VOZES DE MÃES E PROFESSORAS COM FILHOS SÍNDROME DE DOWN E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL:

memórias de vida e empoderamento

Visualizações: 88

Autores

Palavras-chave:

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, SÍNDROME DE DOWN, MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Resumo

O presente artigo visa apresentar os resultados de uma pesquisa qualitativa em uma instituição escolar pública de Campo Grande, por meio de uma entrevista semiestruturada e roda de conversa com mães e professoras que possuem filhos com Síndrome de Down e Deficiência Intelectual, trazendo à tona memórias e discursos de vida dessas participantes-colaboradoras, no sentido de compreender as percepções vivenciadas ao se depararem com o filho com deficiência, uma perspectiva sócio-histórico.  Visa também evidenciar o processo de empoderamento dessas mulheres e demonstrar a relevância de seu papel nessa relação afetiva, que contribui para a construção do processo educativo de seus filhos, fazendo com que, por meio do conceito de mediação, apropriem-se da aprendizagem com autonomia e desenvolvam atividades de vida diária, tanto na escola quanto nos diferentes espaços sociais que frequentam. A análise dos dados apresentados evidencia que as mães idealizam o filho perfeito, porém, ao vê-lo nascer com deficiência, e não ser o que esperavam, assumem um estado de contemplação e sensibilidade à dor da criança que traz consigo algumas limitações. Entretanto, em meio à difícil constatação, essas mulheres desenvolvem pensamentos e atitudes de empoderamento para cuidar dos filhos, o que as torna exigentes para acompanhar seus processos de escolarização e desenvolvimento da aprendizagem. Em um segundo momento, fortalecem-se por meio do conhecimento e da convivência com outras mães e até mesmo junto às instituições sociais e escolares. Também, passam a compreender que o filho necessita de possibilidades, oportunidades e instrumentos para que possa estabelecer a autonomia e desenvolver sua aprendizagem, em contexto de escolarização, de forma equilibrada e com bom aproveitamento.

Biografia do Autor

Heliene Alves de Faria Tenório de Melo, UEMS/Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

SED/SUPED/COPESP/Coordenadoria de Políticas para a Educação Especial

Léia Teixeira Lacerda, UEMS

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1995), Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2003), Mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2009). Atuou na Coordenadoria dos Cursos Normal Superior e Normal Superior Indígena no período de 2002 a 2005 e no Curso de Pedagogia da Unidade Universitária de Campo Grande da UEMS, no período de 2009 a 2018. Atualmente é Coordenadora do Centro de Pesquisa, Ensino e Extensão Educação, Linguagem, Memória e Identidade/CELMI; Coordenadora Adjunta do Programa de Mestrado Profissional em Educação e professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul no Curso de Pedagogia e no Programa de Mestrado Profissional em Educação (2021-2023). Editora da Revista Brasileira de Educação, Cultura e Linguagem e líder do Grupo de Pesquisa: Educação, Cultura e Diversidade, associada à Rede de Pesquisa Internacional para América Latina, Europa e Caribe/Rede ALEC. Vencedora do Prêmio Péter Murányi em 2009 na área de Educação, com o trabalho: Educação de Jovens e Adultos e Prevenção das IST/AIDS em Escolas Indígenas do Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brasil. Atua como pareceristas ad hoc em fundações nacionais de fomento e em periódicos e revistas especializadas da área de educação e cultura. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Ensino e da Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, gênero, educação sexual, história indígena, histórias de vida e educação escolar indígena.

Referências

AMERICAN ASSOCIATION ON MENTAL RETARDATION – AMMR. Retardo mental: definição, classificação e sistemas de apoio. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BEGOSSI, Janaina. O luto do filho perfeito: um estudo sobre os sentimentos vivenciados por mães com filhos portadores de paralisia cerebral. Campo Grande, 2003.

BRASIL, Resolução CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p. 17.

BRUNETTO, Deuner Carla Andréa. Os labirintos da imagem – Quem é o deficiente para aquele que o educa? Campo Grande, 1999.

GHARGET, Francine Cristine; MEDEIROS, José Gonçalves; NUERNBERG, Adriano Henrique. Breve história da Deficiência Intelectual. Revista Eletrônica de Investigacion e Docência, Jaén, p.101-116, jul. 2013.

MATO GROSSO DO SUL, Resolução/SED n. 2.506, de 28 de dezembro de 2011. Diário Oficial n. 8.099, de 29 de dezembro de 2011, página 17 e 18.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento - um processo sócio histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio histórico 4. ed. São Paulo: Scipione, 2002.

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: T.A. Queiroz, 1984.

SANTOS, Vanessa Nicolau Freitas dos; BATISTA, Maria Thaís de Oliveira. Autismo, Educação e Afetividade: um diálogo a partir das contribuições de Vygotsky, Wallon e Bowlby in: III CONEDU Congresso Nacional de Educação, 2016, Natal. Artigo. Universidade Federal de Pernambuco: Autismo, EducaÇÃo e Afetividade: Um DiÁlogo A Partir das ContribuiÇÕes de Vygotsky, Wallon e Bowlby, 2016. p. 01 - 13.

SCHWARTZMAN, José Salomão.; LEDERMAN, Vivian Renne Gerber. Deficiência Intelectual: causas e importância do diagnóstico e intervenção precoces. Revista do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – Ibict, v. 10, n, 2. 2017. Disponível em: revista.ibict.br/inclusao/article/view/4028.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.Tradução: Mônica Stahel M. da Silva.

Downloads

Publicado

2022-10-22

Como Citar

de Faria Tenório de Melo, H. A., & Teixeira Lacerda, L. (2022). VOZES DE MÃES E PROFESSORAS COM FILHOS SÍNDROME DE DOWN E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL:: memórias de vida e empoderamento. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 6(12), e612225. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/5701