disponível: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewFile/8663/7394. Acesso em Outubro/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2526-4052